Translate

quarta-feira, 5 de junho de 2013

memórias literárias - 86 - 5 x 5 - RECOMENDAÇÕES AO PASTOR E À IGREJA

86 - 5 x 5
Mensagem: 5 x 5 - RECOMENDAÇÕES AO PASTOR E À IGREJA
Pregador: Wagner Antonio de Araújo
Local: Igreja Batista Central de Lins, São Paulo, Brasil
Ocasião: posse pastoral do Pr. Gidalth Pereira de Souza
Data: 01 de junho de 2013, 19:30 horas
obs: esta pregação foi filmada e está nos seguintes links:
Parte 1
Parte 2
INTRODUÇÃO
Hoje, nesta hora tão feliz de posse de seu pastor, vemos o coroamento do processo de escolha. A igreja orou, pesquisou, convidou, combinou, agendou e agora recebe o seu pastor, dando-lhe a posse no pastorado. O nosso sincero desejo é que o Pastor Gidalth Pereira de Souza seja tremendamente feliz em seu pastoreio e que a igreja continue a dar graças por escolha acertada.
Contudo, algumas coisas são necessárias para que essa posse seja um casamento feliz. Houve o namoro (a busca do pastor), o noivado (os acertos e todo o processo) e hoje é o casamento. Dentro de alguns instantes começará a lua-de-mel e posteriormente a rotina de um ministério estabelecido.
Quero denominar esta mensagem de 5 x 5, CINCO RECOMENDAÇÕES AO PASTOR E À IGREJA. Não são apenas conselhos, mas determinações divinas para que igreja e pastor sejam felizes. Aliás, a Palavra de Deus não nos foi outorgada para ser discutida mas para ser obedecida. Isso lembra-nos o filme A JORNADA, evangélico, que descrevia a experiência de um professor em 1890, num seminário, que queria publicar um livro de ensinos morais cristãos. Um professor foi contra, dizendo que de nada adiantaria ensinar moral cristã sem dizer que as coisas devem ser assim porque a Palavra de Deus nos diz. Moral sem o "assim diz o Senhor" não passa de discussão de opiniões. Assim também nós aqui, não estamos a dar conselhos de opiniões, mas falando sobre o ASSIM DIZ O SENHOR.
I - 5 RECOMENDAÇÕES BÍBLICAS PARA O PASTOR (2 Tímóteo 4.1-5)
1) PREGA A PALAVRA
Parece redundante, banal, mas a verdade é que a Bíblia tem sido abandonada nos púlpitos, trocada por livros de auto-ajuda, crescimento de igreja ou projetos megalomaníacos, ocupando o espaço das Escrituras Sagradas. Um pastor verdadeiramente vocacionado e chamado deve pregar o que Deus falou e não aquilo que alguém achou. Um ministério pastoral verdadeiro precisa de uma âncora de fé, o ASSIM DIZ O SENHOR, não de púlpitos propagadores de opiniões diversas.
INSISTA, INSTA - Se o irmão quiser encher a igreja de pessoas assistentes, pregue a mentira, invente curas divinas mentirosas ou prometa fantasias e terá uma igreja imensa. Mas se quiser a bênção de Deus seja fiel às Escrituras, ainda que o seu rebanho não seja grande. Afinal, Deus não nos chamou para sermos grandes, mas para sermos fiéis. Diz a Escritura: Não temais, ó pequeno rebanho, porque a vosso Pai agradou dar-vos o reino. (Lc 12:32); e também: Conheço as tuas obras; eis que diante de ti pus uma porta aberta, e ninguém a pode fechar; tendo pouca força, guardaste a minha palavra, e não negaste o meu nome. (Ap 3:8). A porta nunca foi larga para o verdadeiro ministério pastoral. Por isso, insista na pregação da Palavra de Deus!
Um pastor não está na igreja para entreter bodes, mas alimentar as ovelhas com o pão da vida. Um pregador moderno acusou recentemente um pastor conservador de servir pão dormido para a igreja e que ele, moderno, tinha pão fresco todos os dias. O velho pastor respondeu: pão fresco é bom, mas desde que feito de trigo e não de joio....
REPREENDA - Não pense que agradar pecadores fará do irmão um pastor vitorioso. Pelo contrário, trará a ira de Deus sobre si e o transformará em inimigo do Senhor. O verdadeiro pastor repreende. Ao jovem fornicário deve ser dito que isso é pecado. Ao adúltero deve ser dito que está incorrendo em erro. Ao funcionário deve ser ensinado que precisa trabalhar bem como que para agradar a Deus. Ao patrão deve ser dito que seja bom e genersoso para com o funcionário. Ao filho deve ser ensinado que honre seu pai e sua mãe. Aos jovens deve ser dito que respeitem os mais velhos, e a estes deve ser ensinado que dêem exemplo aos mais jovens. Às mulheres deve ser pregado que vivam respeitosamente, e aos homens que as respeitem sempre.
EXORTA - Exortar é encorajar, fortalecer, abraçar carinhosamente provocando a força para continuar. E admoestar é corrigir, com amor, carinho, mas com firmeza. É para isso que pastores devem ser presentes e sempre pontuais.
2) SÊ SÓBRIO
Sobriedade está para não embriagar-se. Certamente que o irmão não é dado ao álcool, que embriaga e tira a inteligência e o controle emocional. Mas além do álcool há outras maneiras para que um pastor embriague-se e o irmão deverá a todo custo evitá-las e não cair em suas tentações.
Há a embriaguês do deslumbramento diante do crescimento de outros em detrimento do seu. Alguém publica uma notícia de certa igreja que cresce avassaladoramente ou do fácil desenvolvimento de certos planos mirabolantes de discipulado e o irmão vê-se contagiado pelo desejo de implantar mudanças radicais em seu ministério. Cuidado, colega! Isso também é falta de sobriedade! A receita de uma boa igreja está na Bíblia e ela nos basta; não precisamos de novas revelações.
Não perca o controle! É comum após algumas férias ou a participação em algum congresso querermos voltar e mudar tudo, tentando fazer em um mês o que não fizemos em um ano. Cuidado! Tudo  tem o seu tempo adequado, já dizia a Palavra do Senhor. O rio tem o seu próprio ritmo, o seu próprio tempo e não vale a pena querer trabalhar demais ou de menos apenas para mudanças emocionais. Não queira construir uma casa de dois andares em dez dias pois ninguém terá coragem de morar ali, uma vez que cairá com facilidade. Construa com carvalho e não com materiais frágeis. Mesmo que demore construir um grande ministério ele será para muitos anos e não para algum tempo apenas.
3) SUPORTE AS AFLIÇÕES
O dia de posse pastoral é dia de festa, mas isso não resume o ministério. Pastorado é lágrima, é dor, é estar com o sofredor no hospital. É ouvir com o enlutado: seu pai faleceu, seu filho nasceu morto. É estar com o canceroso na cama, acompanhar o solitário, sem mãe, sem filhos, sem pais, ser amigo daquele que terminou o seu relacionamento etc. A aflição do ministério faz com que o pastor reparta o seu único dinheiro, a sua camisa, a sua vida. O pastor que não tem aflições pode ser bom gerente de empresa, administrador, narrador, animador de auditórios, mas jamais será um pastor. Ensina-nos a Palavra que devemos sorrir com os que sorriem e chorar com os que choram. Há festas também: aniversário de quinze anos, casamentos, ações de graça por prosperidade familiar etc. Porém, às vezes o pastor será esquecido, não será convidado e mesmo assim terá que manter a integridade emocional diante das humilhações que sofrer.
4) SEJA UM EVANGELISTA
Se hoje eu estou a pregar a Palavra de Deus num púlpito, é porque um pastor-evangelista decidiu distribuir folhetos na rua onde eu morava, em 1980. Ele estava de malas prontas para vir a Lins e poderia esquecer-se de evangelizar em minha cidade. Mas decidiu continuar a difundir as boas-novas de salvação. Foi até a minha casa e evangelizou-me. Ganhou-me para Cristo. Foi o Pastor Timofei Diacov que serviu para mim de evangelista e tornou-se ícone de um autêntico ganhador de almas. O irmão deve ser também um evangelista. Distribua a palavra, ainda que ninguém faça isso junto com o irmão. Deus lhe chamou para semear a Palavra de Deus, pois é ela quem mostra a salvação em Cristo Jesus.
5) CUMPRE O TEU MINISTÉRIO
Não acabe o seu ministério quando bem entender, não o termine mal. Penso eu que nós, pastores, só encerramos o nosso ministério ao dar o último suspiro. O irmão assume um pastorado para desenvolvê-lo a longo prazo. Deve imprimir uma vida de serviços, conhecer as famílias, ver cada pessoa crescer e desenvolver-se. Não importa quanto tempo leve, mas que seja completo em sua duração e desenvolvimento.
II - RECOMENDAÇÕES BÍBLICAS PARA A IGREJA (Hb 13.7,17)
1) LEMBREM-SE DO PASTOR
É responsabilidade desta igreja cuidar do seu pastor. Nada substitui o amor e o cuidado de uma igreja para com o seu obreiro é fundamental. Deve lembrar-se de repartir não apenas os momentos de dor mas também os de alegria. Não são apenas os diáconos que "cuidam da mesa do Senhor, da mesa das viúvas e da mesa do pastor", mas é responsabilidade de toda a igreja.
2) IMITE O PASTOR
A igreja deve imitar a fé que o seu pastor tem no Senhor. Não apenas nos momentos agradáveis, de rotina, mas vê-lo a enfrentar as lutas, as interpéries, o luto, as enfermidades, as necessidades. Deve a igreja buscar fazer de forma semelhante (desde que o obreiro esteja seguindo o exemplo da Palavra de Deus e esteja se comportando biblicamente).
Lembro-me de um testemunho que ouvi. O pastor solicitou, numa assembléia, um aumento salarial. Um irmão no plenário protestou contra isso e o obreiro retirou imediatamente o assunto da pauta. Na outra semana a esposa desse irmão foi internada em estado grave. O pastor correu ao hospital, deu toda a assessoria e fez a companhia necessária, pagando-lhe lanches e provendo-o do que necessário. A irmã sarou e logo passou-se o tempo. Uma nova assembléia chegou e aquele irmão levantou a mão para sugerir um assunto. O pastor temeu e antecipou-se, dizendo que não havia assunto salarial para tratar. Mas o irmão disse: "mas eu quero retratar-me, pois estava errado; não imaginava o quanto o irmão era solidário e o quanto repartia o que tinha; eu proponho que seja aumentado e peço perdão pelo que fiz anteriormente".
Deve a igreja estar atenta às necessidades de seu pastor. Ensina-nos a Escritura Sagrada:Os presbíteros que governam bem sejam estimados por dignos de duplicada honra, principalmente os que trabalham na palavra e na doutrina; (1Tm 5:17)
2) OBEDEÇA O PASTOR
Os irmãos o convidaram para dirigir a igreja; então aceitem a sua orientação, desde que esteja fundamentada na Palavra de Deus. Como diz a Escritura, "Porém, respondendo Pedro e os apóstolos, disseram: Mais importa obedecer a Deus do que aos homens." (At 5:29). Se o pastor estiver fundamentado na Palavra de Deus, devem obedecê-lo.
3) SEJA SUBMISSA AO PASTOR
Obedecer é quando há uma concordância; submeter-se é quando se faz por responsabilidade e por compromisso. Mesmo que as opiniões sejam diferentes, se não estiver infringindo as Escrituras, deve uma igreja seguir com o seu pastor. Se o pastor orientar um casamento, uma vocação, um conselho, se ele apontar um caminho, deve a igreja e os membros atentar para essas orientações. Deus o colocou como pastor e como autoridade eclesiástica.
4) ALEGRE O PASTOR
Sou pastor de uma pequenina igreja de 28 membros. Não temos centenas ou milhares. Eu os amo. A Igreja Batista Boas Novas do Rodoanel está em meu coração. Hoje, quando tantos tentam ostentar virtude ou influência pelo número de adeptos (gabam-se e orgulham-se diante dos outros colegas, denominação ou igrejas por pastorearem tantas pessoas), devemos compreender que não cabe a nós escolher o número de pessoas ou as condições de uma igreja, pois elas não pertencem ao pastor. A seara não é nossa, as igrejas não são nossas, a semente não é nossa, as pessoas não são nossas. Se o Mestre disser: vá pastorear 2 pessoas, deve o pastor obedecer. Devemos ser os melhores pastores, tenham as nossas igrejas o número de pessoas que tiverem. Que os membros possam dizer: temos em nosso pastor tudo o que precisamos num lider espiritual bíblico.
Uma igreja que valoriza o seu pastor transforma o seu ministério numa alegria e não num peso extremo, num aborrecimento contínuo. Igrejas que estão bem possuem boa comunhão e um dos sintomas é não querer deixar as dependências após o término dos cultos; continuam a conversar, a manifestar alegria na comunhão. Quando as coisas não vão bem o culto mal termina e não há mais viva alma presente.
5) NÃO MASSACRE O PASTOR
Não é bom que o pastor exerça o ministério com amargura. Não é bom trazer dissabor e peso ao pastor. O texto do verso 17 diz que o pastor apresenta cada membro na presença de Deus e que não é bom que ele o faça com tristeza. A Bíblia diz que "aquele que não ama ao seu irmão a quem vê, não ama a Deus, a quem não vê", e aquele que não é capaz de fazer com que o pastor tenha um ministério alegre por sua presença, talvez ainda não tenha nascido de novo e não seja uma ovelha do Senhor.
Hoje o Pr. Gidalth viverá a lua-de-mel. Todos o buscarão para almoçar, tomar café, visitar, passear. Um momento maravilhoso. Até discutirão para terem o pastor consigo. O tempo, contudo, passará e os convites, almoços e encontros serão mais escassos e muitos até cessarão. É bom, entretanto, que a igreja lubrifique o amor e o relacionamento com o pastor com comunhão, com diálogo, com oração, com sinceridade, fundamentados na Palavra do Senhor.
CONCLUSÃO
Assim, com a graça de Deus e com a orientação bíblica, cremos que o pastor fará um grande e profícuo ministério. Tais recomendações serão preciosas, caso praticadas. Para não nos esquecermos, citemos novamente os seus ítens:
I - RECOMENDAÇÕES AO PASTOR
1) PREGA A PALAVRA
2) SÊ SÓBRIO
3) SUPORTE AS AFLIÇÕES
4) SEJA UM EVANGELISTA
5) CUMPRE O TEU MINISTÉRIO
II - RECOMENDAÇÕES À IGREJA
1) LEMBRE-SE DO PASTOR
2) OBEDEÇA O PASTOR
3) SEJA SUBMISSA AO PASTOR
4) ALEGRE O PASTOR
5) NÃO MASSACRE O PASTOR
Que Deus nos abençoe.
Wagner Antonio de Araújo
OPBCB 001 - presidente
Igreja Batista Boas Novas do Rodoanel, Carapicuíba, São Paulo, Brasil

Nenhum comentário:

Postar um comentário