Translate

domingo, 31 de julho de 2016

memórias literárias - 352 - QUANDO DEUS PASSAR A RÉGUA


 
QUANDO DEUS
PASSAR A RÉGUA
 
352
"Passar a régua", nos ditos populares, é encerrar um processo, uma conta, uma situação, um trabalho, um pagamento. É o fim. Quando se passa a régua na agenda é porque o dia terminou. Quando se passa a régua nas contas é porque terminou o pagamento ou encerraram-se os recebimentos.
 
O que passei nos últimos três dias fez-me lembrar de que, no dia em que Deus passar a régua em minha vida, não haverá mais o que fazer. Encerrou-se uma vida, uma carreira, um combate. O que tinha que ser feito já foi. O que tinha que se fazer não será mais feito, pelo menos por mim. A carreira se encerrará.
 
Ontem, sábado, 30/07/2016, estive no culto promovido pela UNIJOB, os jovens de nossa igreja. Serginho organizou e recebemos visitas de outras igrejas queridas (Missão Vida, Nova Vida e Sinai). Eu, acamado e sem forças para me levantar, fui auxiliado pela esposa. Com esforço tomei banho, coloquei o terno e fui para a igreja. Elaine dirigiu. Eu me encontrava tão fora de mim que não percebi nem quando entrei e nem quando saí do carro. Eu me vi na igreja. Minha pele amarela. Minha cabeça caída. Sentado no banco da capela. As pessoas vinham, eu queria abraçá-las, festejar com elas a presença e o culto, mas não havia forças. Queriam que eu orasse, mas não havia como. Pediram para eu dar uma palavra, mas não saía nada. Eu me encontrava muito doente.
 
Eu não sou assim! Se dependesse de mim teria feito grande festa. Teria falado, cantado, recepcionado, abraçado, orado, enfim, procuraria ser eu mesmo. Mas ali, sentado, doente, sem energia, sem força, com dores extremas na barriga, com o fígado lançando seu fel na minha boca, sem alimentação, eu não era eu. A voz se calou. O trabalhador parou. O cantor silenciou. O pregador encerrou sua prédica. O anfitrião não correspondeu. Claro que todos entenderam a minha quietude e oraram por mim. Eu decidi estar no culto assim mesmo porque há dois meses orávamos pela sua celebração. Mas eu era apenas uma sombra, pois não tinha forças.
 
Hoje eu estou 25% melhor, mas ainda febril, com calafrios e com alimentação mínima, para não desfalecer. Não preguei; rodei uma pregação da Lorena, uma de nossas jovens. Gravei-a na outra quarta-feira. Eu gravo muitas coisas. Há muito tempo tenho cultos gravados. Meus jovens cresceram, tornaram-se adultos, mas o que fizeram na Casa de Deus ficou registrado. Deus também filma, não com nossas câmeras que se tornam obsoletas, mas com Sua mente que é onisciente. Ele conhece tudo o que fizemos em Sua Obra. E também o que não fizemos...
 
Depois, ao encerrar o culto, instei com a congregação a ver em mim o futuro de todos nós. Quando Deus passar a régua na nossa vida, dizendo: basta, está na hora de parar e ir, não haverá segunda chance. Não se trata de querer, de ter vontade; quando a régua for passada, não seremos mais os que decidem; Deus decidiu por nós. Somos mortais. Somos limitados. Somos temporários. Não somos capazes de evitar o fim quando este chegar.
 
Agosto está chegando e, com ele, trinta e uma oportunidades de fazer dele um mês consagrado a Deus. Aliás, é o marco para o início do final do ano. Será que já nos planejamos? Será que temos algum plano para a vida até lá? Será que, como ensina a Bíblia, priorizaremos o Reino de Deus e toda a sua justiça? Ou apenas viveremos como os demais, com vidas medíocres que só pensam em comer, beber, ter lazer, se divertir, deixando o mais importante para quando der, isto é, para nunca?
 
Por que não desejar e empenhar-se por levar uma vida para Cristo neste mês de agosto ou até o final do ano? Por que não consagrar a Deus a parte que Ele determinou dos nossos ganhos no sustento de Sua obra? Por que perder os cultos de nossa igreja? Seria tão bom que todos tivéssemos, ao longo de agosto e até o final do ano, vidas dedicadas! Ao invés de perdermos tempo em esportes dos outros, que buscássemos a Deus através da oração e da leitura bíblica! Que nos consagrássemos ao trabalho do Senhor nas diversas áreas em que Ele nos capacitou, mesmo que seja apenas algo pequeno aos nossos olhos. Deus, quando passar a régua, não dará tempo para terminarmos o que deixamos pela metade.
 
Deus está nos filmando. Ele registra tudo. Diz-nos a Bíblia que bem-aventurados os que morrem no Senhor, porque suas obras os acompanharão. Daqui nada levaremos, nem tecnologia, nem riquezas, nem pessoas, nada. Mas o que fizemos, isto sim: está nos registros eternos da Memória de Deus. Por que não construirmos memórias boas de uma vida santa, consagrada e dedicada, deste agosto até o final do ano? Por que não darmos tudo de nós neste afã?
 
Eu quero. Quero celebrar o culto doméstico todos os dias aqui em casa. Quero manter-me na leitura da Bíblia e na oração pessoal. Quero evangelizar e levar ao menos uma vida para Cristo neste mês de agosto. Quero dar para Deus tudo o que puder: voz, pernas, pensamentos, escrita, tudo. E não quero faltar nos cultos e nos compromissos assumidos. Quero manter as minhas contas em ordem, não dever nada para ninguém e fazer uso do cristianismo prático, dando o pão a quem tem fome, roupa a quem está nu, visitando o enfermo e o encarcerado, o ombro ao que chora e a presença a quem está solitário. Que Deus me ajude.
 
Porque, do jeito que estive ontem, e do jeito que estou hoje, vislumbrei como será no dia em que a régua de Deus for passada em minha vida: não haverá mais voz, vez, presença, sorriso, atividade. O que foi, já foi. Não haverá mais obra a fazer. Por isso, quero trabalhar para o Senhor enquanto posso.
 
E você?
 
Que Deus nos abençoe. Agora vou tentar repousar um pouco, pois a febre voltou.
 
Wagner Antonio de Araújo
31/07/216, 22h56m

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário