Translate

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

memórias literárias - 04 - O PORÃO


04 - O PORÃO


- Telefone pra você, Caio!
- Já estou indo, mamãe! - Caio corre até o telefone, para atender ao Renan:
- Olá, Renan! E aí, tudo certo pra daqui à pouco?
- Sim - responde Renan - Já estou com o jornal do meu pai e o almanaque dos países europeus. Em meia hora estarei aí. Caio, a Vivi já confirmou?
- Não, Rê, vou ligar pra ela agora. Até mais!
- Até.
Caio pega o seu caderno de escola, abre na última página e vê o telefone das garotas da "8a. E", a sua classe. Ele é um garoto muito bonito, e, como tal, cheio de pretendentes para daqui alguns anos.
- Vera, Vilma, Vitória, humm..... tá aqui: Vivi: 7896-7644.
Está tocando. Ela atende:
- "Oi, aqui é a Vivi. No momento não posso atender. Mas deixe o seu nome e o seu número de telefone que em breve ligarei. Obrigado..."
Caio sabe que ela está lá e grita:
- Vivi, pare de ser chata, atende o telefone! Vivi! Vivi! VIVI!!!
- Não precisa gritar, eu não sou surda! - responde Vivi - o que você quer?
- Tudo certo pra daqui à pouco?
- Tudo. A Sheila já fez a lista do pessoal da classe e eu do pessoal da igreja.
- Ótimo. Agora só falta confirmar com o Cássio...
Toca a campainha. Caio diz:
- Tá confirmado, Vivi, o Cássio chegou. Te vejo daqui a 20 minutos.
- Tudo bem. Até.
Caio recebe Cássio:
- E aí, Cacá, tudo bem? Trouxe?
- Claro! - ele mostra uma fita de videocassete. - Gravei o jornal da tarde. Tem tudo que a gente precisa.
- Ótimo. MAMÃE, a gente pode ir pro porão?
- Não façam bagunça, que eu não sou empregada de vocês pra ficar arrumando a casa todo dia...
- Tudo bem, mãe!
Os dois descem. São 15 degraus até lá, um porão subterrâneo, que o seu pai tinha construído pra guardar as tranqueiras, mas que Caio, com muito custo reinvindicou para si como o QUARTEL GENERAL. O pai protestou, mas decidiu deixar seu filho usá-lo por enquanto.
Um porão bem arrumado, bem rebocado e pintado, com respiração direta do quintal lá em cima. Na parede um grande mapa-mundi, na outra fotos de crianças da Índia, Etiópia, Guatemala e favelas. Na outra uma cartolina toda marcada, com os dias da semana anotados à caneta. ao redor da mesa cinco cadeiras, quatro cadernos e quatro bíblias velhas.
- Só falta a Vivi, a Sheila e o Renan chegarem, Caio.
- É. Hoje temos muito o que fazer! O General conta conosco e nós não podemos falhar em nossa missão!
Ouvem-se passos pela escada. Os garotos olham ansiosos: são os dois coleguinhas, Renan e Viviane.
- E aí, galerinha? Chegamos! A Sheila não vem, viu? Ela teve que sair com a mãe dela comprar um peru pro Natal.
- Que vocês chegaram já deu pra perceber! Agora, que chato que a Sheila não pode vir! - Diz Cássio.
Cada um procura a sua cadeira ao redor da mesa. Levantam plaquinhas de identificação junto de si. As plaquinhas foram feitas pelo irmão da Viviane. São bonitas, parecem da Marinha Americana. Seus dizeres:
* Cáio: Comandante
* Viviane: Serviço Secreto
* Renan: Inteligência
* Cássio: Conselheiro
* Sheila: Comunicações
Caio toma a frente e começa a reunião:
- Pessoal, estamos com uma missão urgente! A Argentina entrou em colapso, as pessoas perderam o emprego, vão passar um péssimo Natal, as crianças estão tristes e o governo está perdido. O mundo está preocupado e precisamos fazer alguma coisa específica hoje!
- Concordo - Diz Renan.
- Eu também, fala Vivi. Cássio só acena com a cabeça.
Caio então passa a palavra a Vivi. Ela diz:
- Gente, eu fiquei sabendo que em nossa classe tem 4 alunos que estão sendo obrigados pelos pais a freqüentarem um centro de umbanda, e estão desesperados, porque detestam aquilo! Eu tenho falado de Jesus pra eles e parece que estão aceitando a mensagem!
- Nossa, Vivi, que situação terrível! Os pais não podem obrigar os garotos a se envolver com os demônios! Temos que falar com o General!
- APOIADO! - gritaram todos.
A seguir o Renan abre o almanaque que trouxe, abre no verbete AFEGANISTÃO e diz:
- Pessoal, o país é pobre, tem muitas tribos, eles não têm o que comer, a Rússia voltou lá pra ajudar na alimentação e eles não permitem que se abram igrejas no país. Temos que falar com o General!
Mais um APOIADO!
Cássio então coloca a sua fita no velho videocassete do porão e todos passam a assistir o Jornal da Tarde. No programa, todas as reportagens nacionais e internacionais. Tiroteios, crianças com fome, governos opulentos, idolatria, comemorações natalinas mundanas, os gols do Ronaldinho na Itália.
Caio diz:
- Renan, hoje é a sua vez de falar com o General.
- Tudo bem. Todos em posição de sentido!
Então, com as cabecinhas abaixadas, mãos em posição de oração, todos acompanham as palavras desse garoto de 11 anos:
- Jesus, aqui é o Renan. Aqui comigo estão Caio, Viviane e Cássio. O Senhor vai bem? Que bom, porque a gente sabe que o Senhor está ótimo. Jesus, precisamos de sua ajuda. A Vivi vai falar sobre o problema da Argentina:
Vivi, com a cabeça abaixada e olhos fechados, diz:
- Senhor, eles estão sofrendo muito! As crianças estão sem comida, seus pais sem emprego, deve ter muitos cristãos ali pedindo que o Senhor socorra suas famílias. Ah, Jesus, por favor! Dá um jeito! Coloca no coração dos chefes daquele país uma solução! Dá comida, trabalho, paz e prosperidade pra eles! E, acima de tudo, ajuda que os cristãos falem de ti para as pessoas que moram ali!
E todos dizem "Amém".
Renan continua:
- E agora, Jesus, nosso General, o Cássio vai falar do Afeganistão:
- Pois é, Jesus, Senhor, a coisa lá tá difícil; eles estão com as pernas amputadas pelas minas que os russos fizeram, o Bin Laden fugiu e a comida acabou. Ah, Senhor, a gente tem tanto aqui, mas não sabe como fazer pra comida chegar lá! Ajuda eles, General! E tem mais um probleminha: eles não deixam falar de ti pra ninguém! Muda o coração deles, Jesus! E se precisar de mim, estou pronto pra ir lá falar do teu amor...
Um "Amém" cheio de confiança. A Vivi sussurra:
- Você vai mesmo, Cássio?
- Se Ele quiser eu irei sim, Vivi. Mas fica quieta que a gente tá orando!
- Tá - desconcertada, volta a fechar os olhos.
- Senhor - continua Renan -, a Viviane também tem uma coisa importante pra falar. Fala, Vi...
- Jesus, como que a gente faz pros pais dos nossos 4 colegas não obrigarem eles a irem pro terreiro de umbanda? Eles estão indo todo dia lá, têm que bater atabaques, tocar berimbau, eles tem que ver gente estrebuchando, gritos, cheirar aquelas coisas fedidas, eles estão com medo, Senhor! O que a gente faz? Ajuda a gente a ajudar a eles!
Outro amém. Por fim, Renan conclui:
- General, obrigado por mais um encontro do nosso quartel general. Amanhã, se o Senhor permitir, a gente volta. E esperamos trazer novidades boas! A bênção, Senhor!
E todos dizem: "Amém"!
Quando abrem os olhos, eles se assustam, mas abrem um lindo sorriso unânime: têm a impressão de terem visto alguém junto à porta, olhando para eles, com um sorriso meigo e gracioso. O interessante é que todos viram isso, e viram asas nessa pessoa:
- Você viu o que eu vi, Caio?
- Noooosssa! Que "da hora"! Acho que era um anjo!
- Foi 10! - Diz Renan.
- Era um anjo de verdade, Caio! E dos grandões! Seria um querubim? - pergunta Renan!
- Sei lá! Só sei que estou todo arrepiado!
- Gente, vamos brincar? - Pergunta Vivi.
- VAMOS!
Apagam a luz do porão e sobem pra tomar chocolate com bolachas.
E o porão volta a ficar vazio, porão que virou palco de fantasias de crianças.
Fantasias?

"Vede, não desprezeis a nenhum destes pequeninos; pois eu vos digo que os seus anjos nos céus sempre vêm a face de meu Pai, que está nos céus. (Mt 18.10)
"Pois onde se acham dois ou três reunidos em meu nome, aí estou eu no meio deles."(Mt 18.20)
"e disse: Em verdade vos digo que se não vos converterdes e não vos fizerdes como crianças, de modo algum entrareis no reino dos céus."(Mateus 18.3)
"O anjo do Senhor acampa-se ao redor dos que o temem, e os livra." (Sl 34.7)
"Ainda vos digo mais: Se dois de vós na terra concordarem acerca de qualquer coisa que pedirem, isso lhes será feito por meu Pai, que está nos céus. (Mt 18.19)

Pr. Wagner Antonio de Araújo
Igreja Batista Boas Novas, Osasco, SP

Nenhum comentário:

Postar um comentário