Translate

terça-feira, 12 de julho de 2016

memórias literárias - 345 - REAÇÃO NECESSÁRIA OU O EVANGELHO EFICAZ


 

 
REAÇÃO
NECESSÁRIA
ou
O Evangelho Eficaz
 
345
Lembro-me de ter precisado do sal de frutas para uma emergência estomacal. Coloquei duas colherinhas no copo de água. Qual não foi a minha surpresa quando percebi que não reagiu. O vidro era de sal de frutas, mas o conteúdo não; era talvez um açúcar antigo. Abri o outro vasilhame e usei a mesma água:  funcionou! Ali estava o bom e velho sal de frutas, que reage à água, transformando-a num antiácido eficaz.
 
Pensei no evangelho e no seu poder transformador na vida do homem, principalmente da minha. Assim diz a Bíblia: "E assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo". II Co 5.17.
 
Relembramos dessa eficácia no último domingo, junto com os irmãos em nossa igreja. Shiro recordou-se de um homem cujo nome não ficou na lembrança. Aos dezessete anos ele trabalhava num empório e esse homem aparecia sempre, pedindo pinga. Bebia até cair. Sua esposa, resignada, vinha buscar-lhe arrastando-o para casa. Um dia ele entrou na venda e não pediu aguardente. Pelo contrário,; junto da esposa fez compras de víveres. E daquele dia em diante não mais bebeu. Todos indagavam: "o que houve com ele?" E a resposta circulava: "virou crente".
 
Dival lembrou-se de seu sobrinho. Um jovem muito talentoso e querido. Quando recebeu em seu coração a Cristo como Salvador, tornou-se preocupado com a salvação dos que precisavam. Então orava e meditava, pensando em quem mais precisava de Cristo naquele dia ou semana. Lembrando-se de algum colega ou algum conhecido, mesmo que distante, deixava sua casa, ia até a pessoa, falava-lhe de Jesus e colhia diversas pérolas para Deus, conduzindo-os ao Salvador.
 
E eu lembrei-me de meu velho pai. Um homem difícil, bravo, briguento. Chegou a trocar tiros com o próprio irmão, numa disputa por herança. Graças a Deus ambos eram ruins de tiro, mataram apenas umas galinhas, sem acertarem-se. Mas meu pai converteu-se a Cristo. Doente, cego e verificando que o Senhor em breve o levaria, contratou um motorista pessoal e foi até a casa das pessoas a quem julgava dever alguma coisa, para reconciliar-se. Lembrou-se do próprio irmão. Foi até Camanducaia, no sul de Minas Gerais. Ali, na casa do Tio Zé, contou-lhe que convertera-se a Cristo e que precisava pedir perdão. Meu tio, emocionado, pediu para que o meu pai tocasse em sua perna. Estava cortada, pois também a diabete havia ceifado o membro. E disse: "Tonho, eu também sou crente". E ambos, emocionados, reconciliaram-se.
 
O evangelho de Cristo é assim: ele reage no coração do pecador, transformando-o em nova criatura. Ao abatido soergue; ao cansado restaura; ao violento apazigua e acalma; ao pecador corrige suas faltas. O evangelho de Cristo é eficaz no coração do perdido. O verdadeiro evangelho tem que transformar, não apenas num processo sedimentar de melhorias que nunca atingem com profundidade. Não é uma camada de verniz; é um antiácido que transforma água em remédio. É uma transformação, uma metamorfose. Quem xingava não xinga mais; quem roubava não rouba mais; quem se prostituia ou fornicava não o faz mais; quem era idólatra abandona os ídolos; quem invocava os mortos não invoca mais. Quem não temia a Deus agora teme.
 
A questão que se impõe é: o evangelho no qual você diz crer lhe transformou ou apenas sujou a água? Se não houve reação de vida, creia-me: o seu evangelho não é o de Cristo. Ou a água não presta ou a mensagem não é a verdadeira. Diante do evangelho não há como não reagir. Paulo chama-nos de "bom perfume de Cristo", dizendo que, ou reagimos positivamente ao aroma, ou negativamente. Ou é cheiro de vida e nos transforma, ou nos afasta de Deus e nos identifica como inconversos inverterados.
 
Há muitas igrejas, muita gente a louvar, a cantar, a gravar cds, a fazer congressos, a falar em línguas estranhas, a emitir supostos poderes e a emocionar-se em eventos religiosos. Contudo, não há transformação de caráter, não há mudança de vida, não há reconciliação, arrependimento, fé, desejo de obedecer. Esse não é o evangelho de Cristo. Trata-se de falsificação barata, verniz, puro emocionalismo que não atinge o âmago do coração do homem. O Diabo ama esse tipo de evangelho e igreja, pois leva ao engano e à falsa consciência, simulando algo que, de fato, não aconteceu. Satanás gosta de cristianismo assim e até investe ardorosamente nele.
 
O verdadeiro evangelho transforma e a este Satanás odeia. O verdadeiro evangelho me transformou! Eu era cego espiritualmente; hoje vejo! Eu achava que poderia ser salvo; não poderia. Fui convencido do meu pecado e conduzido ao Calvário de dor, onde Jesus morreu na cruz por mim. Ali Ele pagou pelos meus pecados e estendeu-me a Sua mão. Recebi-o no coração como Senhor e Salvador. Eu fui salvo. A ressurreição de Cristo atingiu-me e eu ressuscitei por dentro também! Eu fumava e fui liberto. Eu me embriagava e fui transformado. Eu me achava feliz nos bailes e abandonei-os, passando a ser feliz no Reino de Deus e para sempre! Eu adorava ídolos de gesso e barro e abandonei-os. Eu invocava os mortos e rejeitei-os. Eu tinha medo do inferno e agora tenho prazer na certeza do Céu. Não por meus méritos, mas porque o amor de Deus me alcançou e me prometeu um lar na glória, através de Cristo. Hoje Jesus me conduz e eu não posso viver sem Ele. Cristo reagiu neste miserável coração.
 
Espero que o verdadeiro evangelho já lhe tenha transformado. Se ainda não, experimente-o agora, rendendo-se a Cristo pela fé, em oração.
 
"Se com a tua boca confessares a Jesus como Senhor, e em teu coração creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos, serás salvo" Romanos 10.9
 
Wagner Antonio de Araújo

12/07/2016

Nenhum comentário:

Postar um comentário