Translate

quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

memórias literárias - 146 - HÁ FLORES NO JARDIM



 

 
ontem, 11 de maio de 2014, domingo, o Rev. Jairo (IPI Jd. São Paulo, Osasco SP) celebrou o culto de casamento de Evelyn (IBBNR) e Brenon (IPIJSP). Tive a honra de pregar e orar pela cerimônia das alianças.
 
A mensagem está aqui, com os meus votos de felicidades imensas ao casal amado e querido.
 
 

146 -
Flores no
Jardim!

Há Flores no Jardim!
“Olhe, Evelyn! Há flores no jardim!” É o que diz Brenon, extasiado ao ver o jardim de sua casa.

São lindas estas flores! Seu perfume é sublime, suas cores magníficas, sua beleza encantadora!

E pensar que tudo começou com a terra arada e adubada, onde colocaram-se pequeninas sementes!

O casamento é um jardim. E a sua glória pode ser comparada a um campo belíssimo, com flores perfumadas e primorosas!

A terra deste jardim é o coração de ambos. Uma terra arada e adubada, cuidada e preparada pelas mãos de Deus. O coração de vocês vem sendo trabalhado pelo Senhor desde que nasceram. Cada experiência, cada emoção, cada aprendizado, foram detalhes na preparação de suas vidas para a felicidade de um jardim regado. E quando vocês converteram-se a Cristo de todo o coração, pautando o viver na vontade de Deus, receberam preparo e adubagem adequada para a semente da felicidade.

A semente foi o amor que ambos descobriram um pelo outro. Sementes divinas do amor idealizado pelo Criador. Homem e mulher, o único par legítimo que cumpre os propósitos de Deus para um jardim abençoado. Diz-nos a Bíblia: “Criou Deus, pois, o homem à Sua imagem, à imagem de Deus os criou; homem e mulher os criou.” (Gênesis 1.27) No dia em que Brenon descobriu que amava Evelyn e que Evelyn amava Brenon, a semente foi lançada na terra. E que lindas mudinhas nasceram!

Nascidas as plantinhas, necessário se faz cultivá-las, ajustá-las, alinhá-las, transplantá-las para os locais definitivos de crescimento. Assim acontece com vocês também. É hora de formar a família. Diz-nos a Bíblia: “Por isso, deixa o homem pai e mãe e se une à sua mulher, tornando-se os dois uma só carne.” (idem, 2.24) Deixar pai e mãe para começar um novo lar é um replante. Há de se ter um tempo de ajuste. Tão logo isso aconteça as plantinhas perceberão o quão bom é o lugar que Deus lhes reservou!

Agora vocês dois terão papéis distintos como família no Senhor. Brenon assumirá o seu papel de marido, de esposo, de cabeça do lar, de líder espiritual. Há atribuições familiares que competem ao marido e, portanto, deve ele esforçar-se, fazendo o melhor que puder. Ensina-nos a Palavra de Deus: “Maridos, amai vossa mulher, como também Cristo amou a igreja e a si mesmo se entregou por ela.” (Efésios 5.25) Se há algo que dignifica e valoriza um marido verdadeiramente cristão é o seu amor e cuidado para com a esposa. “Maridos, vós, igualmente, vivei a vida comum do lar, com discernimento; tratai-a com dignidade, porque sois juntamente, herdeiros da mesma graça de vida, para que não se interrompam as vossas orações.” (I Pedro 3.7) E como se zela e ama de forma eficaz? A Bíblia nos ensina: “O amor é paciente, é benigno, o amor não arde em ciúmes, não se ufana, não se ensoberbece, não se conduz inconvenientemente, não procura os seus interesses, não se exaspera (se irrita), não se ressente do mal ... Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.” (I Coríntios 13.4-5,7) Aprender a agir dessa forma é um curso no qual o Brenon ingressa no dia de hoje e continuará a progredir dia após dia, ano após ano, sempre descobrindo maneiras nobres e eficazes de zelar pela Evelyn, amando-a ternamente.

Ao Brenon caberá o papel de cabeça do lar.  Assumirá a liderança espiritual de sua família. Deus espera isso dos maridos. Jó assumia a responsabilidade de orar e suplicar pelos seus filhos. Jacó tornou-se o patriarca de sua grande prole, cabendo-lhe o papel de transmitir a bênção do Senhor para a posteridade. Para os nossos dias, espera-se que você, Brenon, seja o responsável pelo culto doméstico, o encontro com Deus no lar. Espera-se que você conduza a família para a igreja, para o serviço do Senhor, para a hospitalidade, para a intercessão, para a leitura bíblica, para os agradecimentos nas refeições. Diz a Escritura sobre o homem: “ ... tem o seu prazer na lei do Senhor, e na sua lei medita de dia e de noite.” (Sl 1:2). Afirma que deverá ensinar a Palavra “... a teus filhos, e dela falarás assentado em tua casa, e andando pelo caminho, e deitando-te e levantando-te.” (Dt 6:7). Também lhe caberá o papel de sustentar a família e proteger a sua esposa, dedicando a sua vida como Cristo fez em amor pela Igreja. Se necessário for trabalhar dobrado, que Deus lhe dê a coragem de Jacó, que por amor da esposa, encarou 7 longos anos como meros dias “pelo muito que a amava”. Serão suas as decisões do lar. O diálogo é fundamental, mas a decisão caberá a você. Um lar bem dirigido é uma âncora num mundo instável. Uma esposa segura vive feliz e realizada, pois sabe que pode confiar no seu esposo. Um homem que assume o seu papel torna-se referencial aos filhos, que compreenderão melhor o próprio Deus, na justiça e no amor do pai, que ama e que vive de forma justa. Usando as palavras do Apóstolo Pedro, deve você manter-se exemplar em todos os seus procedimentos. Mente limpa, sem nunca usar palavras indecorosas, gentil no procedimento, firme nas decisões, misericordioso nas horas difíceis, inspirador da fé.

Há também um papel fundamental para que Evelyn desenvolva na vida, adornando o casamento com a beleza de uma vida consagrada. Há um provérbio que diz: “Mulher virtuosa, quem a achará? O seu valor muito excede o de finas jóias.” (Provérbios 31.10) Um marido realizado diz sobre sua esposa: “Muitas mulheres procedem virtuosamente, mas tu a todas sobrepujas.” (idem, 31.29) E o que é que torna uma esposa tão virtuosa aos olhos de Deus e do marido? O respeito, a consideração, a submissão em amor. A Bíblia louva a atitude de Sara, mulher de Abraão, dizendo: “Como fazia Sara, que obedecia a Abraão, chamando-lhe senhor, da qual vos tornastes filhas, praticando o bem e não temendo perturbação alguma.” (I Pedro 3.6) A beleza de uma esposa não está no frisado dos cabelos, nos adereços de ouro ou no aparato dos vestuários, conforme o verso 3 do texto citado, mas num comportamento digno e obediente, com todo o respeito e a consideração pelo marido. As belíssimas vestes nupciais de hoje darão lugar às vestes corriqueiras do quotidiano e somente um coração bondoso, submisso e amoroso manterá a beleza do casamento por todos os dias.

O que Deus espera de você, Evelyn? Que respeite e honre o seu marido, reconhecendo-o como o cabeça e chefe do seu lar. Assim nos ensina a palavra inspirada do Senhor: “As mulheres sejam submissas a seu próprio marido, como ao Senhor.” (Efésios 5.22) A mesma ordenança repete-se em Colossenses 3.18. Por que? Porque, para o marido, o respeito e a submissão são as expectativas mais necessárias no exercício de sua função familiar; é o encorajamento diário para ser um marido cada vez mais exemplar, tanto quanto para a esposa o amor, a abnegação, a dedicação e o bom tratamento são indispensáveis para a sua plena realização.

A mãe de Lemuel, em Provérbios 31, diz que a boa esposa é aquela que teme ao Senhor. “Enganosa é a graça, e vã, a formosura, mas a mulher que teme ao SENHOR, essa será louvada.” (v. 30). Ela diz que a boa mulher se destaca por algumas virtudes muito especiais. Segundo ela, a esposa que teme ao Senhor trabalha (v. 13: “Busca lã e linho e de bom grado trabalha com as mãos”); mantém a casa abastecida e em ordem (v. 14: “É como o navio mercante: de longe traz o seu pão.”); cultiva (v. 16: “Examina uma propriedade e adquire-a; planta uma vinha com as rendas do seu trabalho.” ; tem força (v. 17: “Cinge os lombos de força e fortalece os braços.”); está sempre atenta (v. 18: “a sua lâmpada não se apaga de noite.”); é generosa para com os necessitados (v. 20: “Abre a mão ao aflito; e ainda a estende ao necessitado.”); é providente (v. 21: “No tocante à sua casa, não teme a neve, pois todos andam vestidos de lã escarlate.”); confia no Senhor (v. 25: “quanto ao dia de amanhã, não tem preocupações.” ); é sábia (v. 26: “Fala com sabedoria, e a instrução da bondade está na sua língua.”); não é preguiçosa (v. 27: “Atende ao bom andamento da sua casa e não come o pão da preguiça.” ); é louvada pelos filhos (v. 28: “Levantam-se seus filhos e lhe chamam ditosa;” ) e considerada pelo marido (v. 29: “Muitas mulheres procedem virtuosamente, mas tu a todas sobrepujas.” )

Vocês fizeram bem em buscar alguém no Senhor, primando pela partilha da mesma fé, do mesmo novo nascimento, da mesma graça irresistível e transformadora do Senhor. Um casal biblicamente constituído partilha da mesma fé em Cristo e começa pela comunhão espiritual. Em decorrência dessa comunhão, estende-se pelos vínculos emocionais, físicos, existenciais e assim constroem com amor e alegria uma excelente vida em família.

Mas, voltemos à janela onde Brenon está a olhar: “Olhe, Evelyn! Há flores no jardim!” E que lindas flores, Brenon! É o jardim no qual se transformou a vida de vocês dois! Daqui há alguns anos o jardim será imenso, florido, colorido, perfumado, acolhedor! Haverá rosas brancas a evocar a paz na família. Que belas orquídeas florescerão anualmente, celebrando cada data, cada evento, cada momento! E a flor-de-maio, linda e renovada, indicando que para cada tempo só de folhas há uma florada perfumosa que chega, encantando o viver! Lindos lírios amarelos a marcar a estrada e o caminho do casal; belíssimas hortências a colocar buquês claros e evocando o azul-esperança! Lindas margaridas, crisântemos, gerânios e cravos decoram a história da família, com realizações, viagens, serviços, dedicações ao Senhor, lágrimas e consolo, doenças e curas, nascimentos e partidas.  Se o Senhor lhes der filhos, serão belíssimas flores que figurarão centrais no jardim de suas vidas. Eles levarão em si um pouco da mulher virtuosa que há na Evelyn e do homem honrado e crente que há no Brenon. Serão frutos benditos do Senhor! A história da família exalará um aroma perfumado e cativante, despertando em todos o desejo de louvar a Deus por existir uma família tão maravilhosa! Na igreja dirão: que casal maravilhoso! Na vizinhança comentarão: que família exemplar! Os amigos dirão:  que casal feliz! E Deus, no Céu, dirá: “E viu Deus que isto era muito bom, e os abençoou, e fez-se tarde e manhã”. Amém!

Brenon e Evelyn: sejam felizes, unidos consagrados, até que a morte os separe. Deixem um legado de dignidade, de amor, de beleza e de dedicação ao Senhor, mostrando ao mundo que vale à pena ser uma família crente em Cristo.

Evelyn e Brenon: há flores no jardim! Nós as desejamos a vocês.

Que Deus lhes abençoe!


São Paulo, 12 de maio de 2014

Wagner Antonio de Araújo

Nenhum comentário:

Postar um comentário