Translate

quarta-feira, 25 de março de 2015

memórias literárias - 163 - CORAÇÕES ANGUSTIADOS


CORAÇÕES

ANGUSTIADOS
163
Talvez ninguém veja. Aliás, quem vê diz que é manha, dengo, falta do que fazer. Outros dão receitas para curar a angústia: rir, gritar, viajar, passear, namorar, acampar, navegar, pescar etc. Há ainda aqueles que insistem em dizer que é obra de Satanás, que o cristão não pode sentir angústia; acabam por nos deixar com a consciência pesada!
A verdade é que a ANGÚSTIA é uma realidade, quer queiramos ou não. Disse o sábio Salomão: "Até no riso o coração sente dor e o fim da alegria é tristeza." (Pv 14:13). O próprio Senhor Jesus angustiou-se, quando estava prestes a passar pelo Calvário. Disse Ele: "Importa, porém, que seja batizado com um certo batismo; e como me angustio até que venha a cumprir-se!" (Lc 12:50). Doutra feita, próximo de sua prisão, vimos a sua angústia: "E tomou consigo a Pedro, e a Tiago, e a João, e começou a ter pavor, e a angustiar-se." (Mc 14:33)
A angústia é uma ansiedade acompanhada de dor e sentimentos diversos. Geralmente precede fatos ou segue tragédias vividas. A angústia é íntima, é própria de um ser, não sendo possível que todos a experimentem na mesma medida; por isso que se diz no adágio popular: "pimenta nos olhos alheios é colírio". Só nós sabemos o quanto sente o coração!
Às vezes a angústia é pelo luto ou pela realidade do luto iminente. Como dói! Como é triste aguardar a partida de quem se ama! O sentimento profundo de impotência, de protesto, de súplica, vem banhado de lágrimas e dores. Quando é luto de quem se foi, então o vazio da ausência, da falta do ente querido, da pequenez diante da morte, traz uma angústia tão real, tão profunda que é como se conseguíssemos pegá-las na mão, como se pudéssemos apalpá-la, como as trevas no Egito, no tempo das dez pragas!
Outras vezes é por um sentimento quebrado, uma aliança desfeita, um sonho que transmutou-se em quimera, em algo impossível. Talvez um emprego perdido, um concurso reprovado, uma viagem cancelada, um encontro desastroso, uma separação matrimonial, um filho que fugiu etc. Há tantas coisas que podem dar errado e podem gerar angústia!
Há a angústia por causa da injustiça. Um sentimento íntimo de profunda pequenez ante tanta perversidade no mundo, talvez em algum caso onde o erro foi recompensado e o acerto foi punido. Que angústia no coração! Um processo justo perdido, uma mentira acreditada, uma herança roubada, uma opinião desprezada, uma prisão injusta, um ladrão eleito, um projeto absurdo, quanta angústia!
Ficaríamos muito tempo citando as várias possibilidades da angústia humana e não conseguiríamos esgotá-las.
A verdade é que angústia tem fim e o seu fim pode ser melhor do que esperar pelo fim da própria vida. Sim, porque há pessoas que acreditam que só se libertarão da dor de um coração angustiado quando morrerem. Algumas chegam a buscar a própria morte. Porém é possível antecipar essa libertação, sem morte ou tragédia, tornando a solução real, presente, atual e duradoura. E essa solução está em pular no colo de Deus como uma criança pula no colo de seu pai ou de sua mãe, abraçá-lo no íntimo da alma e dizer: "Deus, estou angustiado!"
Diz um belíssimo hino cristão, escrito por Elisha Albright Hoffman e traduzida por Salomão Luiz Ginsburg (hino 345 do Cantor Cristão):
A  Jesus Cristo contarei tudo
que haja em meu peito a me perturbar;
os meus problemas, meus sofrimentos,
só Ele pode suavizar.
A Jesus Cristo, meu Mestre amado,narrarei sempre minha aflição;aos meus cuidados, meus sofrimentos,só Ele pode dar solução.
Não há angústia que seja perpétua aos pés da cruz de Cristo. NEle temos consolo, paz, perdão, abrigo. Quando olhamos a nossa dor, vemos a dor que Cristo suportou; quando pensamos em nossas limitações, contemplamos a pobreza em que Cristo viveu voluntariamente, para que "por sua pobreza nos tornássemos ricos". Cristo enxuga as lágrimas dos que o buscam, tenham elas os motivos que tiverem. Ele nos mostra a verdade, pois Ele é a Verdade (João 14.6).
Quem busca em Cristo o remédio livra-se da angústia derradeira, que irá para além do túmulo, qual seja, a angústia de não ter escolhido o caminho da Luz. Para aquela angústia não haverá remédio, pois o remédio deveria ter sido usado em vida. No além, para onde vamos, se partirmos sem Cristo, sentiremos grande angústia, só que o será para sempre. "E os filhos do reino serão lançados nas trevas exteriores; ali haverá pranto e ranger de dentes." (Mt 8:12)
Agora mesmo, enquanto lê este artigo, busque ao Senhor. Ele pode ser achado! Procure-o em oração, crendo em Sua graça. Conte todas as suas dores, abra o coração para Ele. Entregue tudo a Deus. "Lançando sobre Deus toda a vossa ansiedade, porque Ele tem cuidado de vós" ( I Pedro 5.7). Mesmo que a sua angústia já esteja fazendo aniversário, creia-me: nas mãos de Deus "o choro pode durar uma noite inteira, mas a alegria virá ao amanhecer" (cf. Salmo 30.5). E se entregar o seu coração inteiramente a Deus, recebendo Cristo como seu Senhor e Salvador, então a promessa de conforto será para toda a eternidade: "E Deus limpará de seus olhos toda a lágrima; e não haverá mais morte, nem pranto, nem clamor, nem dor; porque já as primeiras coisas são passadas." (Ap 21:4)
Aceite a sugestão. Quem escreve sabe o que é a dor de uma angústia. Mas também experimentou de perto "o consolo bem presente na angústia", experimentou a Graça de Deus. Experimente também!
"E buscar-me-eis, e me achareis, quando me buscardes com todo o vosso coração." (Jr 29:13)

Wagner Antonio de Araújo
Igreja Batista Boas Novas do Rodoanel em Carapicuiba, São Paulo, Brasil
pres. da Ordem dos Pastores Batistas Clássicos do Brasil
10/06/2012

Nenhum comentário:

Postar um comentário