Translate

sábado, 2 de março de 2013

memórias literárias - 27 - O PASTORZINHO E SEU DUELO


27 - O PASTORZINHO E SEU DUELO
Obrigado, Senhor, por me chamar para o ministério.

Como? Não entendi. Pode repetir? "Buraco Quente"? Senhor, aquilo é uma favela!

Sim, eu sei, tem gente lá, mas, Senhor, eu pensei que o Senhor quisesse me aproveitar num lugar melhor; aliás, eu tenho dois convites aqui, igrejas ótimas, são Suas também!

Não? Nâo me quer lá. Poxa, Senhor, tudo bem. E onde é essa igreja? Naquela rua? Aquela ali, sem asfalto? Ah, Senhor, por favor, manera comigo! Eu comprei um carro novo agora! Pelo menos um lugarzinho com asfalto!

Não? É ali mesmo? Tá bom. E o que o Senhor quer que eu faça? Pregue? Administre? Visite? Ensine? Pode escolher.

O que? Está brincando, não é, Senhor? Não? O Senhor quer que eu faça de tudo um pouco? Mas Mestre, é muito pra mim! Eu me especializei em pedagogia religiosa, sou craque nisso, o resto eu só sei o básico! Como? Mesmo assim? Ai, ai, ai, tá certo, Senhor.

Mas, Mestre, e o salário? Penso que o Senhor não vai querer que eu passe necessidades, não é? Já tenho aqui o meu orçamento direitinho. Preparei-o baseado no salário da pastorada da cidade. Tirei a média. Com isso acho que dá pra me manter. Quanto pagarão, Senhor?

COMO? Só isso? Mas como eu vou viver, Deus? Assim já é demais! Como? "Pela fé?" Ah, Senhor, isso funcionava com Hudson Taylor, Jorge Muller, mas não comigo, que sou inteirado em economia. Não dá, Senhor! Por essa miséria eu não trabalho.

Como? Vou trabalhar sim? Mas Deus, e como vou me manter? O Senhor? O Senhor suprirá? Como? Ah, pelos "corvos", como Elias. Tá certo, Deus, a estória é bonitinha, mas hoje em dia só tem pardais e pombas. Vai mudar? Como, trazendo corvos? Ah, não? Vai trazer carne e pão por pombas e pardais? Meu Deus, ...

E por quanto tempo ficarei ali, Senhor? Será só um estagiozinho, não? Não? O Senhor tem planos longos aqui pra mim? Ah, Senhor, misericórdia! Ah, quer que eu fique bastante tempo, não? Quanto tempo? COMO? A vida toda? Ah, eu não aguentarei, meu Deus... Tenha piedade!
Senhor, por que esse plano pra mim? Os meus colegas estão nas primeiras igrejas, outros foram pra missões e aparecem nos jornais, eu também tenho direito, também sou Seu filho! Plano melhor? Como isso pode ser um plano melhor? Eu sou qualificado, Senhor! Sim, sei que foi o Senhor quem permitiu, mas pra que tanta qualificação senão tiver utilidade? Ah, terei? Ali, naquele lugarejo? Tá bom.
Está certo, Senhor. Não estou nada contente. Não Lhe entendo, Deus. Mas tudo bem. Não vou discutir.
(ele então pensa:)
"... E eu que queria ser famoso, ser rico, ter meu nome na placa da igreja, um programa de TV e um montão de pastores trabalhando pra mim. Agora serei pastor nessa favela sem asfalto, escondido, trabalhando com púlpito, visita, ensino, administração... Se eu soubesse que era assim... "

----

O jovem pastorzinho terminou de reclamar e resolveu orar. E enquanto orava cheio de ressentimento e tristeza ouviu um barulho. Era seu hinário que havia caído no chão. Tomou-o e, antes de fechá-lo, viu o hino 298 CC com uma marca feita pelo seu primeiro pastor: "filho, um dia você precisará desse hino; use-o!". Então ele leu:

Nem sempre será pra o lugar que eu quiser,
que o Mestre me tem de mandar;
é tão grande a seara já a embranquecer,
a qual eu terei de ceifar.
Se, pois, a caminho que nunca segui,
a voz a chamar-me eu ouvir,
direi: "Meu Senhor, dirigido por ti, irei tua ordem cumprir."

Eu quero fazer o que queres, Senhor; serei sustentado por ti.
E quero dizer o que queres, Senhor, que o servo teu deva dizer.

Eu sei que há palavras de amor e perdão,
que aos outros eu posso levar;
porque nas estradas dos vícios estão,
perdidos que devo ir buscar.
Senhor, se com tua presença real,
tu fores pra fortalecer,
darei a mensagem de servo leal,
farei, meu Senhor, meu dever.

Eu quero encontrar um obscuro lugar,
na seara do meu bom Senhor;
enquanto for vivo, sim, vou trabalhar,
em prova do meu grato amor.
De ti meu sustento só dependerá,
tu, pois, hás de me proteger;
a tua vontade, sim, minha será;
e eu, pronto o que queres a ser.
--
E então disse em oração ao Senhor:
"Deus, perdoe a minha arrogância. Quem sou eu para escolher a lavoura? Quem sou eu para ditar as normas? A Igreja é Sua, a minha vida pertence ao Senhor. Toma-me, usa-me o quanto quiser, quando quiser e onde quiser!
----
E foi assim que esse pastor começou o seu trabalho. Ele continua naquela igreja. O local ainda não tem asfalto. O seu carro novo ficou esfolado e já foi trocado. Mas muitas vidas que residem naquele bairro não são mais as mesmas. Jesus as salvou. E o Reino de Deus ali chegou. Se esse jovem pastor não fosse para lá a Obra do Senhor estaria incompleta. Ele aprendeu a humildade, aprendeu que servir a Deus não é algo para ganhar fama, dinheiro ou poder, mas para doar vida, mensagem, amor, tempo e dedicação. Hoje ele e a igreja são muito felizes. E espero que assim continuem.
----
A todos os meus colegas "sem nome", desconhecidos,
cujos ministérios têm sido a causa da salvação de inúmeras pessoas
nos lugares onde muitos "grandes" não vão pessoalmente, ofereço este texto.
Do conservo e também pequeno com eles,
Wagner Antonio de Araújo

Nenhum comentário:

Postar um comentário