Translate

quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

memórias literárias - 391 - TEMPESTADES SOLARES E O FIM DO MUNDO

TEMPESTADES
SOLARES E O FIM
DO MUNDO

 
391
ENTREVISTA
 
O PERSCRUTADOR VIRTUAL entrevistou o Pr. Wagner Antonio de Araújo, pastor da Igreja Batista Boas Novas do Rodoanel em Carapicuíba, São Paulo, Brasil, conferencista escatológico há vários anos, sobre as notícias que circulam nas mídias sociais quanto aos fenômenos solares e tsunamis anunciados. Leiamos:
 
OPV - Pr. Wagner, bom dia. Temos algumas perguntas a fazer, visando esclarecer dúvidas quanto às notícias que circulam sobre o fim do mundo. O senhor pode nos ajudar?
 
Pr. Wagner -  Bom dia. Primeiramente, é um prazer responder às suas questões. Se eu puder ajudar de alguma maneira, terei prazer em responder.
 
OPV - Muitos jornalistas anunciam que uma grande tempestade solar encaminha-se para a Terra, de proporções alarmantes; as comunicações serão interrompidas, a distribuição de energia pode ser suspensa; os GPSs podem perder a localização e os continentes escurecerem por semanas. Isso é bíblico?
 
Pr. Wagner - Sempre que se chega ao fim de um ano ou quando temos enormes problemas mundiais, os boatos sobre catástrofes se avolumam. Agora, com as mídias sociais e com a distribuição maciça de informações, isso se propaga com mais força ainda. O que posso dizer é: os fatos podem acontecer, mas as datas são imprecisas.
 
OPV - Como assim?
 
Pr. Wagner - Catástrofes e cataclismas foram previstos na Bíblia Sagrada e irão acontecer, quer creiamos ou não. As datas marcadas, entretanto, são imprecisas e não devem ser levadas a sério, pois a própria Bíblia diz que estes tempos não estão revelados para nós, apenas os fatos que acontecerão. Ninguém deveria marcar datas para isso.
 
OPV - O que a Bíblia diz sobre os fenômenos solares?
 
Pr. Wagner  - Muitas coisas.
 
A Bíblia fala que o sol aumentará em sete vezes a sua potência: E a luz da lua será como a luz do sol, e a luz do sol sete vezes maior, como a luz de sete dias, no dia em que o Senhor ligar a quebradura do seu povo, e curar a chaga da sua ferida. (Is 30:26)
 
Também fala que o sol queimará as pessoas: E o quarto anjo derramou a sua taça sobre o sol, e foi-lhe permitido que abrasasse os homens com fogo. (Ap 16:8)
 
Diz ainda que, após estes fenômenos, o sol se escurecerá, juntamente com a llua, e uma grande chuva de meteoros acontecerá, fechando todo o céu para o bilho espacial: E, logo depois da aflição daqueles dias, o sol escurecerá, e a lua não dará a sua luz, e as estrelas cairão do céu, e as potências dos céus serão abaladas. (Mt 24:29)
 

OPV - Segundo a Bíblia, o que isso provocará?
 
Pr. Wagner - Muitas coisas simultâneas.
 
Haverá maremotos e tsunamis: E haverá sinais no sol e na lua e nas estrelas; e na terra angústia das nações, em perplexidade pelo bramido do mar e das ondas. (Lc 21:25)
 
Juntamente com isto, fenômenos desconhecidos, bizarros, impressionantes e amedrontadores acontecerão, aumentando até às alturas a proliferação de viroses, pestilências, epidemias, fomes e contaminação: E haverá em vários lugares grandes terremotos, e fomes e pestilências; haverá também coisas espantosas, e grandes sinais do céu. (Lc 21:11)
 
Os homens estarão em profundo desespero, desejando a morte e guerreando uns com os outros: E naqueles dias os homens buscarão a morte, e não a acharão; e desejarão morrer, e a morte fugirá deles. (Ap 9:6); E sobre os homens caiu do céu uma grande saraiva, pedras do peso de um talento; e os homens blasfemaram de Deus por causa da praga da saraiva; porque a sua praga era mui grande (Ap 16:21); Porque se levantará nação contra nação, e reino contra reino, e haverá terremotos em diversos lugares, e haverá fomes e tribulações. Estas coisas são os princípios das dores. (Mc 13:8)
 
OPV - E quando isso acontecerá?
 
Pr. Wagner - Jesus Cristo disse que será no tempo do fim e que o acontecimento simultâneo dessas coisas indicaria que o momento seria chegado: Assim também vós, quando virdes sucederem estas coisas, sabei que já está perto, às portas. (Mc 13:29)
 
O dia, mês e hora só é conhecido por Deus: E foram soltos os quatro anjos, que estavam preparados para a hora, e dia, e mês, e ano, a fim de matarem a terça parte dos homens. (Ap 9:15); E disse-lhes: Não vos pertence saber os tempos ou as estações que o Pai estabeleceu pelo seu próprio poder. (At 1:7)
 
Jesus, enquanto não subiu ao Céu, glorificado, afirmou: Mas daquele dia e hora ninguém sabe, nem os anjos do céu, mas unicamente meu Pai. (Mt 24:36)
 
OPV - O senhor acha que isto poderá acontecer agora, conforme os noticiários estão alertando?
 
Pr. Wagner - Eu acredito que isto poderá acontecer a qualquer momento e não nas datas e nas previsões de profetas ou de cientistas. Eu também creio que este é um tempo diferente de todo e qualquer outro tempo da história, com relação ao fim dos tempos. Sempre houve medo e perplexidade nas mudanças de séculos ou de anos, no passado. Muitos preveram o fim das coisas e nada acontecera. Porém, neste momento, vivemos uma convergência de fatos.
 
OPV - Qual a convergência? A que fatos o senhor se refere?
 
Pr. Wagner  - Anteriormente, há cinquenta anos atrás, o mundo não estava conectado; as coisas aconteciam de forma regional e fragmentada. Hoje, contudo, o mundo interligou-se, uniu-se, e as coisas acontecem de forma global. Além disto, temos Israel, a nação criada por Deus, de volta ao seu território, reinvindicando territórios e vivenciando agora um tempo muito perigoso.
 
OPV - Como assim?
 
Pr. Wagner - Há lalguns dias a ONU declarou que Jerusalém não é só capital de Israel e também que os judeus não devem continuar ocupando os territórios reconquistados após a constituição do novo Estado de Israel. Os Estados Unidos, governados por um liberal, deixaram de apoiar Israel e causaram um estrago sem precedentes em sua capacidade de defesa. O novo presidente que irá assumir, entretanto, disse que irá apoiar Israel de forma completa. E, por último, há uma suposta solicitação de Israel a Trump e a Putin que reconstruam para eles o Templo de Jerusalém.
 
OPV - E o que isto importa para a questão das profecias?
 
Pr. Wagner - Israel ainda mantém bênçãos de Deus sobre o seu Estado, uma vez que as promessas de Deus a Abraão, o seu pai, são imutáveis. Eles não são salvos, não irão para o Céu por serem judeus; não estão dispensados de uma conversão; são tão pecadores quanto qualquer um de nós. Contudo, no relógio profético de Deus, a sua volta como nação e a reconstrução do templo são sinais inequívocos da volta de Cristo:
 
Israel renasceu como nação em um único dia, em 1948: Quem jamais ouviu tal coisa? Quem viu coisas semelhantes? Poder-se-ia fazer nascer uma terra num só dia? Nasceria uma nação de uma só vez? Mas Sião esteve de parto e já deu à luz seus filhos. (Is 66:8)
 
O profeta Daniel, em sua profecia sobre o fim do mundo, fala da cessação de sacrifícios. Ora, os sacrifícios dos judeus só eram realizados no templo, que não mais existe. Para que os sacrifícios sejam suspensos em um determinado ponto das profecias, é necessário que haja um templo judeu em Jerusalém. E se Trump, Putin ou os próprios judeus o erguerem, então estaremos exatamente na hora profética do fim do mundo: E ele firmará aliança com muitos por uma semana; e na metade da semana fará cessar o sacrifício e a oblação; e sobre a asa das abominações virá o assolador, e isso até à consumação; e o que está determinado será derramado sobre o assolador (Dn 9:27)
 
Há uma batalha prevista contra Israel, no vale de Armagedon. Até 1948 essa batalha seria impossível, pois não havia mais esta nação como território. Hoje há.  Porque são espíritos de demônios, que fazem prodígios; os quais vão ao encontro dos reis da terra e de todo o mundo, para os congregar para a batalha, naquele grande dia do Deus Todo-Poderoso. (Ap 16:14); E os congregaram no lugar que em hebreu se chama Armagedom. (Ap 16:16)
 
OPV - O que o senhor recomendaria às pessoas que estão aflitas com o temor das tempestades solares?
 
Pr. Wagner - Eu recomendaria que acreditassem no que a Bíblia diz sobre as catástrofes que virão sobre a Terra e que estivessem preparadas para enfrentá-las. Elas podem acontecer agora ou podem levar mais alguns anos; mas certamente acontecerão e será um dia trágico para quem não tem certeza de sua salvação.
 
OPV - Como estar preparado para enfrentar isso, Pr. Wagner?
 
Pr. Wagner - Fazendo as pazes com Deus. Entrando em comunhão com Deus. Recebendo a salvação de Deus.
 
Somos pecadores, todos nós. Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus; (Rm 3:23)
 
Os pecadores irão para o Inferno, lugar real, eterno, uma condenação para sempre: E irão estes para o tormento eterno, mas os justos para a vida eterna (Mt 25:46)
 
Para salvar os pecadores Deus enviou o Seu Filho Jesus Cristo, transformando-O em Cordeiro de Deus, em sacrifício aceitável, em substituto do homem no pagamento do preço do pecado: Esta é uma palavra fiel, e digna de toda a aceitação, que Cristo Jesus veio ao mundo, para salvar os pecadores, dos quais eu sou o principal. (1Tm 1:15); No dia seguinte João viu a Jesus, que vinha para ele, e disse: Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo. (Jo 1:29)
 
Cristo morreu e ressuscitou e tornou-se Salvador de todos os que crêem nEle: E eles disseram: Crê no Senhor Jesus Cristo e serás salvo, tu e a tua casa. (At 16:31)
 
Quem crê tem paz com Deus e a vida eterna: Tendo sido, pois, justificados pela fé, temos paz com Deus, por nosso Senhor Jesus Cristo; (Rm 5:1); E dou-lhes a vida eterna, e nunca hão de perecer, e ninguém as arrebatará da minha mão. (Jo 10:28)
 
Assim, crendo só em Cristo, abandonando os ídolos, e obedecendo à Sua Palavra, podemos estar certos: seremos salvos: NÃO fareis para vós ídolos, nem vos levantareis imagem de escultura, nem estátua, nem poreis pedra figurada na vossa terra, para inclinar-vos a ela; porque eu sou o SENHOR vosso Deus. (Lv 26:1); Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda esse é o que me ama; e aquele que me ama será amado de meu Pai, e eu o amarei, e me manifestarei a ele. (Jo 14:21)
 
OPV - Obrigado, Pr. Wagner, pelo tempo despendido em responder-nos.
 
Pr. Wagner - foi um prazer enorme. Espero que alguém, ao ler a entrevista, seja tocado pelo Senhor e também receba tão grande salvação.
 
OPV - Como as pessoas podem entrar em contato com o senhor?
 
Pr. Wagner - pelo e-mail bnovas@uol.com.br 
Pelo whatsapp: +5511 99699-8633
29/12/2016

sábado, 24 de dezembro de 2016

memórias literárias - 390 - JOSÉ E MARIA, ACHARAM?

JOSÉ E MARIA,
ACHARAM?
 


 
José e Maria estão desesperados. A casa está cheia. Mas eles perderam algo e não sabem nem o que é e nem onde procurar!
 
Mas estão a tentar:
 
- Maria, veja no quarto!
 
E lá vai Maria. Revira a cama, as fronhas, o guarda-roupa, a cômoda, a penteadeira, os tapetes, as cortinas. Não encontra nada.
 
José vai à garagem. Olha dentro do carro, embaixo dos bancos, no porta-luvas, no bagageiro, embaixo do motor, no armário de ferramentas, no material de jardinagem, dentro dos vasos. Nada acha.
 
Maria corre para a cozinha. Muita comida no fogão e geladeira. Procura nos armários, no freezer, na geladeira, dentro do forno do fogão, no microondas, nada!
 
José então vai à sala. Dezenas de convidados.
 
- Pessoal, me ajudem? Vejam se encontram! Nós perdemos e não estamos encontrando!
 
Todos passam a procurar. Na árvore de Natal, na estante do som e da TV, na cristaleira, no barzinho de madeira, nos sofás, nas poltronas, no chiqueirinho da bebê, na mesinha do telefone, no armário de prataria; reviram tudo. E nada encontram.
 
- E agora? Diz a Maria - Como faremos?
 
- Eu tive uma idéia! Vamos ligar para o pastor da igreja! - diz José, com os olhos até a brilhar!
 
José liga no telefone fixo. Não o encontra. Liga no whatsapp. Nada. Tenta o skype. Ninguém atende. No messenger. Também não tem retorno.
 
- E agora?
 
Todos preocupados. Afinal, convidados para a Ceia de Natal, aguardam a solução desse imbróglio para poder comer.
 
Finalmente um senhor, ali presente, tem uma idéia:
 
- E se olhássemos no Novo Testamento?
 
José corre para a biblioteca. Acha a bíblia que era usada na igreja há quinze anos atrás (hoje só usam textos do datashow, exibidos na capela). Correu os olhos no índice, lembrou-se de que havia dois testamentos. Foi ao novo. Enfim, achou: "Pois, na cidade de Davi, vos nasceu hoje o Salvador, que é Cristo, o Senhor." (Lc 2:11)
 
- Achamos! Encontramos o motivo do Natal! Cristo nasceu em Belém há dois mil anos! Como foi que esquecemos? Há tantos natais celebramos sem motivo, que não poderíamos fazer mais um à toa. Gente, achamos o motivo perdido do Natal: Cristo!
 
- Então Feliz Natal!
 
- FELIZ NATAL, gritaram todos!
 
E, sem que se apercebessem, alguém começou a cantarolar baixinho a linda canção esquecida:
 
Tudo é paz, tudo amor, dormem todos em redor;
Em Belém Jesus nasceu,
Rei da paz, da Terra e Céu,
Nosso Salvador, é Jesus o Senhor!
 
Em lágrimas, todos cantaram o final:
 
GLÓRIA A DEUS, GLÓRIA A DEUS
CANTAM ANJOS LÁ NOS CÉUS
BOAS-NOVAS DE PERDÃO, GRAÇA EXCELSA, SALVAÇÃO
PROVA DESTE AMOR DÁ O REDENTOR!
 
E assim José e Maria acharam o motivo perdido: Cristo, razão primeira e única da celebração do Natal.
 
E com esta estória eu saúdo a todos com os nossos votos de
 
 
F E L I Z   N A T A L   E
 
F E L I Z   2 0 1 7
 
 
Pr. Wagner Antonio de Araújo
Elaine Okada de Farias Arújo
Rute Cristina Farias de Araújo
Emiliana Pereira Cruz
 


quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

UM COMUNICADO IMPORTANTE DA BOAS NOVAS


22 de dezembro de 2016
 
A Igreja Batista Boas Novas do Rodoanel em Carapicuíba, São Paulo, Brasil, é muito grata.
 
Grata por tudo o que Deus tem feito ao longo deste ano.
 
Já faz dias em que não me comunico para lhes dar notícias sobre a nossa construção. Eu não poderia deixar de fazê-lo hoje.
 
EM FOTOS
 

A RAMPA EM 2011
 

A RAMPA EM 2011 APÓS REFORMA
 

A RAMPA EM 2013

A RAMPA EM 2014 NO INÍCIO DA REITRADA DAS PEDRAS
 

A RAMPA EM 2014 COM A CAPELA FEITA
 

A RAMPA EM 2014
 

A RAMPA HÁ TRÊS MESES ATRÁS, 2016
 

A RAMPA HÁ DEZ DIAS, 2016
 
 
I - O NOSSO PROJETO
 
Tencionávamos fazer um contrapiso ao redor de nossa capela. Também queríamos estender uma rampa de concreto da capela até o portão de acesso de nosso terreno. A área era quebrada e soltava torrões de terra; quase sempre o chão da casa de oração estava sujo de barro (em dias de chuva) ou da poeira que escapava. Além disso precisávamos resolver os problemas das portas laterais, que não abriam devidamente (o empreiteiro construtor fez o "contrapiso" mais alto do que aa portas; então as arrastávamos cada vez que eram abertas.
 
II - OS RECURSOS
 
Orávamos ao Senhor pedindo recursos. Como sempre, Deus nunca nos deu verbas volumosas; nossas contas sempre foram "do pão de cada dia". Não temos membros abastados; todos são assalariados ou profissionais de remuneração modesta. Diferentemente de muitas igrejas, são 25 membros apenas. Mas 25 valorosos e perseverantes, que mantém um amor profundo pela igreja onde o Senhor os plantou. Fizemos um yakissoba para iniciar a construção. E, aos poucos, os irmãos e amigos de longe, aqueles que têm sido chamados pelo Espírito Santo, foram cooperando juntamente conosco. Foram bênçãos do Senhor.
 
III - A NECESSIDADE
 
R$ 15.000,00. Entre o dinheiro dos materiais e da mão de obra especializada, foram esses valores que investimos na construção de nossa rampa. Ainda não pagamos tudo, pois não tivemos esse montante ofertado. Porém, quase todo. E bendizemos ao Senhor por Sua misericórdia tão boa e tão grande, que nos momentos mais necessários não deixou faltar. O pão de cada dia foi investido e até este momento não devemos nada a ninguém. Aleluia!
 
IV - A EXECUÇÃO
 
O Sr. Zequinha e a sua equipe foram os construtores. Pela graça de Deus são operários honrados, dignos, fiéis. Trabalharam com afinco e com grande dedicação. Pela graça de Deus eles fizeram a rampa. Ficou muito bem concretada. Agora temos acesso no concreto da rua até a capela. Em volta da capela foi feito o contrapiso. As portas não arrastam mais no chão; também não temos mais as tradicionais poças dágua que tanto nos prejudicavam em dias de chuva. Tudo agora está limpo e seco no acesso de nossa capela. Bendito seja o nosso Deus!
 
V - OS RECEBIMENTOS
 
Recebemos doações em materiais. Recebemos doações em pagamento de mão de obra. Recebemos doações em valores diretamente entregues na mão dos pedreiros, dinheiro que não nos veio em espécie, mas em suprimento. Dinheiro digno, pequeno, mas do tamanho de nossa necessidade. E por tudo isso dizemos: OBRIGADO, SENHOR NOSSO DEUS! OBRIGADO, MEMBROS DA IGREJA BATISTA BOAS NOVAS! OBRIGADO, IRMÃOS E AMIGOS DA BOAS NOVAS, QUE NOS LÊEM EM TODA A PARTE!
 
VI - O QUE FAZEMOS AGORA
 
Os arremates. Toda construção deixa algumas deficiências que devem ser consertadas ou complementadas. E é isso que o Sr. Zequinha está fazendo: um telhadinho na saída da sala do bebedouro de água, um complemento no contrapiso lateral, um rodapé aqui e ali, está prestes a findar o que começou.
 
VII - OS RECURSOS FALTANTES
 
R$2.000,00. Não estamos devendo porque são responsabilidades parceladas. E cremos que o Senhor nos dará o recurso necessário. Mas este montante nós ainda não temos. Mas temos a fé. E cremos que Deus irá suprir cada uma destas necessidades.
 
VII - A SEQUÊNCIA DA OBRA
 
A construção vence uma etapa, mas não termina o projeto inicial. Ainda temos um chão longo para percorrer e não percorreremos sozinhos. Deus irá conosco e os amigos que nunca nos faltaram também. Não estamos sós. Quando o que fazemos possui a credibilidade e a transparência necessárias, tudo se torna mais fácil e mais cooperativo. E é isso que teremos pela frente. Nossos próximos passos (indispensáveis, para que saiamos desta longa e sofrida construção):
 
1. ESGOTOS NO SALÃO SOCIAL - Embaixo da capela há um espaço onde será construída a cozinha e o salão social. Não há esgoto ali. Infelizmente o bairro na parte inferior não conta com esgotos. Mas teremos que preparar a sua rede e utilizar o córrego até que o governo deixe de priorizar o benefício próprio e olhe para a necessidade de seus munícipes. O chão é repleto de pedras. O Sr. Zequinha terá que inventar uma canalização adequada com ralos. Tal esgoto servirár para  a cozinha e para o contrapiso.
 
2. CAIXA DÁGUA - Teremos que fazer uma laje sobre o batistério e instalar duas caixas dágua de dois mil litros cada uma. Como ficarão no andar de cima do salão social, haverá força gravitacional suficiente para a vazão. Essa água servirá para o batistério e para a cozinha. Também teremos que fazer as canalizações de água para o suprimento da cozinha, tanto em termos de água da rua quanto da água da caixa.
 
3. CONTRAPISO DA COZINHA E DO SALÃO SOCIAL - Assim que o esgoto e a água forem resolvidos,  Executaremos a construção de um contrapiso. O antigo empreiteiro estendeu cimento no chão sem tratamento, talvez 3 centímetros, algo inimaginável para um construtor digno. Hoje aquilo está esburacado e com erosão. O chão terá que ser todo tratado: nivelado, com malha de ferro, com plásticos para evitar encharcamento, com concreto de boa qualidade, com a instalação dos ralos etc.
 
4. PAREDE E VIDRAÇAS  - Hoje esse salão é aberto. Mas como será salão social (e quando pronto também nos servirá de capela, uma vez que, para a glória de Deus, tencionamos desmontar a capela de madeira para construir o templo de alvenaria), teremos que erguer paredes muito bem reforçadas e colocar janelas que abram por cima. Setenta por cento da parede de alvenaria e o resto como janelas de vidro que abrem e fecham. As janelas não entrram nesta conta agora. Apenas a parede.
 
5. VALORES - Esta rampa nos surpreendeu. E também colocou-nos em necessidade de refazer a nossa campanha. Superamos 60% de nossos alvos gerais e agora precisamos refazer as nossas contas. Porém, ainda precisamos de R$2.000,00 para saldar os compromissos da rampa. Temos a fé e cremos nos recursos que o Senhor irá nos enviar.
 
A NOSSA CAMPANHA
SALDO EM 11/10/2016 - R$ 5.068,85
ALVO PARA OUTUBRO DE 2015 - R$ 13.500,00
 
OFERTAS NO PERÍODO
R$ 8.500,00 - Recebidas de N., genro de nosso irmão Ari, dos Estados Unidos
R$ 8.698,00 - Recebidos dos nossos irmãos, amigos da Igreja Batista Boas Novas do Rodoanel em Carapicuíba, em materiais, pagamentos de cimento, areia, ferro, madeira, telhas, plásticos, malhas de ferro e miudezas em geral
------------------
R$ 17.198,00 valor arrecadado para a construção da rampa
 
Valores gastos (contando os R$2.000,00 que parcelamos, mas que ainda não temos, mas cremos que teremos):
 
R$ 19.250,00
 
Saldo atual: R$ - 2.052,00.
 
SALDO ATUAL EM 22/12/2016: R$ -2.052,00
ALVO PARA A CONSTRUÇÃO DO ESGOTO, CAIXAS DÁGUA E CONTRAPISO DE BAIXO DA CAPELA: R$ 15.000,00
PRECISAMOS DE R$ 17.000,00
 
VIII - AOS NOSSOS IRMÃOS E AMIGOS
 
Este pastor que lhes escreve não obteve um centavo desta construção para si próprio. Apenas à guisa de informação e para que o nome do Senhor seja glorificado, este pastor dedica-se a esta pequenina igreja sem obter dela sequer o seu sustento condigno. Ele não tem 13o. salário, não tem férias, não tem fundo de garantia, não tem convênio médico, não tem combustível para o trabalho, não tem cesta básica, não tem INSS pago pela igreja, não tem nada. Neste dezembro ele sequer recebeu a metade do que normalmente recebe, e que não chega a 4 salários mínimos. Por que digo isto? Para dizer que ele tem doado diretamente, querendo dar o exemplo de que a Obra de Deus deve ser feita com um custo pessoal de quem nela acredita. Não é fácil. Não é prazeiroso ser desprovido de recursos mínimos para a sobrevivência. Mas tenho vivido na expectativa de dias melhores, primeiramente para a pequenina Boas Novas e, consequentemente, para a minha própria vida, no dia em que esta construção não drenar quase todos os recursos que poderiam estar melhor distribuídos para o suprimento local. Assim, conclamo os irmãos e amigos que nos amam: quando for possível, e se o Senhor aprovar isso em seus corações, contribuam com a nossa construção. Agora caminhamos na necessidade destes R$ 17.000,00. Quando conseguirmos construir isso, teremos chegado aos 70% da obra necessária (sem o templo de alvenaria).
 
Muitíssimo obrigado pela leitura.
 
Muitíssimo obrigado pelas orações.
 
Muitíssimo obrigado pelas ofertas.
 
Muitíssimo obrigado pelo afeto.
 
Em nome de nosso mútuo Senhor, Jesus Cristo.
 
Wagner Antonio de Araújo
Igreja Batista Boas Novas do Rodoanel em Carapicuíba, São Paulo, Brasil.
 

PARA CONTRIBUIR:
BANCO BRADESCO (237)
AGÊNCIA RIO PEQUENO - URBANA SP - 2207-1
CONTA CORRENTE 16627-8
IGREJA BATISTA BOAS NOVAS
CNPJ DA IGREJA 04641377-0001/80
(obs: quando um DOC de outro banco for feito, a agência não tem dígito e a
conta corrente não precisa de hífem).

2a. OPÇÃO - PARA QUEM SÓ TEM ACESSO AO BANCO DO BRASIL
(SE USAR ESTE MEIO, ENVIE UM E-MAIL NOTIFICANDO DATA E VALOR)
BANCO DO BRASIL (001)
AGÊNCIA 4393-1
CONTA CORRENTE 83.496-3
ELAINE OKADA DE FARIAS

Uma nova modalidade de contribuição: IBAN (através de Western Union):
BR986 0746 94800 42200 0040 8883 C1
em meu nome (Wagner Antonio de Araújo)

sábado, 17 de dezembro de 2016

memórias literárias - 388 - NENHUM PASTOR PRESTA

NENHUM
PASTOR
PRESTA
388
Um shopping. Uma praça de alimentação. Dois empresários, um do ramo alimentício e o outro do ramo agrícola. Uma pausa para tomar café no meio da tarde. E o lamento do fabricante de biscoitos:
- José, estou tão decepcionado! Viu aquele pastor levado pela polícia para depor? Um cara tão famoso, popular, fala tão bonito, e agora essa suspeita de corrupção! Acho que não tem pastor que se salve! Ninguém presta! Estão todos sujos!
- João, que besteira é essa?
- Besteira, José? Você não está vendo na reportagem? O cara foi levado pra depor! Onde há fumaça há fogo! Ontem foi aquele casal com dinheiro na bíblia. Depois o do chapéu, com fazendas imensas, adquiridas com o dinheiro da igreja. E o outro, que lesa todo ano o pessoal com a tal fogueira e ainda é à favor do aborto! E o canalha que prometeu eleger o filho do deputado e o cara não conseguiu nem dois mil votos? Não dá pra confiar em ninguém! NENHUM PASTOR PRESTA!
José estava perplexo com as afirmações de João. Ambos eram crentes. Mas José era membro de uma igreja local e o João não tinha compromisso com igreja alguma. Enquanto ouvia os impropérios que o João dizia, José orou a Deus e pediu sabedoria. E saiu-se com esta:
- Rapaz, que biscoito horrível! Que porcaria de biscoito doce é essa? Que nojo! - Cuspiu o que estava na boca e fez cara de insatisfação.
- Credo, cara, o que foi?
- Essa porcaria de biscoito. Acho que o fabricante colocou cimento com estrume nessa porcaria. Garçon? Venha cá!
- Espera aí, José. Eu sou o fornecedor deste biscoito! Você está me ofendendo. Me dá um pedaço para eu experimentar. Se estiver com problemas, eu troco. Não uso nem estrume e nem cimento para fazê-lo. Deixe-me experimentar...
- De jeito nenhum! Essa porcaria não presta, João! Acho que nenhum fabricante de biscoito presta nesse mundo! São todos uns desonestos e irresponsáveis; fabricam com terra e areia e colocam na embalagem uma lista de ingredientes falsos. Não dá pra confiar mais em ninguém! EM NINGUÉM!
João olhou com ódio para José. Estava furioso. Isso não era justo. João poderia ter todos os defeitos, mas era um fabricante qualificado e não se sentia digno da carapuça que o amigo lhe vestira com tamanha crítica.
José, então, calmamente, completou:
- João, por que está tão nervoso? Eu lhe ofendi? Só porque você é um fabricante de biscoitos e eu nivelei todos como desonestos e mentirosos? Pois não foi o que você acabou de fazer com os pastores do Senhor? Você disse: nenhum pastor presta. Pois bem. Se nenhum pastor presta o seu pai também não prestava, porque ele era quase um pastor. Se nenhum pastor presta o pastor que lhe apresentou na igreja quando você era bebê também não prestava. Nem aquele que lhe conduziu ao batismo. Nem o que celebrou o seu casamento. Nem aquele que lhe ajudou quando o seu casamento estava em crise. Sim, porque você acabou de dizer que nenhum pastor presta, que não se pode mais confiar em nenhum pastor ...
- Sabe, João, acho que você foi seduzido pela mídia e hoje sentiu-se traído pelas más escolhas que fez. Ao invés de manter-se em sua igreja local, igreja de bairro, de famílias, você procurou um desses a quem você acabou de acusar. E por que? Porque queria vender mais, queria mais clientela, queria tornar-se popular. Ao invés de procurar uma igreja para servir a Deus você procurou um desses pastores midiáticos para vender os seus produtos. E o que você ganhou? A decepção. Só se esqueceu que você também decepcionou a Deus, que havia concedido a você uma igreja onde pudesse servi-Lo e onde tinha o serviço de um pastor verdadeiro. Só que para você ele não representava faturamento e bons lucros, não é?
- Quando você diz que nenhum pastor presta está dizendo que nenhum fabricante de biscoitos presta também. E se nenhum deles presta você é um desgraçado, um desonesto também. Isto é justo? Não. Mas é o que você acabou de fazer com todos os obreiros verdadeiros, muitos que nem estão na mídia, que são grandes desconhecidos, mas que servem a Deus dia e noite, buscando a vontade do Pai e não caçando riquezas neste mundo. Estes, desprezados por gente como nós (e não me omito deste mal, pois também sou falho), lutam e labutam sem recursos, mas com fé, integridade e honestidade.
- Reflita, João. Os seus biscoitos são muito bons. Eu fingi para lhe chamar a atenção. Há muitos fabricantes de biscoito desonestos, mas não todos. Você é honesto. Assim também não nivele TODOS os pastores na risca da sarjeta, pois há muitos homens de Deus que são bem melhores do que nós.
A conversa terminou aí. João mandou um recado no whatsapp, dizendo: "Obrigado, amigo. Entendi o recado. Peço perdão".
-----
No mar de lama em que se tornou o chamado ministério evangélico, há muitos pastores que não prestam. Muitos mesmo! Porém, MUITOS não significa TODOS. Para descobrir quais são os PRESTAM, basta seguir o que a Bíblia diz:
Estas são as gerações de Noé. Noé era homem justo e perfeito em suas gerações; Noé andava com Deus. (Gn 6:9)
Lembrai-vos dos vossos pastores, que vos falaram a palavra de Deus, a fé dos quais imitai, atentando para a sua maneira de viver. (Hb 13:7)
E dar-vos-ei pastores segundo o meu coração, os quais vos apascentarão com ciência e com inteligência. (Jr 3:15)
Assim falai, e assim procedei, como devendo ser julgados pela lei da liberdade. (Tg 2:12)
Desde agora ninguém me inquiete; porque trago no meu corpo as marcas do Senhor Jesus. (Gl 6:17)
Porque nunca deixei de vos anunciar todo o conselho de Deus. (At 20:27)
Em suma: um pastor que presta prega a Bíblia, vive o que prega e mantém a vida limpa e exemplar. Pode ser rico, pode ser pobre; pode ser culto, pode ter modesto conhecimento. Mas por onde passar gerará a mesma sensação e provocará o mesmo comentário: ele ama a Deus.
E pronto.
Muitos pastores não prestam. É verdade. Mas nem todos. Há ainda um remanescente que presta. Valorizemo-los.
Wagner Antonio de Araújo

17/12/2016

sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

MEMÓRIAS LITERÁRIAS - 387 - O JARDINEIRO



O JARDINEIRO


387
Aluísio era um operário de empreiteira. Trabalhava com máquinas e também com serviço pesado. A crise econômica ceifou o seu emprego. Transformou-o em mais um desempregado. Por algum tempo recebeu o auxílio-desemprego. Infelizmente o auxílio acabou e Aluísio não foi recontratado. Tentou fazer alguns serviços por conta própria, mas não foi feliz.

Aluísio era um crente. Tinha esposa e filha. Era humilde, mas honrado. Não sabia mais o que fazer. A igreja o ajudava, mas a situação o incomodava e o auxílio não era suficiente. Aluísio aprendera na Bíblia que deveria ganhar o pão com o suor do seu rosto. Então orava e pedia um emprego. Clamava, suplicava; mas a solução não chegava.

Seu pastor foi visitá-lo. Sua casa era humilde e estava num bairro modesto, mas muito, muito bem cuidada. Da rua para a parede de entrada havia um espaço de 3 metros. Aluísio transformara este vazio num jardim magnífico: margaridas, roseiras, mini-palmeira, hortências, tudo muito bem colocado, muito bem escolhido, com cores que davam gosto.

Então, ao entrar e tomar um café com a família (o pastor viera doar uma cesta básica e ajudar com algum dinheiro para as necessidades), travou-se o seguinte diálogo:

- Irmão Aluísio, não achou emprego ainda?

- Não, pastor. Eu estou desesperado. Não sei o que fazer!

- Eu compreendo, meu irmão. A crise do Brasil está muito difícil. Quantos anos o irmão tem agora?

- 55, pastor. Vou fazer 56. Ninguém me contrata!

- De fato é uma idade tardia para contratação, com raras exceções. O irmão sabe que temos orado, não sabe?

- Sim, pastor, e eu agradeço!

- Pois então, irmão, vi que o irmão mantém um jardim magnífico aqui em sua casa. Quem o preparou?

- Eu mesmo, pastor! Aprendi com minha saudosa mãezinha. Que mão boa ela tinha para as plantas! Enquanto espero um chamado vou fazendo minhas artes!

- Deixe-me ler um texto para o irmão: Porque melhor é a sabedoria do que os rubis; e tudo o que mais se deseja não se pode comparar com ela. (Pv 8:11). O irmão não tem rubis e nem ouro. Hoje o irmão nem emprego tem. Mas tem algo que vale mais que isso: sabedoria. O irmão é temente a Deus, é honrado e gosta de aprender e trabalhar. Pois então, por que o irmão não explora essa sabedoria que Deus lhe concedeu, embelezando o jardim de outras pessoas?

- Mas, pastor, será que isso daria certo?

- Eu não sei! Mas, se o irmão não tentar, como saberá? E se tentar e não der certo, terá a consciência tranquila de que tentou. Que tal?

- Pastor, o senhor me ajuda?

O pastor então o convidou a embelezar o jardim da igreja. Adquiriu ferramentas, mudas de plantas, gramado, e deixou o Aluísio arrumá-lo. Em uma semana o jardim transformou-se num cartão postal. Os membros ficaram impressionados. Logo o Aluísio recebeu convites para fazer o jardim da casa das famílias dos crentes.

- Pastor, quanto devo cobrar?

- Meu irmão, quem quer muito nada tem. Cobre pouco, cobre o justo; cobre a diária de um diarista. E faça com alegria. Não lhe faltará serviço.

E assim Aluísio foi embelezar a casa dos irmãos. Os vizinhos, admirados, perguntavam quem cuidara de seus jardins, e indicavam Aluísio. Um vizinho ofereceu-se para criar uma página no facebook e então os pedidos avolumaram-se.

Em um ano e meio Aluísio mandou celebrar um culto de ação de graças. O motivo? Ele tornara-se o jardineiro mais popular das redondezas e prosperava muito. Outros quatro desempregados da igreja e dois do bairro uniram-se a ele. Trabalhavam felizes, ganhavam o seu pão com dignidade e enchiam a cidade de beleza e encanto.

Mesmo no meio da crise aqueles que têm sabedoria podem encontrar oportunidades dignas. E então, o que fazer? Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças. (Ec 9:10)

Pode ser que o leitor esteja desempregado, não encontre novas oportunidades, sinta-se velho ou seja assim considerado pelas empresas. Olhe ao seu redor. Veja as oportunidades que existem. Consulte a sua memória e veja o que gosta de fazer. Ore a Deus, entregue a questão ao Senhor. E comece a trabalhar. Em breve colherá bons resultados. Não acredita? Pois tenha certeza de que isto pode dar certo! Lança o teu pão sobre as águas, porque depois de muitos dias o acharás. (Ec 11:1). Quem observa o vento, nunca semeará, e o que olha para as nuvens nunca segará. (Ec 11:4)

Portanto, Entrega o teu caminho ao Senhor; confia nele, e ele o fará. (Sl 37:5)

Wagner Antonio de Araújo
16/12/2016

memórias literárias - 386 - A ESTÓRIA DE GOULART





A ESTÓRIA
DE GOULART
387
 
Goulart era um líder em sua igreja. Bom pregador, bom professor, estava em todas as diretorias de todos os anos. Exercia o papel de diretor. Se a igreja precisava de pintura, era Goulart que propunha. Se precisava de verba para um passeio, Goulart centralizava a realização. Quando um desafio surgia, todos diziam: "Vamos falar com o Goulart". E assim as coisas aconteciam.
 
Ele também era responsável por dirigir a igreja quando esta ficava sem pastor. Era o vice-presidente. Também ocupava a direção da comissão de finanças. Ia atrás de obreiros e conseguia trazer dois ou três do agrado da igreja. Após a assembléia, sempre emplacava aquele que era de sua preferência. A igreja festejava. E ele figurava como o melhor amigo do pastor.
 
Mas era ele também que cuidava de tirá-lo quando não o agradava. Geralmente com seis meses ou um ano o Goulart iniciava o seu embate com o novo obreiro. Nas assembléias fazia questão de dar o seu voto contrário ou contrapor-se às iniciativas do pastor. Como detinha a comissão de finanças, impedia aumentos salariais ou propunha diminuição nas prebendas. Ele conseguia deixar o obreiro em situação pública desconfortável. Após as manhãs dominicais de assembléia, chegava em casa com esposa e três filhos, festejando os embaraços.
 
- É isso aí, pastor aqui tem que comer na minha mão!
 
Nessas ocasiões a mesa do almoço era palco dos mais grotescos comentários sobre a igreja e sobre o obreiro. Geralmente convidava famílias proeminentes para almoçar. Os casais à mesa, junto com os filhos, ouviam as conversas:
 
- Essa igreja não é nada sem a minha ajuda! Quem esse pastor pensa que é? Vamos tirá-lo. Podem ficar sossegados! Mais duas escorregadas dele e conseguiremos propor a sua saída.
 
Os filhos a tudo assistiam. O pai, sempre ativo e elegante na igreja, não era assim dentro de casa. Xingava a esposa e assistia ao futebol com latas de cerveja e lingua chula nos comentários. Os filhos vibravam. Construíam o seu conceito de fé e de igreja do jeito que o pai ditava: uma farsa, uma fachada, uma aparência.
 
A esposa não era santa. Ainda que humilhada pelo marido, também tinha uma língua ferina e cuidava para que as mulheres estivessem coesas nas brigas eclesiásticas. Quando o pastor renunciava era ela quem coordenava a churrascada da vitória, sempre cheia de jocosos comentários contra os obreiros.
 
O tempo passou e os meninos cresceram. Goulart, detentor de um bom emprego na área contábil da empresa, foi demitido por justa causa nas suspeitas comprovadas de desvio de recursos. O assunto nunca foi abordado na igreja, pois como exercia a vice-presidência e as notícias eram abafadas em casa, quase ninguém soube do motivo. Os resultados da demissão chegaram. Os 4 imóveis que possuíam deram lugar a um só. Goulart resolveu investir em vendas; acabou sucumbindo. Por fim tornou-se vendedor de queijos de Minas Gerais, que conseguia lá no mercado municipal. 
 
E os meninos? Eles cresceram. O mais velho tornou-se satanista. Com tatuagens até nas pálpebras e piercings em toda parte, criou um site onde zombava da fé cristã e da hipocrisia dos homens. Casou-se com uma lésbica e tem dois filhos drogados. Ultimamente tem se mostrado depressivo e tentou o suicídio.
 
O segundo filho tornou-se homossexual. Foi viver na Alemanha, onde morreu de AIDS.
 
O terceiro cuida do Goulart e da esposa. Sim, porque o casal, antes tão cheio de autoritarismo e de poder financeiro, envelheceu. Goulart ganha uma mísera aposentadoria e a esposa gasta tudo com remédios. Então o caçula, casado recentemente, cuida deles. Goulart só vai à igreja quando o filho resolve levar. Aliás, o rapaz nem quer ouvir falar em cristianismo. Ele diz que foi a desgraça de sua casa. Goulart chora. Sente saudades do tempo em que cantava os hinos e que ouvia os sermões. Hoje vive a trocar bobagens no whatsapp e a lamentar o péssimo cristão que foi.
 
Trágico fim de um crente que construiu a sua casa sobre a sua própria arrogância.
 
Obs: esta ESTÓRIA é baseada em fatos muito reais.
 
Wagner Antonio de Araújo
16/12/2016

 

terça-feira, 13 de dezembro de 2016

memórias literárias - 386 - ARRANQUE O MATO




ARRANQUE O MATO


Wagner Antonio de Araújo



 

386
Eu tive um sonho. Sonhei que morava numa casa bonita, num terreno com caída para dentro. Nesse sonho, eu fizera um jardim muito bonito, cheio de rosas, margaridas, hortências e cravos. Mas no instante do sonho, tudo o que eu via era um matagal na frente da casa, um terreno abandonado, cheio de mato, com mosquitos, lixo, entulho e muita sujeira. Onde antes era um colírio para os olhos e um perfume para o nariz, agora tornara-se um horrível testemunho de descuido e abandono.

Pensei: "Cadê o meu jardim? Quem plantou esse mato? Eu só plantei flores, por que será que o capim invadiu tudo?" Lembrei-me, no sonho, que dia após dia eu cuidara do jardim com amor e atenção, mas que viajara por uns tempos, e estava chegando em casa. Certamente ninguém zelara, e o resultado era aquele: um desastre!

Então acordei. Pus-me a pensar na cena tão interessante que vira, e Deus conduziu-me à refletir sobre minha vida cristã.

Temos em nós um jardim, plantado pelo Senhor no dia de nossa conversão a Cristo. Deus coloca em nós rosas perfumadas, bonitas e viçosas, flores das mais variadas espécies, aromas e perfumes que alegram e agradam o Seu coração. Somos novas criaturas, somos transformados e  enviados como luz no meio de trevas, sal no meio de um mundo deteriorado. Contudo, a ordem é para que cuidemos do jardim. "E tomou o SENHOR Deus o homem, e o pôs no jardim do Éden para o lavrar e o guardar." (Gn 2:15); "Não sejais vagarosos no cuidado; sede fervorosos no espírito, servindo ao Senhor;" (Rm 12:11). Plantar foi obra do Senhor; cuidar desse jardim é a nossa responsabilidade.

Há coisas que só Deus é capaz de fazer, e as faz, quando é Sua vontade.  Outras, contudo, Ele nos ordena fazer, e não adianta lançar sobre Ele a responsabilidade por realizar aquilo que nos está designado. Recordo-me de Paulo, a dizer ao seu discípulo Timóteo: "Persiste em ler, exortar e ensinar, até que eu vá." (1Tm 4:13). (Alguns há, hoje em dia, que querem que Deus estude por eles...) 
Lembrei-me também de Lázaro, o ressuscitado. Chamá-lo de volta à vida foi a tarefa de Jesus: "E, tendo dito isto, clamou com grande voz: Lázaro, sai para fora." (Jo 11:43); porém, tirar a pedra e, depois, tirar suas faixas mortuárias, foi tarefa dos homens: "Disse Jesus: Tirai a pedra..." (Jo 11:39a);" ... Disse-lhes Jesus: "Desatai-o, e deixai-o ir. (Jo 11:44b)  . Assim também devemos a nossa salvação à graça e ao amor do Senhor. Não poderíamos salvar-nos. Deus fez isto por nós, enviando Seu Filho unigênito como sacrifício expiatório. Bendito seja Deus por tão grande salvação! " Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus." (Ef 2:8). Porém, zelar de nossa vida, como a lavrar nosso jardim, é a nossa tarefa. Se não o fizermos, o mato invadirá, e Deus não impedirá.
De onde vem esse mato? Afinal, não plantamos mato, plantamos flores! O mato pode ter aparecido no meio do estrume que adubou a terra, ou ter sido trazido pelos pássaros, ou ter qualquer outra origem. Mas que ele surge, ah, isso surge! Que o digam os lavradores de plantão, caso não capinem suas lavouras! Quem não arranca o mato que nasce o tempo todo, ao invés de colher o que plantou, colherá palha às  pampas!
Imaginei que em meu jardim mal-cuidado quatro tipos de mato tivessem crescido, similares àqueles que crescem na vida de todo cristão que não vigia, que não ora, que não observa os princípios do Senhor, que vive na carne, dela colhendo corrupção e amortecimento.
1o. MATO: DESCONTROLE FINANCEIRO
Diz a Bíblia: "A ninguém devais coisa alguma, a não ser o amor com que vos ameis uns aos outros; porque quem ama aos outros cumpriu a lei." (Rm 13:8). Quem se endivida dá mau testemunho, além de tornar-se escravo de seus credores. Há pessoas que devem porque emprestaram seu nome para amigos e parentes, que lhes prometeram pagar corretamente, e hoje arcam com todas as conseqüências. Tornaram-se fiadores. "Não estejas entre os que se comprometem, e entre os que ficam por fiadores de dívidas,"(Pv 22:26) ; "O homem falto de entendimento compromete-se, ficando por fiador na presença do seu amigo." (Pv 17:18).
Há alguns que vivem pendurados nos cartões de crédito,  no cheque especial, nos cheques devolvidos, nos financiamentos a curto e médio prazo, e, por não administrarem bem ou por um desastre financeiro súbito, ficaram obrigados a pagar juros que, não raras vezes, são superiores ao que entregariam ao Senhor como dízimo. Contra o dízimo e ofertas fazem severas asseverações, mas contra os juros altíssimos que pagam, não reclamam. Aliás, já nem conseguem pagar, e têm seus nomes em toda a lista do comércio como maus pagadores. Que vergonha! Vivem de cheque especial e de financiamentos múltiplos, e às vezes socorrem-se de agiotas.
Esse é o MATO DO DESCONTROLE FINANCEIRO. Deus nunca desejou aos seus filhos esse tipo de vida. E não adianta reclamar depois, dizendo: "Ah, Deus, que provação! Por que permites? O Diabo está atacando a minha vida!" O Diabo? Não, o Diabo está é agradecido pelo serviço voluntário! Não é o Diabo, e nem provação de Deus; é a conseqüência da imprudência, de quem se propõe a construir um castelo e não tem com que terminá-lo. Diz o Apóstolo Paulo: "Tendo, porém, sustento, e com que nos cobrirmos, estejamos com isso contentes." (1Tm 6:8). Por que tivemos que comprar aquela máquina que não nos serviu de nada? Por que adquirimos algo tão caro, quando algo mais barato serviria igualmente? O consumismo desenfreado se chama PECADO, e leva à falência. Geralmente, depois de consumir, desinteressamo-nos do produto, e já saímos à caça de outro objeto. Que escravidão! Somos chamados a não dever nada, nem uma agulha, nem uma moeda, a ninguém. Somente o amor, esse sim, é nossa dívida.
2o. MATO - RESSENTIMENTO
Ah, que mato terrível esse, o dos sentimentos feridos! "Tendo cuidado de que ninguém se prive da graça de Deus, e de que nenhuma raiz de amargura, brotando, vos perturbe, e por ela muitos se contaminem." (Hb 12:15) ; "Toda a amargura, e ira, e cólera, e gritaria, e blasfêmia e toda a malícia sejam tiradas dentre vós", (Ef 4:31).

Lembro-me, lá na roça, quando as vacas, à tarde, pastavam tranqüilas perto da casa de minha tia "Bastiana". Elas não comiam nada naquela hora, mas estavam a mastigar sem parar. Era a ruminação: vomitavam o que comiam pela manhã, e re-mastigavam inúmeras vezes. Ressentimento é isso: é sentir novamente a dor, a ofensa, a tristeza, a injustiça, o mal-feito, etc. E sempre nos achamos certos, justos, sempre temos toda a razão para nos sentirmos assim. Somos os injustiçados. Só existe um problema: somos injustos também, desmerecedores da graça. Se Deus nos tratasse como merecemos, ou como gostaríamos que os nossos algozes fossem tratados, já há muito seríamos cinzas ao vento. Mas  Assim como "As misericórdias do Senhor são a causa de não sermos consumidos, porque as suas misericórdias não têm fim;" (Lm 3:22), assim também devemos ser misericordiosos com quem de nós não merece muita coisa. Assim como Cristo nos perdoou, nós também devemos perdoar. E todas as vezes que nos lembrarmos do que fizeram contra nós, também nos lembraremos que já os perdoamos no amor de Cristo.
Perdão cura ressentimento. Perdão cura o ódio. E perdão cura a própria pessoa, que pensa estar punindo aquele de quem mantém o ódio e o ressentimento. Engana-se, pois a grande prejudicada é a própria pessoa, cujo sangue e humor estão contaminados de mágoa, provocando toda sorte de doenças psicossomáticas. Quando perdoamos, somos perdoados, e muitas enfermidades conseqüentes são curadas também. Glória a Deus por isto!

3o. MATO - IMORALIDADE

O terceiro mato é o MATO DA IMORALIDADE. Moralidade, ética, decência, dignidade, honestidade, honradez, polidez, tudo o que se pode encaixar num tema tão amplo, é o que esse mato tem destruído. Infelizmente a história cristã está repleta de pastores que dão mau exemplo, e os nossos dias têm sido pródigos nesse afã. Pastores que fogem com as secretárias da igreja, ou que são flagrados em relações homossexuais com adolescentes; membros que mantém vida dupla e casos com amantes; igrejas que vendem materiais contrabandeados em nome da ação social; namorados que "adiantam as carroças na frente dos cavalos", pelo simples fato de que "se um dia seremos um do outro, por que esperar?"; crentes que não honram suas famílias e igrejas, igrejas que exploram seus obreiros e os demitem como se fossem a escória do mundo, etc.
Eu penso na juventude evangélica, a contemplar apóstolos que negam um crime e, à seguir, fazem acordos, confessando o que não fizeram, para safar-se de penalidades maiores. Penso em presidentes de convenções que traem suas famílias, ministros de música que levam vida dupla, pregadores de um sermão só, que condenam a prostituição e vivem a prostituir-se em secreto. É o Evangelho da Porta Larga! Vejo pastores expulsos de suas igrejas porque adulteraram, não se arrependeram, e levaram um grupo fiel, que dá continuidade ao seu ministério. Meu Deus, que mundo é esse? Mas se eu não cuidar do meu jardim, o mato da imoralidade virá destruir minha vida também, porque também sou pecador. "Aquele, pois, que cuida estar em pé, cuidado para não cair."  (1Co 10:12) Devo vigiar, devo tomar cuidado, devo arrancar o mal pela raiz, logo no começo. "Abstende-vos de toda a aparência do mal. " (1Ts 5:22) ; "Fugi da prostituição. Todo o pecado que o homem comete é fora do corpo; mas o que se prostitui peca contra o seu próprio corpo." (1Co 6:18); "Mas, como é santo aquele que vos chamou, sede vós também santos em toda a vossa maneira de viver; Porquanto está escrito: Sede santos, porque eu sou santo. " (1Pe 1:15, 16)

4o. MATO - FRAQUEZA ESPIRITUAL

O quarto mato, o MATO DA FRAQUEZA ESPIRITUAL, é o pior de todos. Porém, se os três primeiros forem tratados, ele não terá mais forças para sobreviver, e cairá de maduro, destruído. Esse mato faz com que o crente não tenha mais comunhão nem com Deus e nem com os irmãos em Cristo; faz com que não sinta mais a presença de Deus; tira sua força e autoridade contra as tentações; transforma-o num fracassado em tudo o que faz; descaracteriza a beleza de Cristo em seu viver. "Portanto, os que estão na carne não podem agradar a Deus." (Rm 8:8); "Sois vós tão insensatos que, tendo começado pelo Espírito, acabeis agora pela carne?" (Gl 3:3); "Porque o que semeia na sua carne, da carne ceifará a corrupção; mas o que semeia no Espírito, do Espírito ceifará a vida eterna." (Gl 6:8)
Para superar essa fraqueza, muitos irmãos, ao invés de arrancarem esse mato pela raiz, usam de paliativos que nada resolvem, como a freqüência a "louvores exóticos", a cultos frenéticos, com práticas emocionais extremas, na geração de experiências avassaladoras, buscando uma "nova unção", como se a "velha" tivesse perdido seu prazo de validade. Na verdade, a unção de Deus nunca perde a eficácia, e chega às raias da blasfêmia a constante busca de novas; é como se disséssemos a Deus que Sua graça não tem sido de grande duração. Cautela, irmãos! Nós é que a abandonamos a consagração. Até o chamado "primeiro amor", citado em Apocalipse, não foi "perdido", mas "abandonado": "Tenho, porém, contra ti que deixaste o teu primeiro amor." (Ap 2:4) 
Poder espiritual, tenha o nome que tiver,  se obtém através de uma vida onde haja SANTIDADE MORAL, SANTIDADE FINANCEIRA e SANTIDADE EMOCIONAL. Sem isso, tudo é palha e mera ilusão, e o MATO DA FRAQUEZA ESPIRITUAL cobrirá de palha, lixo, galhos infrutíferos e sujeira a nossa vida efêmera. "E se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar, e orar, e buscar a minha face e se converter dos seus maus caminhos, então eu ouvirei dos céus, e perdoarei os seus pecados, e sararei a sua terra." (2Cr 7:14)


Queira Deus que nós, com a graça de Jesus, e no poder do Espírito Santo, cuidemos do jardim que Ele plantou em nós, e não deixemos o mato tomar conta, e combatamos dia após dia os matos indesejados do descontrole financeiro, do ressentimento e da imoralidade, para que também o mato espiritual seja destruído, e sejamos como o Jardim do Édem em nossos corações! "E o Senhor te guiará continuamente, e fartará a tua alma em lugares áridos, e fortificará os teus ossos; e serás como um jardim regado, e como um manancial, cujas águas nunca faltam. " (Is 58:11)
Que Deus nos abençoe.
Wagner Antonio de Araújo
Igreja Batista Boas Novas de Osasco, SP

05/08/2007


PARA OUVIR O PREGADOR A APRESENTAR ESTA MENSAGEM, CLIQUE EM