domingo, 16 de fevereiro de 2020

memórias literárias - 848 - PRATO FEITO

PRATO
FEITO
 
848
 
"De onde, Senhor, veio este arroz? Tão saboroso, tão bem feito, onde terá sido colhido? Quantas mãos não trabalharam em sua produção, desde a seleção das sementes, o preparo da terra, os arados, a semeadura, os cuidados com as plantas novas, o uso de pesticidas, a mantença do terreno pantanoso ou outro tipo de cuidados, a colheita e o seu armazenamento, a venda da produção, o transporte, o distribuidor, o ensacamento, a colocação no supermercado, quantas mãos e quanto zelo!
 
"Não é diferente pensar nestes feijões tão bem feitos e apetitosos, com os pedaços de linguiça e bacon, com os temperos, o alho, o sal. De que salinas foram tiradas as peças de sal? Em que maquinários passaram? E o bacon, junto com a linguiça, de que porcos vieram? Onde foram criados? Como foram transportados aos frigoríficos? E a cebola aqui derretida? Quantos processos até chegar à mesa!
 
"Esta salada, tão bem temperada, simples, mas tão preciosa! Duas folhas de alface, rodelas de tomate, cebola fatiada, salsinha e cheiro verde distribuídos! Este azeite que encanta, de que oliveiras terão vindo? Seriam de Portugal, da Espanha ou de algum produtor deste país? Quantas noites ao sereno as azeitonas passaram, quantos processos não se seguiram até que o azeite virgem e saboroso não fosse extraído!
 
"Este bife, bem temperado, de que boi ou vaca terá vindo? Será do sertão de Goiás com seus pastos belíssimos ou do Mato Grosso, com suas montanhas fenomenais? Seriam rebanhos mineiros, perto das Altaneiras ou daquelas serranias do sul de Minas? Que tipo de gado seria? Rebanhos holandeses, montana, bonsmara ou utrablack?
 
"Já este copo de suco de laranja, que refrescante, que delícia! Imagino os pomares do estado de São Paulo, beirando as rodovias, aquelas laranjas amarelinhas que, antes de serem frutas, encantaram a todo motorista que trafegou por aqueles locais, com o indescritível perfume da flor da laranjeira! Estes copos simples, de modelo comum, de que areias fizeram a provisão do material de sua composição? Como foram os fornos onde foram forjados?
 
"Eu Te dou graças, Senhor, por esta refeição neste bar da esquina, um prato feito bem barato, comida de trabalho, conquistada com o suor do meu rosto, pela qual, neste momento Te agradeço. Amém. Obrigado pelas cozinheiras, pelo vendedor, pelo atendente, por aquele que lavou a louça e por todos que trabalharam na confecção do meu almoço. Em nome de Jesus. Amém.'
 
- Garçon, me traz a conta, por favor? Já vai dar o horário do turno da tarde e eu não posso perder...
 

Wagner Antonio de Araújo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

memórias literárias - 866 - A PRODUÇÃO DA PACIÊNCIA

A PRODUÇÃO DA PACIÊNCIA   E não somente isto, mas também nos gloriamos nas tribulações; sabendo que a tribulação produz a paciê...