Translate

quarta-feira, 27 de novembro de 2013

memórias literárias - 127 - AS TRÊS ATITUDES DO LEPROSO

 
127 - AS TRÊS ATITUDES
DO LEPROSO
 
E aconteceu que, quando estava numa daquelas cidades, eis que um homem cheio de lepra, vendo a Jesus, prostrou-se sobre o rosto, e rogou-lhe, dizendo: Senhor, se quiseres, bem podes limpar-me. E ele, estendendo a mão, tocou-lhe, dizendo: Quero, sê limpo. E logo a lepra desapareceu dele. (Lc 5:12-13)
 
Encanta-me a sensibilidade de Jesus. Há muito tempo tive oportunidade de pregar sobre o tema. Havia muitas viúvas a perder filhos na época do Senhor. Mas nenhuma passara por ele a levar o filho morto para o cemitério. Em Naim uma viúva passou; encaminhava-se ao cemitério para sepultar o filho falecido. Cristo viu aquela mãe sofrida. Olhou para a sua face carcomida pela dor, pelo pranto, pelo cansaço. Avaliou o custo desse jovem ceifado em tenra idade, provavelmente seu ajudador e sustentador. Essa viúva nada pediu. Jesus ofereceu-lhe o consolo. "Não chores!" E, em seguida, ordenou ao defunto para que se levantasse. O rapaz ressuscitou e essa mãe recobrou o filho perdido. Que sensibilidade, que amor, que delicadeza a do Senhor!
 
Neste caso, um leproso cruza o seu caminho. Leprosos eram isolados em seus territórios como seres repugnantes e deploráveis. Sua comida era colocada à distância. Suas vestes eram trapos que facilmente se identificavam. Se viessem no meio da população provocariam grande tumulto, sob gritos desesperados da multidão: "leproso! leproso!". Enquanto o leproso fosse o vizinho ou o desconhecido, era algo natural. O difícil era quando a lepra vitimava a mãe, o pai, o filho, a esposa, o marido! Que sofrimento! Que angústia, que dor! Um romancista imaginou algo assim ao escrever seu conto "Ben-Hur", vitimando mãe e irmã com a lepra marginalizante.  Conta-nos a história dos batistas no Brasil que o Dr. William Edwin Entzminger, missionário dos mais consagrados e operosos no início do século XX, adquiriu morféia e observou que os seus mais próximos amigos se afastavam, com medo de adoecerem também. Sentiu na própria pele a lepra física e a lepra da rejeição. No caso do Dr. Entzminger, tempos depois, numa choupana isolada nos Estados Unidos, Deus ouviu a sua súplica e ele foi miraculosamente curado, voltando ao Brasil para continuar a sua obra monumental (é o segundo maior compositor de hinos do Cantor Cristão).
 
Um leproso se aproxima de Jesus. Ele vai até o Salvador. Ele o busca. Ele o procura. Assim deve ser o pecador, cuja lepra não é física, mas espiritual (o pecado é comparado à lepra da alma). Deve-se ir até Jesus. Jesus Cristo é a única esperança, o único e legítimo curador da alma. No caso do homem leproso, ele foi ao encontro de Jesus, conforme lemos no texto paralelo de Mateus 8.2.
 
Esse leproso prostra-se diante de Jesus. Ele não vai até o Salvador com ares de quem exige, de quem ordena, de quem manda. Triste é ver pregadores famosos ensinando a determinação das coisas com ares de grande sabedoria, espiritualidade e poder. Nem em Jesus vemos tamanha petulância! No Getsêmani, próximo da hora de sua dor e crucificação, não vemos Cristo dizendo: "Eu determino em meu nome, que este cálice seja afastado sem que eu o beba!"; pelo contrário, vemo-lo prostrado, orando ao Pai, dizendo humildemente: "Pai, se possível, afasta de mim esse cálice; todavia, não se faça como eu quero, mas como tu queres". O leproso de nosso texto vai com esse espírito ao Salvador. Prostra-se. Essa é a atitude com a qual devemos buscar a Deus em nossos encontros diários! Prostrar-se é mais que ajoelhar-se. Prostrar-se é deitar de bruços, vencido, absolutamente dominado, completamente disponível e sem restrições. É reconhecer no outro a completa e absoluta autoridade. Prostrar-se diante de Deus tem que começar na alma, não apenas no corpo. Há muita gente prostrada de corpo, mas ereta na alma, fingindo humildade e extravasando arrogância. O leproso não; ele prostrou-se por dentro.
 
Sua oração denota absoluta dependência, confissão explícita de que ali era a sua última esperança, única alternativa: "se quiseres podes purificar-me!" Não impõe, não obriga, mas confessa: somente Jesus poderia trazer-lhe libertação daquela moléstia horrenda e cruel. A atitude do leproso deve ser também a do pecador que busca em Cristo o perdão para os seus pecados e a salvação para a sua alma! Converti-me ao Senhor cantando isso:
"Jesus, Senhor, me achego a Ti,
Ó, da-me alívio mesmo aqui;
O teu favor estende a mim,
Aceita um pecador!
 
Eu venho como estou; eu venho como estou;
Porque Jesus por mim morreu, eu venho como estou!" (Hino 270 CC)
 
Quem se aproxima do Senhor e busca nEle o perdão para os pecados tem que reconhecê-lo como última e única alternativa: somente Ele pode curar a alma, somente Ele pode perdoar os pecados; somente Ele pode dar vida eterna! No caso do leproso Jesus era o único remédio para a sua enfermidade e ele o buscou de todo o coração.
 
E qual foi a reação de Jesus? "Quero! Sê limpo!" Oh, graça inefável, ó, Salvador bendito e benfazejo! Como é doce e terno o cuidado e o amor do Salvador! Ele quis curá-lo! E curou-o gloriosa e miraculosamente! Assim também ocorre com o pecador arrependido que busca no Senhor o perdão de todos os seus pecados! Foi Cristo quem disse: Todo o que o Pai me dá virá a mim; e o que vem a mim de maneira nenhuma o lançarei fora. (Jo 6:37). Ele acolhe o arrependido pecador, o limpa e o transforma.
 
Assim, na atitude do leproso súplice, encontramos as três atitudes que o curaram, atitudes que podem salvar e libertar a todo pecador também:
 
1) O leproso foi a Jesus. É preciso ir até Jesus, buscá-lo, invocá-lo, procurá-lo.
2) O leproso prostrou-se diante de Jesus. É necessário render-se aos pés de Cristo, reconhecendo Sua autoridade e a nossa absoluta impotência.
3) O leproso clamou com toda a determinação de sua alma, reconhecendo em Cristo a única saída. É preciso ir até Jesus reconhecendo-O como a única esperança.
 
O resultado: cura. O nosso resultado: perdão dos pecados. E, se Ele desejar, se for para a Sua glória, até a saúde Ele pode nos recobrar.
 
Busquemos ao Senhor com a atitude do leproso curado.
 
Wagner Antonio de Araújo
Igreja Batista Boas Novas do Rodoanel, Carapicuíba, SP, Brasil

Nenhum comentário:

Postar um comentário