quinta-feira, 19 de março de 2020

memórias literárias - 860 - DISTRAÇÕES

DISTRAÇÕES
860
Enquanto o inimigo virótico penetra nas vias respiratórias dos brasileiros, os governantes fazem guerra por panelaços, acusam outras nações como as vilãs, exibem seus egos buscando evidência nas reportagens e deixam a pandemia tomar proporções trágicas. Que falta nos fazem homens e mulheres estadistas, eretos, focados no bem do país, na saúde da população, no alcance de resultados! A maioria dos políticos está distraída a contemplar o próprio umbigo!

Enquanto os trabalhadores são impedidos de cumprirem os seus compromissos profissionais, em virtude das suspensões de atividades da indústria e do comércio, demitidos ou com salários suspensos por período incerto, a vasta maioria da população ainda não parou para contribuir com o toque de recolher. Muitos estão fazendo churrasquinho nos quintais, bebendo com os amigos, assistindo pornografia na internet ou visitando-se mutuamente. Ainda não perceberam a gravidade da situação, que quanto mais tempo não nos recolhermos mais tempo daremos à epidemia, como se cada um de nós fosse um feixe de lenha na manutenção da fogueira. Distrações!

Enquanto pastores midiáticos tentam posar de heróis da fé impedindo as suas igrejas de fecharem as portas para evitar a propagação do virus, buscando um destaque de paladinos da liberdade religiosa, permitem que o virus corroa as defesas físicas de seus membros e amanhã colherão sepultamentos desnecessários. Esquecem-se que as portas do Inferno não prevalecerão contra as igrejas de Cristo e que IGREJA não é o TEMPLO mas o POVO DO SENHOR! Não importa onde se reúnam, se numa catedral, numa tenda ou em conexões de internet. Distraem-se em discussões vazias enquanto o povo clama por comunhão, pregação, oração e fortalecimento!

As distrações sempre foram uma grande arma nas mãos de Satanás. Ele sabe entreter os crentes incautos e a população mundial.

Foi por causa da distração do pecado que o mundo foi condenado ao dilúvio e só perceberam a gravidade do problema quando a arca flutuava no meio da enchente. E não o perceberam, até que veio o dilúvio, e os levou a todos, assim será também a vinda do Filho do homem. (Mt 24:39)

Foi por causa da distração que o povo de Sodoma e Gomorra deixou de olhar para o céu e verificar a enorme tempestade de fogo e enxofre que chegava; estavam muito ocupados com as suas devassidões e vidas pecaminosas. Assim como Sodoma e Gomorra, e as cidades circunvizinhas, que, havendo-se entregue à fornicação como aqueles, e ido após outra carne, foram postas por exemplo, sofrendo a pena do fogo eterno. (Jd 1:7)

Foi por causa da distração que o povo hebreu caiu na devassidão da idolatria, porque não aguentou esperar pelo regresso de Moisés do Monte Sinai. Se tivessem sido pacientes não teriam sido amaldiçoados no deserto. Mas vendo o povo que Moisés tardava em descer do monte, acercou-se de Arão, e disse-lhe: Levanta-te, faze-nos deuses, que vão adiante de nós; porque quanto a este Moisés, o homem que nos tirou da terra do Egito, não sabemos o que lhe sucedeu. (Ex 32:1)

Ah, a distração! Quantos agora estão cheios de vontade ir para as igrejas porque estão fechadas! Nunca iam, desdenhavam da Escola Bíblica Dominical, dos cultos da noite ou das reuniões de oração. Sempre tinham algo para fazer, para entreterem-se, para distrairem-se. Agora, por não poderem (ou não deverem) estão cheios de religiosidade, a mesma que levou milhões às igrejas por causa do 11 de setembro nos Estados Unidos, mas foi de pouca duração, pois as distrações voltaram! E depois chegaram também as outras virgens, dizendo: Senhor, Senhor, abre-nos a porta! (Mt 25:11)

Precisamos de crentes que não se distraiam! Precisamos de homens segundo o coração de Deus, que não tenham medo senão do pecado e que não tenham outro objetivo senão amar ao Senhor de todo o coração, buscando fazer a Sua vontade em primeiro lugar! Então dali buscarás ao SENHOR teu Deus, e o acharás, quando o buscares de todo o teu coração e de toda a tua alma. (Dt 4:29)

Agora que estamos confinados em nossas casas, quais serão as nossas distrações? Passar o dia a jogar videogame? Assistir Netflix? Acompanhar publicações políticas de toda ideologia possível? Será que passa pela nossa cabeça fazermos o que os cristãos após a ascenção de Jesus fizeram?

Todos estes perseveravam unanimemente em oração e súplicas, com as mulheres, e Maria mãe de Jesus, e com seus irmãos. (At 1:14)

Sim. Eles aguardavam a promessa do Senhor Jesus Cristo, de que o Espírito Santo viria batizá-los em poder, capacitando-os como testemunhas da ressurreição e da vida eterna. Eles seriam poderosamente visitados. Mas era preciso perseverar em oração e em súplicas. E isso fizeram. O resultado nós todos sabemos: a vinda definitiva do Espírito Santo sobre a igreja.

E nós? O que poderíamos fazer durante a nossa privação de locomoção, de passeios, de comércios e de trabalho? Eu sugiro dez coisas.

1) Manter uma vida intensa de devoção, de oração, de leitura da Bíblia e de comunhão, pois Deus leva a sério a oração de quem leva oração a sério!

2) Ler bons livros cristãos - há tanta literatura disponível, estudos bíblicos confiáveis, biografias missionárias, textos que edificam e que trazem propagação do conhecimento! Há tempo para ler!

3) Ajudar a quem precisa - sempre há um idoso ou alguém desprovido de condução, que precisa de ajuda no mercado, na farmácia, no posto de saúde, seja onde for. Os cristãos foram os primeiros na história a HOSPEDAR doentes, criando HOSPITAIS. Nós podemos dar o exemplo, buscando ajudar os vizinhos que de nós precisem, os nossos familiares, amigos e irmãos em Cristo.

4) Testemunhar do evangelho - Testemunhar é contar o que Cristo fez em nós e como nos salvou do poder do pecado e nos deu a certeza de salvação. É contar como foi que Cristo nos regenerou, nos justificou, nos deu nova vida. A fé vem pelo ouvir e ouvir da Palavra de Deus. Sejamos oráculos do Senhor!

5) Servindo em casa - há tanto o que fazer! Há roupas para lavar, louças para guardar, o chão para limpar, os móveis para manter limpos, a comida para fazer, crianças e idosos dos quais cuidar! Se estamos em casa, que sejamos úteis, cada um fazendo um pouco, cada um fazendo algo em prol da família e dos que nos cercam!

6) O culto doméstico - Enganam-se os que pensam que as leis podem fechar as igrejas do Senhor. Não podem! E aqui no Brasil ninguém quer fechar igrejas. Se não podemos nos reunir publicamente por questões de saúde pública, podemos nos reunir com a nossa família para juntos adorarmos a Deus. Podemos atender às agendas de nossas igrejas locais, que nos derem cultos on-line para participarmos. Podemos encher a nossa casa de hinos, de oração, de testemunho e de fé.

7) Olhar para frente, para cima e para Deus - Se nos distrairmos com as notícias, com as informações que chegam às toneladas, com a histeria coletiva, com o medo, com o desespero, com a angústia de não sabermos o que haverá no dia seguinte, com a queda catastrófica da bolsa de valores sucumbiremos e levaremos a família junto. Mas se formos homens e mulheres valorosos, crentes de verdade, dinâmicos, que verdadeiramente confiam no Senhor, que têm fé valorosa e autêntica, então não nos distrairemos com os pensamentos perdidos do desespero, mas seremos mais que vencedores pela nossa fé!

8) Gratidão e cultivo da alegria - Se há uma tônica na Bíblia é a de que devemos ser gratos. Gratos pela comida  - e gratos quando não temos variedades disponíveis! Gratos pelo refrigerante - e gratos quando só há água para beber. Gratos pela sobremesa - e gratos por termos uma laranja apenas (ou nem isso...). E sermos alegres porque o Senhor é quem nos sustenta. E, por pior que estivermos, estaremos muito melhores do que muita gente!

9) Manter comunhão com a nossa igreja - Não é porque os cultos públicos não estão acontecendo (e se não estão é por amor às pessoas a quem amamos e não porque o governo é inimigo do evangelho) que deixaremos a nossa comunhão, o nosso relacionamento, a nossa participação. Temos celulares, temos whatsapp, temos facebook, temos transmissões online, temos inúmeras maneiras de estarmos juntos! Conversem com seus pastores e criem maneiras lindas e únicas para este momento, que trarão saudades no futuro! E não deixemos de manter o suprimento em dia na Casa do Senhor, dentro de nossas possibilidades e fidelidade.

10) Não gastar dinheiro naquilo que não for pão - não é hora de consumir algo que não seja gênero de primeira necessidade. Agora é hora de contenção de despesas, de foco naquilo que mantém a vida, naquilo que realmente é importante. E precisamos estender a mão para quem precisar, não importa quem! Se fizermos isso Deus irá nos abençoar.

De duas, uma: ou a crise vai passar e iremos reconstruir o que for perdido, e sairemos muito mais fortes de tudo isso, ou Jesus voltará para nos levar. E aqueles que morrerem por causa do virus (e alguns de fato irão partir), creiam: Jesus Cristo nos salvou para conceder a vida eterna. Se há algo que o crente deve ter em mente é que ele sabe morrer, além de saber viver. Quer vivamos, quer morramos, somos do Senhor.

Espero ter contribuído com a reflexão de meus leitores. São as que tenho feito e por onde tenho norteado a minha conduta.

Wagner Antonio de Araújo,


do foco da pandemia no Brasil, São Paulo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

memórias literárias - 866 - A PRODUÇÃO DA PACIÊNCIA

A PRODUÇÃO DA PACIÊNCIA   E não somente isto, mas também nos gloriamos nas tribulações; sabendo que a tribulação produz a paciê...