Translate

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

memórias literárias - 403 - TELHADO DE VIDRO


TELHADO
DE VIDRO
 

403
Somos surpreendidos com notícias que jamais gostaríamos de ler. Um fotógrafo flagra um deputado conservador muito popular a xingar o filho que não votou nele na Câmara dos Deputados e a insinuar que estava praticando ilícitos. Uma conversa do pastor com uma amante é gravada e publicada, mostrando publicamente uma prostituição abominável. Um áudio de importante evangelista é detectado, gravando conversas lascivas e grosseiras. Atores são flagrados em boates e em relacionamentos espúrios e todos os dias o espanto toma conta daqueles que os admiram.
 
Telhado de vidro! Ah, como é difícil! Jesus já alertava para este grande mal aos fariseus: Pois atam fardos pesados e difíceis de suportar, e os põem aos ombros dos homens; eles, porém, nem com o dedo querem movê-los; (Mt 23:4). Cristo falava com os religiosos judeus mais conservadores, que mantinham uma aparência de profunda santidade, mas escorregavam em suas vidas pessoais. A perplexidade é profunda. Lembro-me com tristeza do dia em que soube do comportamento de um meu ex-pastor. O que eu vi e soube não condizia com o que ele pregava e com o que a Bíblia ensinava. Eu não deixei o Caminho porque era convertido de fato e não vivia uma mera paixão religiosa. Quem é de Jesus não desiste do Senhor. Por causa do pecado dos homens o Senhor não deve ser abandonado. Nem o Senhor e nem a Igreja do Senhor.
 
Telhado de vidro é fazer aquilo contra o que se prega, é ser exatamente aquilo que condena. Telhado de vidro é ficar desconfortável quando a vida pessoal é descoberta. Telhado de vidro é não passar pelo teste da integridade pessoal. Será que temos telhado de vidro?
 
Numa época em que tudo é um reality show, um espetáculo público, onde queremos ver o que a pessoa faz no banheiro, o que conversa na cozinha ou o que escreve no whatsapp, como seria a cena se os flagrados fôssemos nós? Estaríamos em paz ou teríamos igualmente um telhado de vidro? Pensemos:
 
Quando dirigimos o carro, sozinhos; será que a nossa boca continua a ser cristã ou reagimos muito mal diante das barbeiragens dos demais condutores? Será que as nossas palavras seriam dignas de uma gravação ou nos causariam constrangimento? No telefone, quando conversamos com a namorada, com um amigo, com o chefe ou com um amigo; será que a nossa conversa poderia ser divulgada, ser publicada, ou transformaria a nossa vida num inferno? Será que, durante a prosa, estaríamos tecendo comentários danosos sobre a pessoa alheia, confessando pecados tão terríveis que escandalizariam a família e a igreja ou mostrando um espírito terrível de juízes implacáveis contra quem demonstramos um suposto carinho?
 
Somos todos susceptíveis a isto. Os grandes proprietários da mídia eletrônica, como os administradores do facebook e do google costumam colocar uma fita isolante às câmeras dos celulares. Os próprios diretores de segurança das organizações internacionais dizem que ninguém está imune à invasão de privacidade quando mantém um computador ou celular ligado junto de si. Assim, ainda que não estejamos numa ligação, numa rede social ou em alguma atividade de comunicação, o celular pode captar a nossa conversa, a nossa imagem, a nossa privacidade, a nossa intimidade e, num momento de chantagem, expor publicamente a situação. Isto para não falar das câmeras esparramadas por toda parte, que captam a nossa caminhada na rua, a visita ao shoping, a circulação na estrada ou a entrada ao banheiro!
 
Portanto, vede prudentemente como andais, não como néscios, mas como sábios, (Ef 5:15)
 
Portai-vos de modo que não deis escândalo nem aos judeus, nem aos gregos, nem à igreja de Deus. (1Co 10:32)
 
Os olhos do Senhor estão em todo lugar, contemplando os maus e os bons. (Pv 15:3)
 
A Bíblia nos ensina a andar de forma direita em toda parte, inclusive na privacidade. Se ninguém nos vê ali, Deus vê! Aliás, é por isso que Ele ama àquele que vive retamente em Sua presença em todo o tempo:
 
Porque os olhos do Senhor estão sobre os justos, (1Pe 3:12)
 
Para não pareceres aos homens que jejuas, mas a teu Pai, que está em secreto; e teu Pai, que vê em secreto, te recompensará publicamente. (Mt 6:18)
 
Porque não há coisa oculta que não haja de manifestar-se, nem escondida que não haja de saber-se e vir à luz. (Lc 8:17)
 
 
A pergunta final: temos telhado de vidro? Se uma câmera estiver no carro em que dirigimos, no whatsapp que usamos, na conversa telefônica, na prosa ao fim do dia junto dos amigos, no banheiro de casa, diante da TV ou em nossos negócios, teremos paz? A nossa vida passa pelo crivo da honestidade e da integridade?
 
E disse o Senhor a Satanás: Observaste tu a meu servo Jó? Porque ninguém há na terra semelhante a ele, homem íntegro e reto, temente a Deus, e que se desvia do mal. (Jo 1:8)
 
Poderia Deus falar isto de nós também? Ou não passaríamos pelo teste da vigilância diária? Sondemo-nos!
 
Aos que olham para o pecado alheio, uma advertência: E, como insistissem, perguntando-lhe, endireitou-se, e disse-lhes: Aquele que de entre vós está sem pecado seja o primeiro que atire pedra contra ela. (Jo 8:7)
 
Aos que sabem que pecam ou que pecaram, um caminho: Arrepende-te, pois, dessa tua iniqüidade, e ora a Deus, para que porventura te seja perdoado o pensamento do teu coração; (At 8:22)
 
Wagner Antonio de Araújo
09/02/2017


Nenhum comentário:

Postar um comentário