Translate

quinta-feira, 27 de outubro de 2016

memórias literárias - 370 - EU QUERIA MORRER...



EU QUERIA
MORRER...
 

 
370
O pastor chegou à casa do irmão Samuel. Um jovem de 25 anos, solteiro, crente, mas em profunda depressão. Há dois meses a sua noiva o traíra e ele ficara sozinho. Além disto fora diagnosticado com uma doença congênita grave, carecendo de medicação contínua e diária. Tudo isso somado transformara os seus dias em momentos de grande aflição. Confidenciara com algumas pessoas que desejava morrer. Chegou mesmo a dizer que não garantiria a integridade da própria vida, caso pensasse nisso num momento de crise. Ele queria matar-se.
 
- Irmão Samuel, obrigado por receber-me. Tenho orado pelo irmão e lamento muito o ocorrido. Como está passando?
 
- Pastor, eu é que agradeço a sua visita. Sei que o senhor é um homem ocupado e eu não queria tomar o seu tempo. Mas preciso dizer-lhe algo. Vamos ao meu quarto?
 
- Claro, meu irmão. Estou aqui para isso mesmo.
 
Passaram pela cozinha e seguiram pelo corredor. Casa antiga, um banheiro só, o final do corredor dava para o seu quarto. Mesmo morando sozinho Samuel mantinha tudo bem arrumado. Uma tia por parte de mãe era diarista. Os seus pais faleceram num acidente automobilístico há três anos e esta tia veio para ajudá-lo. Sentaram-se na cama. Samuel pos-se a falar.
 
- Pastor, eu quero morrer. E preciso saber se o suicídio é pecado. Tenho orado a Deus para que ele me leve. Não quero mais viver. Sinto-me iludido, arrasado, entristecido, um morto-vivo.
 
- Samuel, o suicídio é pecado. Não temos o direito de tirar a nossa vida. E orar pedindo a própria morte é algo que já aconteceu com servos de Deus há muito tempo: Jonas, Elias, ...
 
- Pastor, eu não aguento mais! A solidão me persegue! O opróbrio diante dos amigos que zombam de mim por ter sido traído é grande! A minha saúde está debilitada, eu quero morrer! Por favor, ore agora para que Deus me leve! Eu sei que Deus lhe atenderá! Não me deixe livre, pois eu acabarei dando cabo da vida. Amarrarei uma corda no guarda-roupa ou me jogarei no Rio Tietê...
 
O pastor, atônito, não sabia o que fazer. Se o contradissesse poderia complicar ainda mais os argumentos. Se nada falasse seria conivente. O máximo que pôde fazer foi orar no íntimo, dizendo: "Oh, Deus, dá-me a sabedoria do alto!". Enquanto orava, o celular tocou. O pastor atendeu no viva-voz, pois tinha alguma dificuldade de audição.
 
- "Pastor? Ai, pastor! O que eu faço? Eu não aguento mais! Meu filho, pastor, meu filho!"
 
- "Quem fala?"
 
- "É a Bernardete, pastor! A médica falou que ele terá que ser operado até domingo, está desesperadamente enfermo do coração! Eu e o meu marido nunca fomos informados sobre isso! Tratamos do nosso prematuro por todos estes meses! Tudo ia bem até ontem! E agora que está fortinho a médica deste outro hospital disse que ele vai morrer! Pastor! Socorro! Eu não vou aguentar!!"
 
- "Bernardete, calma, confie em Deus, vou orar agora por você! E depois desta visita irei até aí para ver você e o bebê."
 
A ligação caiu. O pastor tentou religar mas a chamada não se completava.
 
- Pastor, quem é essa irmã?
 
- É a Bernardete, da igreja onde um amigo meu pastoreia. Deu à luz a um prematuro de cinco meses. Ele estava praticamente morto. Mas com a oração dos amigos, o trabalho dos médicos e a força e a coragem desta mãe e deste pai, lutaram com todas as forças e o menino está há sete meses no hospital. Transferiram-no há alguns dias para um outro lugar, pois ele cresceu. Há problemas, mas tudo caminhava bem. E agora o menino está novamente entre a vida e a morte!
 
- Pastor, um prematuro? Tadinho! Nem viveu, nem experimentou nada na vida! Que pena! Que tragédia! E agora?
 
- Agora temos que orar por ele, Samuel.
 
Nisto um e-mail chega no celular do pastor. Ao abri-lo, deparou-se com uma mensagem de gratidão. Havia uma foto de cinco crianças. Um missionário conseguira cinco bercinhos usados com algumas avarias. Mas a mãe e tia das crianças, feliz, chorava ao ver seus filhos e sobrinhos num bercinho, num quarto pequeno e cheio de furos no teto. O pastor mostrou a foto ao Samuel. E em seguida disse:
 
- Samuel, veja o seu guarda-roupas. A porta está aberta. Estou vendo suas calças bem bonitas e de marcas caras. Vejo os seus ternos. Vejo 4 pares de sapato muito bem engraxados. Você tem coisas valiosas. Já estes bebês não tinham nem um bercinho quebrado como leito; dormiam no chão sobre jornais e panos. E sabe de uma coisa? Mesmo assim eles querem viver! Você ouviu a Bernardete, mãe do prematuro? Ela não tem sábado, domingo ou feriado; não tem dia e não tem noite. Há sete meses a sua vida é ficar ao lado do leito de seu filhinho. E para quê luta? Para que o menino viva! Um pouco de vida é sempre melhor do que nada! E, enquanto temos um fôlego pelo qual lutar, valerá a pena!
 
Samuel ficou pensativo. Então o pastor lhe disse:
 
- Samuel, deixe-me confidenciar algo sobre mim que não sabe. Você teve mãe até a uns dias atrás. Eu não tive. A minha mãe morreu no parto. Você teve pai; eu não tive, pois o meu pai fugiu quando soube que minha mãe estava grávida. Você teve uma casa para chamar de sua; eu não tive; morei em cinco orfanatos e tinha que dividir comida, roupas, chuveiro, televisão e sapatos com os outros órfãos. Eu nunca tive uma mãe que me desse um beijo de boa-noite ou um pai que me abraçasse e que me dissesse: eu te amo, meu filho. Talvez eu tivesse bons motivos para considerar-me um sofredor e achar que não haja dor maior do que a minha. Mas há, e como há! Além disto Jesus, o nosso Salvador, afirmou com conhecimento de causa: "No mundo tereis aflições; mas tende bom ânimo; eu venci o mundo". Voltei de um hospital na semana passada, onde não conseguiram ressuscitar um bebê de dois meses! Os médicos lutaram por uma hora e com lágrimas nos olhos tiveram que desistir, pois o coração não queria bater. E por que faziam isso? Porque a vida é uma dádiva e um dom de Deus.
 
Subitamente o telefone tocou novamente. Era Bernadete:
 
- "Pastor, pastor, pastor, pastor, pelo amor de Deus!..."
 
- "Irmã, não estou entendendo nada! Fale devagar! O que houve com o menino? Faleceu?"
 
- "Não, pastor! A médica errou a pasta e deu o diagnóstico de um outro bebê sofredor! Os exames do meu estão bons! Não era o meu bebê, pastor! Não era o meu bebê! Meu Deus, o meu bebê está bem! Aleluia!"
 
Samuel, perplexo, começou a chorar. Presenciar a alegria da mãe ao telefone, festejando a vidinha de seu filho e ver a foto da outra mãe feliz com berços velhos e consertados, fora muito para o seu coração. Resolveu orar de joelhos e em voz alta, quase gritando de emoção:
 
- Oh, Deus bendito, perdão! Perdão, Senhor! Como fui injusto! O Senhor me abençoou tanto e eu não enxerguei! Tenho um quarto limpo e confortável, boas roupas, emprego, comida e uma tia que cuida de mim. Tenho uma boa igreja onde congregar e saúde para viver! E vejo tanto sofrimento neste bebê que sofre e luta pela vida! Vejo tanta pobreza e uma mãe e tia que festeja cinco berços velhos! E eu querendo dar cabo da minha vida! Senhor, isto não é justo! Se eu sou Teu, então viva em mim e faça de mim um homem grato! Perdão, Senhor! Quero viver até o dia em que Tu achares adequado e Te peço que a minha vida tenha sentido, ao menos na história de alguém! Usa-me, Senhor! Em nome de Jesus, amém!
 
Então o pastor, em lágrimas, também orou:
 
- Oh, Deus eterno e todo-poderoso, eu Te agradeço, pois aprouve ao Senhor conceder a bênção desta noite! Um bebê que se recupera, uma mãe e tia que festeja os bercinhos e um irmão que reencontra o verdadeiro sentido do cristianismo, o serviço para Deus e pelo próximo! Senhor, usa o Samuel nas Tuas mãos e providencia para ele a alegria de ser útil em Tuas mãos. Oro também pelo bebezinho cujo diagnóstico é ruim; que o Senhor o cure e o restaure também. Em nome de Jesus, amém!
 
Aquela noite foi festiva. Samuel solicitou, como bom paulistano, duas boas pizzas numa cantina do Bixiga (bairro de São Paulo). O pastor terminou a visita com alegria e felicidade. Em três meses Samuel tornara-se um visitador de criancinhas órfãs e em seis estava a namorar uma linda cristã. A última notícia que recebi foi que o casamento está marcado para o fim do ano e que Deus transformara a vida deste jovem.
 
"Eu era triste porque não tinha sapatos; até que encontrei alguém que não tinha pés..."
 
Samuel descobriu que "o choro pode durar toda uma noite, mas a alegria vem pela manhã".
 
E entendeu o que aquele texto dizia:
 
"Eu sei, ó, Senhor, que não cabe ao homem escolher o seu caminho,
Nem ao que caminha o dirigir seus passos" (Jeremias 10.23)
 
Você, que leu esta estória, estaria também pensando em dar cabo de sua vida? Inspire-se nesta experiência e diga como Paulo: "vivo, não mais eu, mas Cristo vive em mim". Certamente a vida terá um novo significado. A vida é um dom de Deus e só a Ele cabe contar os nossos dias. Vivamos intensamente cada um deles e busquemos no amor do Senhor o verdadeiro sentido de tudo!
 
Que Deus lhe abençoe.
 
Pastor Wagner Antonio de Araújo
28/10/2016
 

obs: ficção baseada em diversos fatos reais.

segunda-feira, 24 de outubro de 2016

COMUNICADO IMPORTANTE - PR WAGNER E IBBNR - 24/10/2016



Ontem, no culto ao Senhor, solei um hino. Dirani Ferraz Curcino gravou o áudio. Postei-o para a glória de Deus. Aqui:

Escrevo este e-mail depois de um longo silêncio, motivado por um distúrbio em meu computador. Perdi um precioso arquivo e tornou-se irrecuperável. Dei graças mesmo assim.
Agora quero testemunhar aos irmãos. Na foto que vêem estou pregando em duas ocasiões. Uma em 1996 e outra em 2016. A idade chegou. A fé, entretanto, manteve-se pelos anos. Cristo a sustentou.
E Ele tem contemplado a fé. Eu O bendigo por isso.
Testemunho três bênçãos para a glória de Deus.
1) UM MENINÃO - Minha esposa Elaine está grávida novamente. Bênção de Deus! A criança soma 3 meses e está sendo formada com a graça do Senhor. O ultrassom não definiu completamente o sexo. O médico deu 80% de chances de ser um menino. Pode ser que mude o prognóstico, mas é quase certo. Um menino! Um homem que casou-se aos 45 anos, foi pai aos 50, agora tem à frente a bênção aguardada de receber um menino no colo e dizer: meu filho! Aleluia!
2) UMA NOVA IGREJA - A Igreja Batista Boas Novas do Rodoanel em Carapicuíba, São Paulo, Brasil, é a pequenina entre as pequeninas. Não tenho vergonha de confessar isso, pois Deus também ama as pequeninas. E, mesmo tão frágil, terá a alegria de organizar no último sábado de novembro, a sua filha: uma igreja batista na Ilha Comprida, litoral sul do Estado de São Paulo. Essa congregação tem à frente o veterano obreiro Pastor Luiz Rodrigues de Oliveira e tem uma frequência de 30 pessoas para mais. Deus está concedendo a graça de cumprir o IDE do Senhor e o papel batista de organizar outras igrejas, não de criar filiais. Assim, bendizemos a Deus por tamanha bênção!
3) A RAMPA E O CONTRAPISO - Há três meses iniciamos uma campanha para a construção da rampa de acesso à capela e o contrapiso ao redor da mesma. Lembram-se? Um orçamento de dez mil reais. Com a crise econômica em que vivemos, praticamente impossível uma afirmação como essa que fizemos: "Cremos que até o final do ano teremos a rampa e o contrapiso prontos". Os amigos oraram e nós agradecemos. Alguns poucos contribuiram e nós agradecemos. Fizemos o yakissoba e diversos cooperaram, e nós agradecemos. A igreja local empenhou-se, como o nosso Brenon, que fez a campanha dos chaveirinhos, rendendo R$ 500,00, e nós agradecemos. Mas estávamos aquém da necessidade. Contudo, algo absolutamente inesperado aconteceu. Alguém de nossa igreja recebeu uma palavra minha, dizendo: diga a fulano que, se quiser contribuir com a construção, pode fazê-lo que nós não ficaremos tristes. Brinquei. Faz três meses. Ontem, no gabinete, esta pessoa veio informar-me: a pessoa a quem dirigimos esse recado ofertou mais de 2 mil dólares, valor que, somado ao que guardamos, completa o valor da rampa e do contrapiso. Nesta semana o dinheiro será convertido em reais e saberemos quanto sobrará no banco (taxas...). Mesmo assim o valor alcançará em nome de Jesus o montante necessário. Resultado: JÁ TEMOS A RAMPA E O CONTRAPISO. O que dizer? SUA FÉ JESUS CONTEMPLARÁ!
Agora entraremos na campanha da FACHADA DA IGREJA. Valor projetado: R$ 8 MIL REAIS. Impossível? Nada é impossível ao que crê. Aguardaremos no Senhor.
Gostaram? Então me escrevam. Eu ficarei grato.
Depois completarei as informações de campanha.
Deus promete grandes coisas conceder
A qualquer que peça, crendo que há de obter
A resposta, sem na fé enfraquecer.
Sua fé Jesus comtemplará.

Sua fé Jesus contemplará;
Sim, o que Jesus promete, dá.
Ele vê o coração
E responde a petição;
Sua fé Jesus contemplará.

Deus tem prometido a quem não duvidar
Dar-lhe tudo quanto a ele suplicar;
Ele o prometeu e não irá negar!
Sua fé Jesus contemplará.
Deus já grandes maravilhas operou
Por alguém que, firme, nele confiou,
E que da promessa em nada duvidou!
Jesus Cristo a fé contemplará.

Sim, creiamos no que Deus nos prometeu,
Pois jamais desonrará o nome seu;
Ele cumprirá promessas que nos deu!
Jesus Cristo a fé contemplará.
(Pastor Ricardo Pitrowsky, Igreja Batista do Engenho de Dentro, Rio de Janeiro, início do século 20, fez a versão portuguesa deste hino de James Howe)

sábado, 15 de outubro de 2016

lembranças literárias - 369 - A TUA OBRA NÃO TERMINOU

 


A TUA OBRA
NÃO TERMINOU
369
Um sonho. Nada mais que isso. Ou seria? EU NÃO SEI!
 
Sonhei muita coisa enquanto dormia nesta manhã no sofá da sala. Aguardava o café matinal. Deixei minha esposa e filha no quarto e vim cochilar um pouco.
 
Dentre os lampejos de lembrança destes sonhos rápidos, o último me deixou perplexo e tornou-se inesquecível. Você já sonhou algo que o incomodou pelo resto do dia, algo que lhe fez pensar muito?
 
Vou contar-lhe o meu.
 
Sonhei que estava na estação ferroviária da Lapa, em SP. Vi um homem rude a pedir dinheiro para o povo. Era alguém que fazia palhaçadas. Lembrei-me que outrora era ele um servo de Deus. Lembrei-me de ter lido ou algo que escrevera ou algo que escreveram sobre ele. Era alguém produtivo e exemplar no trabalho de Deus. No meu sonho eu sabia que ele havia abandonado as lides do Senhor. Ele não estava meramente a "fazer tendas" em algum momento de necessidade, mas aborrecera-se do Reino e agora vivia como um incrédulo.
 
Senti um impulso violento no meu coração. Tirei a carteira do bolso e mostrei-lhe dez reais. O homem veio buscar. Ao tentar pegar o dinheiro de minha mão, olhei para ele (e não sei se eu havia ou não escondido a minha boca na gola de minha blusa) e lhe disse com toda a autoridade (lembrando-me do próprio Velho Testamento):
 
- "Meu servo, assim diz o Senhor: a tua obra não terminou; volte para o meu Reino". Enquanto eu falei ele abaixou a cabeça. Após eu dizer estas palavras tão contundentes, fui embora, entregando-lhe primeiramente os dez reais. E então acordei. Milu chamava-me para o café que estava pronto e era servido à mesa.
 
Pensei: "Meu Deus, o que foi isso?" Mero sonho? Um cochilo de barriga para cima? Uma mistura de idéias e trechos de vivência? Ou, de fato, Deus estava a falar de mim, através de mim, para mim ou para algum leitor meu? Não tracei nenhuma conexão pentecostal, mas profética, como os antigos do Velho Testamento. Estaria Deus falando comigo ou com alguém?
 
Como não soube a resposta decidi escrever o sonho e dizer a quem me lê:
 
Se você deixou as lides do serviço do Senhor por ter se aborrecido com algo, se deixou inacabada a sua carreira de servo de Deus, se cansou-se de esperar as recompensas no Céu e decidiu abraçar as efemeridades da terra, vivendo a mendigar para inteirar as alegrias da vida, os recursos de sobrevivência ou mesmo a fuga do Reino do Senhor, eu lhe digo: volte! A sua obra está inacabada. Não destrua o que já construiu pela graça de Deus. Não se torne um tropeço para quem lhe olhou como um exemplo de fé. E não abandone o que ficou inconcluso. Volte!
 
E é só. 
 
Quem tiver ouvidos para ouvir, ouça.
 
Pr. Wagner Antonio de Araújo

15/10/2016

terça-feira, 11 de outubro de 2016

11-10-2016 - IBBNR - SEMPRE AVANTE

11-10-2016 - IBBNR - SEMPRE AVANTE

Carapicuíba, São Paulo, Brasil.
11 de outubro de 2016
Notícias da Igreja Batista Boas Novas do Rodoanel em Carapicuíba, São Paulo,
Brasil

SEMPRE AVANTE
Não recebemos ofertas, exceto da querida mestra de inglês da zona norte da
capitaul paulista. Não desistiremos.

A GREVE DOS BANCOS ENCERROU
Aqueles que aguardavam uma oportunidade para ofertar logo após a greve dos
bancos, podem executá-la: graças a Deus a greve terminou.

PORTA CORREDIÇA
Ganhamos de uma irmã residente nos Estados Unidos da América uma porta de
vidro com 4 partes, e uma porta de madeira. Deus tocou em seu coração para
que doasse a uma igreja. E a irmã Diailze, querida irmã em Cristo,
indicou-nos a ela. Agora já temos a porta que separará o salão social da
cozinha, que, pela fé, construiremos em breve! Muito obrigado, irmã Nildete!

VIAGEM PARA A ILHA COMPRIDA, LITORAL SUL DE SÃO PAULO
Temos uma congregação na Ilha Comprida, pastoreada pelo Pr. Luiz Rodrigues.
Com cerca de trinta cooperadores, é chegada a hora de organizá-la em igreja.
Assim, para dar o devido preparo aos membros para o concílio que será
realizado, planejamos um curso preparatório. Na sexta-feira passada o Pr.
Aparecido Donizete Fernandes, o irmão Paulo Sérgio Dias Carias e eu descemos
até lá. E no sábado, das 9 às 17 horas realizamos o curso preparatório.
Agradecemos a acolhida na residência do Pr. Luiz e o carinho da congregação.
Subimos a serra e às 23 horas já estávamos em nossas casas. No próximo dia
22 regressaremos à ilha, se Deus assim nos permitir.

ESCOLA DOMINICAL E CULTO
Voltamos ao antigo formato das atividades dominicais matinais. Das 9 e 30 às
10 e 15 realizamos o culto matutino. E das 10 e 15 às 11 e 30 a Escola
Bíblica Dominical. Estamos a estudar a matéria O CRESCIMENTO CRISTÃO, do Pr.
Raphael Zambrotti, em revista preparada em 1976. O irmão Paulo Sérgio Dias
Carias é o professor. Eu estou lecionando doutrinas básicas a um irmão muito
querido.

NOITE COM VISITANTES
O culto da noite trouxe-nos grande alegria. Alex e namorada, amigos de
Sílvio, nos visitaram. Rafael e família, amigos do Serginho, também. Eliane,
irmã de Cleide, também. E assim tivemos um auditório bom. Louvamos a Deus
por esta dádiva.

CHAVEIRINHOS DA CAMPANHA
Precisamos de R$10.000,00 para fazer a rampa e o contrapiso ao redor da
capela. Não temos o valor. Brenon, contudo, desejou fazer uma campanha com
chaveirinhos no formato de bloquinhos de construção. Compramos um saco com
100 e colocamos à disposição. Cada irmão foi convidado a ofertar 5 reais por
chaveirinho. Para nossa surpresa conseguimos angariar R$500,00. Aleluia!

ATENDIMENTO EM GABINETE
Na semana passada estivemos na terça e na quarta-feira atendendo no gabinete
pastoral. E nesta semana, apesar da gripe forte após a viagem, também ali
estaremos, se Deus nos permitir. Hoje das 14 às 17 e depois sairei para uma
visita. E às 20 teremos um culto nos lares, desta feita na casa de Maria
Esmeralda de Araújo Silva.

A NOSSA CAMPANHA

SALDO EM 28/09/2016 - R$ 3.728,85
ALVO PARA OUTUBRO DE 2015: R$ 13.500,00
VALOR QUE FALTA PARA COMPLETAR O ALVO: R$ 9.771,15

OFERTAS NO PERÍODO
11/10/2016 - R$ 700,00 - Ofertas da própria Igreja Batista Boas Novas do
Rodoanel em Carapicuíba, SP
11/10/2016 - R$ 140,00 - IH/SP, querida professora e missionário, nunca se
esquecem de nós! Obrigado!
11/10/2016 - R$ 500,00 - 100,00 chaveirinhos de bloco, pela própria Igreja
Batista Boas Novas do Rodoanel
-----------------------------
R$ 1.340,00 - Ofertas no período

SALDO EM 11/10/2016 - R$ 5.068,85
ALVO PARA OUTUBRO DE 2015 - R$ 13.500,00
VALOR QUE FALTA PARA COMPLETAR O ALVO: R$ 8.431,15

CONTUDO, como são apenas registros contábeis da campanha, eles não expressam
na realidade o que temos, uma vez que aí não estão contabilizadas as
despesas com o andamento de materiais e mão de obra já pagas. Assim, na
realizade, o nosso saldo é:

R$ 3.900,00 PARA A RAMPA
PRECISAMOS DE R$ 10.000,00
FALTA CONSEGUIR R$ 6.100,00

PRECISAMOS DE SUA AJUDA
A sua oração é preciosíssima. Pode orar por nós?
A sua contribuição financeira é preciosíssima. Pode contribuir conosco?
Muito obrigado!

Pr. Wagner Antonio de Araújo
Igreja Batista Boas Novas do Rodoanel em Carapicuíba, São Paulo, Brasil
PARA CONTRIBUIR:
BANCO BRADESCO (237)
AGÊNCIA RIO PEQUENO - URBANA SP - 2207-1
CONTA CORRENTE 16627-8
IGREJA BATISTA BOAS NOVAS
CNPJ DA IGREJA 04641377-0001/80
(obs: quando um DOC de outro banco for feito, a agência não tem dígito e a
conta corrente não precisa de hífem).

2a. OPÇÃO - PARA QUEM SÓ TEM ACESSO AO BANCO DO BRASIL
(SE USAR ESTE MEIO, ENVIE UM E-MAIL NOTIFICANDO DATA E VALOR)
BANCO DO BRASIL (001)
AGÊNCIA 4393-1
CONTA CORRENTE 83.496-3
ELAINE OKADA DE FARIAS

Uma nova modalidade de contribuição: IBAN (através de Western Union):
BR986 0746 94800 42200 0040 8883 C1
em meu nome (Wagner Antonio de Araújo)

sexta-feira, 7 de outubro de 2016

memorias literárias - 368 - UM TEMPO DE MENTIRAS

UM TEMPO DE MENTIRAS




UM TEMPO
DE MENTIRAS
368
Um prefeito elege-se, prometendo não aumentar impostos. Após eleito, declara que irá "corrigir" o Imposto Predial e Territorial Urbano" (IPTU). Ao ser indagado se mentiu, disse: "Não; eu disse que não iria aumentar; disse que iria corrigir". Ao mesmo tempo os funcionários públicos pedem reajuste salarial, corrigindo o seu poder de compra. O governo, então, sob o pretexto de não "aumentar" salários, afirma que "corrigir" é "aumentar"; assim, os funcionários não poderão ter "correção". Mas os impostos sim!
Um dos grupos pró-empeachment, dos mais barulhentos, ergueu a bandeira brasileira, unindo os descontentes de norte a sul. Após a queda da presidente, guardaram a bandeira e ergueram os cartazes para a eleição. Conquistadas as cadeiras, alguns vestiram camisas até então escondidas, que os identificava como fankeiros, gays e outras ramificações ideológico-sociais, as mesmas que combatiam antes. Guardaram-nas durante o processo porque construiam uma identidade, uma personalidade, e mostrar o que realmente era poderia soar, digamos, "falso". (não seria uma "farsa"?)
Tempos muito difíceis. Tempos em que a palavra de um homem não vale um tostão furado. Tempos em que as pessoas tornaram-se zumbis ambulantes, vidradas num aparelho de celular, sem olhar a rua na hora de atravessar, sem perceber as pessoas ao redor. Tempos em que "youtubers" (gente que grava vídeos por conta própria) tornam-se "celebridades" no registro de suas excrescências intelecto-morais. Tempos em que pessoas de baixa renda tornam-se ricas não por trabalho ou pelos estudos, mas  gravando temas de pornografia. Agradecem "a Deus" pela bênção recebida. Cantam contra a moral, contra a mulher e contra a família, e, na contramão do que cantam, dizem amar e desejar sustentar as famílias!
Mentiras, mentiras, mentiras! Nesta semana a NASA despachou para o espaço uma sonda. Para os incautos, um mero satélite observador de um meteorito meio "perigoso". Mas na  CNN encontra-se matéria denunciadora: há um perigo profundo de uma colisão profunda dentro de alguns anos e a NASA está tomando "providências" enquanto há tempo, como naquele filme de meteoros. Mentem para não causar pânico. Pais mentem aos filhos para levá-los à escola, para obterem deles a concordância e o silêncio. Estamos a construir um mundo de mentiras. E a mentira tem um pai: SATANÁS. Vós tendes por pai ao diabo, e quereis satisfazer os desejos de vosso pai. Ele foi homicida desde o princípio, e não se firmou na verdade, porque não há verdade nele. Quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso, e pai da mentira. (Jo 8:44)
Enquanto me encaminhava para a igreja, ouvia um "pastor batista" no rádio. Celebridade, igreja milionária, doutor em inúmeras coisas, proclamava em sua prédica esta linda mensagem: quem oferta por gratidão, por compaixão ou por obediência não passa de um fraco, um vazio, um sem-noção. Nem Cristo foi obediente. Ele veio ao mundo porque quis, não porque o Pai mandou (sic). O jeito certo de ofertar é: estou ofertando porque quero; e daí? Pensei comigo: Não falta mais nada, meu Deus.... Para completar, numa revista missionária, vi um projeto com o nome de Jesus como se fosse nome de circo, onde irão vender "o panetone missionário". Era tudo o que a igreja precisava: uma empresa do circo de Cristo!
O que fazer num tempo destes? O que fazer num tempo em que os crentes deixaram-se contaminar pelo formato do mundo, cegados no entendimento pelo deus deste século, a viver vidas secas, rotas e esfarrapadas, como a dos gibeonitas, não porque não têm nada, mas porque teimam em morrer de sede à beira do Rio da Água da Vida! Têm a chance de uma vida produtiva, conectada em Jesus, mas conectados estão numa rede do mundo, da carne e do Diabo! O resultado todos conhecemos: templos da mentira cheios e abarrotados, com dinheiro e com mída. E os templos da verdade vazios, com bancos solitários e pregadores cansados. Cansados, mas não derrotados! Porque, um dia, tudo virá à tona!
O que a Bíblia nos diz como consolo e remédio?
Eis que venho sem demora; guarda o que tens, para que ninguém tome a tua coroa. (Ap 3:11). Guarda a tua boa teologia, não a abandone. Guarda o teu bom caráter; não te corrompa. Guarda a tua fé; não a comercialize! Guarda a tua integridade; não viva uma incoerência prática! Guarda a tua hora tranquila: buscar ao Senhor em oração e com bíblia vale muito mais do que "tuitar" ou "ser tuitado" a cada segundo! Guarda a tua mente; não a enchas do que não presta! Guarda a tua firmeza; não creia em tudo o que te é mostrado.
Deus está a estender o prumo sobre a Sua Igreja. Estejamos alertas. E não vivamos na mentira.
Wagner Antonio de Araújo
07/10/2016

segunda-feira, 3 de outubro de 2016

memórias literárias - 367 - NEM SÓ DE PÃO

NEM SÓ DE PÃO





NEM SÓ DE PÃO

367
Fernando e Carlos ao telefone:
- Carlos, não tem erro! Só que eu tenho urgência. Tem que decidir-se hoje sem falta!
- Não sei, Fernando, a coisa não fecha aqui na minha mente. Parece fácil, mas não estou sentindo paz!
- Carlos, paz não enche barriga! DINHEIRO enche! E uma oportunidade destas você nunca mais verá!
- Eu sei, Fernando, mas...
- Chega de mas,  mas, mas. Não quero ouvir mais nada. Vou te ligar daqui a uma hora. E quero a sua decisão. Só falta você para fechar o grupo. Tchau.
Carlos era um gráfico. Gráfica pequenina, de bairro. Fazia blocos de nota fiscal, encadernava livros, fazia cartazes, panfletos, até imprimir livros ele já imprimira. E em época de propaganda eleitoral, fazia muitos santinhos.
Fernando era um velho amigo. Um líder no bairro onde crescera. Estudou na PUC com Carlos, mas seguiu por uma linha política; falava de reformas sociais. Porém, com os rumos que o país tomara, entrara em negócios escusos. E agora propunha a Carlos uma oportunidade ímpar. Segundo Fernando, nada poderia dar errado. E a proposta era muito simples.
Na próxima eleição o Partido Justo, do qual Fernando era agremiado, mandaria imprimir cem mil santinhos. Contudo, para efeitos de financiamento eleitoral, para conseguir mais verbas, Fernando solicitaria aos empresários o valor de dois milhões de santinhos. Carlos só imprimiria cem mil. O valor do restante, de um milhão e novecentos mil santinhos, seria apenas registrado na nota fiscal. Carlos receberia o valor integral e teria que distribui-lo. Entregaria o valor de seiscentos mil para o partido, outros seiscentos mil para o Fernando e o restante do valor poderia embolsar. Era uma boa quantia. Fernando estava terminando de compor o time de dez gráficas com a mesma proposta.
Para Carlos essa quantia viria em boa hora. Ele tinha impostos atrasados. Tinha obrigações trabalhistas não recolhidas. Tinha contas de casa para pagar. O valor seria tão bom que, após pagar todas estas contas, ainda trocaria de carro. E daria para tirar férias no exterior ou pagar dois anos de faculdade dos meninos. Como não aceitar? Afinal, todo o sistema gira assim! Todos sairiam ganhando!
Por outro lado, Carlos era um homem que temia a Deus. A situação de ser devedor não lhe era normal; a crise ceifou os clientes e não houve caixa para quitar as dívidas. Com muita luta mantinha a porta aberta, esperando que o futuro trouxesse dias melhores, dias em que o mercado novamente viesse a funcionar.  Por ser um crente fiel era muito visado e diversos jovens olhavam para o seu comportamento, buscando um referencial para seguir.
Em sua mente ocorria uma guerra de pensamentos:
" Carlos, não seja bobo! Abrace a causa! Todos ficarão felizes! O dinheiro não é roubado, é doado; e todos se beneficiarão!"
" Carlos, tomar esse dinheiro é mentir, é lavar dinheiro! Imprimir cinco por cento do que a nota declara é crime, é mentira! E, mesmo que ninguém venha a saber, há um Deus nos céus e um Cristo em meu coração; Ele saberá!"
"Meu Deus, o que farei?"
O tempo passou depressa demais. Conforme Fernando avisara, ligou novamente, e incisivo na voz: 
- Carlos, quero uma posição sua. Fechei com nove gráficas, agora quero fechar com você. E faço uma proposta melhor. Você fica com o valor de oitocentos mil santinhos; eu retiro a diferença da distribuição. Posso fechar?
- Fernando, eu declino. Não vou aceitar. Declarar uma quantia maior numa nota fiscal e receber um dinheiro pelo qual eu não trabalhei é mentira. Eu tenho um compromisso com os meus filhos e com a minha esposa; acima de tudo, porém, com o meu Deus. Eu não poderia ter paz no coração recebendo recursos da mentira. Eu não aceito.
- Carlos, você é um louco, é um idiota, um otário. Você está quebrando as minha pernas. Você não pode fazer isso comigo! 
- Não, Fernando, eu não aceito. Eu tenho valores cristãos.E não estou fazendo isso com você. Estou fazendo isso comigo. Eu tenho temor de Deus.
- TEMOR DE DEUS NÃO ENCHE BARRIGA, Carlos!
- Pode ser, Fernando, mas NEM SÓ DE BARRIGA CHEIA VIVE O HOMEM, MAS DE TODA A PALAVRA DE DEUS! 
- Vá para o Inferno, Carlos! Adeus!
.................
E desligou o telefone.
-----
Passam-se três anos...
"PLANTÃO DO JORNAL BRASILEIRO - Foi preso hoje, em Campinas, Fernando de Tal, do Partido Justo. Ele e mais dez donos de gráfica foram levados para Curitiba, denunciados, acusados e com prisão temporária decretada. Foi descoberto um grande esquema de lavagem de dinheiro através da impressão de materiais de propaganda política..."
- Pai - pergunta Flávio, filho de Carlos -, o senhor conhece esse homem?
- Sim, filho. Conheço-o.
- Então eu quero te agradecer, paizão.
- Por que, Flávio?
- Porque o senhor não entrou nessa. Sendo do mesmo ramo, certamente que esse cara lhe propôs algo. Mas o senhor provou ser praticante do que me ensina. Eu te amo, paizão!
Carlos sorriu e saiu da sala, indo ao quarto agradecer a bênção de ter esperado no Senhor o suprimento das necessidades, e por ter recusado o banquete de Satanás. Além disto, ouvir um elogio sincero de um filho que não encontra hipocrisia na vida do pai é algo que não tem preço!
FIM.
Ofereço este texto a todos que não se deixam corromper por nada.
Wagner Antonio de Araújo

02/10/2016

memórias literárias - 366 - TRAGÉDIA E SALVAÇÃO

TRAGÉDIA E SALVAÇÃO



TRAGÉDIA

E SALVAÇÃO

366
O barulho foi alto; uma trombada e uma queda. O carro bateu em quê? Correram para lá. No chão, ensanguentado, com uma perna amputada e sangue a jorrar pelo chão, um homem  estirado de barriga para cima. Terno rasgado e sujo, rosto esfolado, nariz deslocado, ele olha para cima, ofegante e sôfrego. Enquanto os carros param e os motoristas descem, outros ligam para a ambulância e aos bombeiros. Para o homem, porém, nada disso importa. Ele está morrendo.
Em seu corpo a impotência completa: não consegue mexer-se. A dor mistura-se com a ardência e a sensação de frio. As vozes sobre ele transformam-se num ruído distante. Seus pensamentos estão muito distantes.
Ele pensa no que aconteceu. O que saira errado? Atravessava a rua sem trânsito, nunca deixou a prudência. Por que isto agora?
Ele corria para uma entrevista de emprego. Sem dinheiro para pagar as contas, ouvia o choro de três filhos e o sofrimento da esposa que desdobrava-se em faxinas e em quilos de roupas que passava para os moradores do prédio. O condomínio estava atrasado. O convênio médico cortado. Ia à pé para não ter que gastar dinheiro.
As pessoas tentavam confortá-lo ali no chão. Inútil a tentativa de colher alguma informação; ele não conseguia falar. Apenas olhava para o céu.
Lembrou-se dos amigos que tinha, pessoas que apreciavam o jantar ou o churrasco nos finais de semana. Era popular e todos gostavam dele. Geralmente emprestava dinheiro e tinha muitos admiradores. Mas a crise ceifou-lhe os amigos. Estes desapareceram de casa. Bloquearam-no no whatsapp e no messenger. Eles não vinham mais à sua casa. Por três vezes ligou para os mais chegados, mas a resposta foi uma só: ligue mais tarde, estamos ocupados.
A ambulância demorava a chegar; ele estava convulsionando. Ao voltar a si manteve-se inerte, mas os pensamentos divagavam.
Lembrara-se de quantas vezes os filhos desejavam um pouco mais de sua atenção, mas ele tinha o futebol para assistir. A esposa queria mostrar algumas coisas que conseguira fazer no curso de artes plásticas, mas ele dizia que não tinha tempo para futilidades. Quantas vezes fora dormir de madrugada, sem ao menos perceber que haviam feito uma surpresa para ele, colocando um presente na escrivaninha ou um bilhetinho de amor junto da carteira! Ele ignorava estes pedidos de atenção.
Os transeuntes fizeram um muro humano, para que ninguém tocasse naquele moribundo e insistiam para que alguém corresse ao posto de saúde implorar por socorro. Ele, contudo, com os olhos baços, olhava para o céu.
Lembrava-se do pai cristão. Lembrou-se das músicas que aprendera na escola bíblica dominical. Também pensou naqueles inferninhos que o afastaram da igreja, sonhos de adolescente repleto de hormônios: baladas, mulheres, cigarro, bebida. Nunca usou drogas. Mas a vida tornou-se uma droga. Depois de tantos anos lembrou-se dos sermões do pastor de sua igreja: "Lembra-te do Teu criador", "Hoje te pedirão a tua alma"; "Cristo voltará, prepare-se!". Enquanto pensava, viu-se com o hinário à mão, cantando no coral: "Meu amigo, hoje tu tens a escolha, vida ou morte, qual vais aceitar? Amanhã pode ser muito tarde, hoje Cristo te quer libertar!".
Após a terceira convulsão, voltou novamente a si, sem poder mexer-se. Um par de lágrimas desceu dos olhos. E, em pensamentos profundos e últimos, orou para Deus: "Senhor, perdoe a vida distante que levei,  a falta de atenção à família, o abandono dos teus caminhos. Me perdoe! Me recebe em teus baços. Por Jesus. Amém. "
Em seguida os que estavam bem próximos gritaram: "Ele morreu! Ele morreu!"
No jornal da noite ninguém noticiou. Mas Deus soube, viu e atendeu.
Wagner Antonio de Araújo

03/10/2016