Translate

quinta-feira, 3 de março de 2016

memórias literárias - 321 - O CÉU É SOBERANO

 

O CÉU É SOBERANO
 
 
321
Manhã com ventos fortes na capital paulista. Aos poucos, nuvens claras e escuras desfilam pela abóbada celeste. Passa o meio-dia e os ventos demonstram avançar do interior para o litoral. Com eles turbilhões de nuvens fortes e escuras atravessam o espaço, como soldados afoitos, destemidos, absolutamente determinados. Várias nuvens chegam em bloco. Às quatro da tarde elas escurecem o céu e, num crescendo absoluto, derramam água aos cântaros, acompanhadas por raios e por trovões. Impossível detê-las; impossível colocar-se contra o seu avanço; o máximo que conseguimos é nos precaver dos aguaceiros ou avisar-nos de que a chuva virá sem dúvida. Os céus sobre as cidades, as praias, os campos, a Terra toda, são soberanos em suas ações. Mesmo com o efeito estufa; ninguém esperava um efeito natural de "El Niño" tão forte e tão agudo como este. Impossível  deter os céus.
 
Estes céus só não dominam mais do que o Céu de Deus, o "sol nascente das alturas", nos dizeres de Lucas, o evangelista. Deus é soberano sobre os céus. Assim como os céus são soberanos sobre nós, habitantes da Terra. Deus domina sobre tudo, e Satanás, o nosso adversário, não pode passar o limite da soberania do Senhor.
 
Dizer que o CÉU domina, no sentido espiritual, é dizer que Deus é Deus e que nós estamos debaixo de Sua soberania. O que significa isso?
 
Significa que não importam as circunstâncias em que eu me encontre, Deus, em Sua soberania, pode transformá-las por completo. Foi assim em Samaria, quando o povo morria de fome. Deus revelara a Eliseu que em 24 horas a comida seria tão farta que uma quantidade imensa de cereais custaria quase nada . E assim aconteceu, conforme lemos em 2 Reis 7.
 
Significa que uma enfermidade, na vida de um cristão, só será bem-vinda quando tiver um propósito divino, seja corretivo, seja para o amadurecimento da fé, seja para um bem maior lá na frente. O Apóstolo Paulo disse que Deus respondera "a minha graça te basta" a um pedido de libertação de um "espinho na carne", 2 Co 12.9. Poderia ser uma enfermidade? Sim, pois ele diz que escrevia com letras grandes na assinatura, Gl 6.11 (talvez por problemas óticos), e que os gálatas teriam arrancado os próprios olhos para ajudá-lo, Gl 4.15 (numa provável referência ao mesmo problema). Contudo, a enfermidade segundo Deus visa a nossa humildade, a nossa correção, o nosso arrependimento e a nossa fé, Rm 8.28. Qualquer outra que não tenha essa procedência ou não cumpra esse propósito pode ser curada pelo poder da fé. E mesmo aquelas cujo propósito divino está em sua existência, podem ser debeladas, se assim o Senhor concordar, como o foi a de Ezequias, que iria morrer e ganhou mais quinze anos, conforme Is 38.5 (nos quais estragou a própria biografia).
 
Significa que um desemprego não durará para sempre. Nem uma dívida, uma demanda, uma falência, um desastre patrimonial. As crises existem, muitas de origem governamental, como as atuais, para a nossa decepção. Mas o patrimônio pode ser alterado drasticamente, sem um curso lógico, cartesiano, numa conta que use tempo e quantia linearmente. Deus está acima disto! Exemplo disto foi Jó: um rico que perdera tudo, inclusive filhos e saúde. Deus, contudo, após permitir todas esses infortúnios, refaz a vida de Jó de tal forma, através de doações não solicitadas e de solidariedade voluntária de amigos e familiares, que transformou a sua pobreza numa riqueza muito maior, dando-lhe também uma maravilhosa prole e longevidade (conforme Jó 42). Deus coloca fim às crises! E, se não as encerra, como em Jó, é capaz de sustentar um Elias, Seu profeta, numa época de fome e de sede, colocando-o à beira de uma ribeirinha, sobre a qual os corvos jogavam pão e carne todos os dias, conforme ! Como isso é possível? O CÉU É SOBERANO!
 
Significa que a obra que fazemos para Deus tem uma recompensa, ainda que ninguém a veja. A maioria dos grandes servos do Senhor são anônimos, cujos nomes nunca constarão dos anais de nenhuma igreja ou denominação, não porque não eram comprometidos com elas, mas porque não ocupavam funções de destaque. Deus conhece até aqueles que deram apenas um copo de água fria! Deus também conhece aqueles que são fiéis na lavoura da qual cuidam, das vidas para as quais trabalham, da edificação que trazem ao Reino de Deus. Conhece também cada pessoa ganha para Cristo por parte de cada servo. E sabe manter alguém no seu posto até a morte, cumprindo uma vida inteira com um único trabalho, ou destacá-la para outra seara, para outro rebanho, para outra tarefa quando assim quiser. O "passa à Macedônia e ajuda-nos!" ainda existe! Nós não precisamos usar artifícios, solicitar indicações ou pagar por oportunidades. Deus sabe usar os Seus servos quando e onde deseja, e move os céus para que o Céu prevaleça!
 
Enfim, significa que o Céu providencia salvação imutável e que jamais se deteriora para todo aquele que crê no Soberano Nome de Jesus Cristo. Sim, a salvação de Cristo não se perde nunca, jamais;  ela é para sempre, para toda a eternidade, independentemente das circunstâncias! Isto não significa que os que vivem deliberadamente para o pecado podem ser salvos; de forma alguma! Como lemos em Romanos 6.2, quem já morreu para o pecado como viverá para ele ainda? Mas significa que nada poderá nos separar do amor de Deus, que está em Cristo Jesus! Quem é salvo pelo nome de Cristo tem a garantia de vida eterna e de salvação; não vive em pecado, mas "SE pecarmos, temos um Advogado perante o Pai, Jesus Cristo, O JUSTO". Aleluia! O nosso advogado é JUSTO! E dirá: "Pai, eu morri por ele; eu paguei por ele; eu intercedo por ele". "Se confessarmos os nossos pecados, Ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça, I João 1.9.
 
O CÉU é soberano sobre as nossas vidas! Aleluia! Os céus da Terra nos trazem essa lição! Que olhemos firmemente para Aquele que é o dono do Céu, o nosso Deus trino, Pai, Filho e Espírito Santo, para quem seja toda a glória!
 
Pr. Wagner Antonio de Araújo
03/03/2016

Nenhum comentário:

Postar um comentário