Translate

sábado, 9 de março de 2013

memórias literárias - 35 - JOVENS NA DIREÇÃO DE DEUS, NA CONTRA-MÃO DO MUNDO


35 - JOVENS NA DIREÇÃO DE DEUS,
NA CONTRA-MÃO DO MUNDO

Falar sobre esse tema num congresso de três associações é ao mesmo tempo um privilégio e um desafio. Privilégio porque tenho a honra de encontrar jovens de diversas igrejas de uma das mais importantes regiões da Grande São Paulo. O NORTE.COM alcança hoje as dimensões da importância dos antigos ‘CON-CAP” da JUBESP ou dos famosos “INTER-LESTE” na Penha. Porém, também é uma responsabilidade enorme, porque pregar para vocês nos faz “temer e tremer”, visto que o que dissermos ajudará na formação da opinião, da ação e da estratégia divina para muitas vidas e juventudes  batistas.

Que o mundo está nas trevas, não é preciso esforço para perceber. Estamos vivendo dias inesquecíveis e ruins. Contemplamos as bolsas de valores no mundo inteiro num pânico sem precedentes, amedrontadas pelas mentiras dos relatórios contábeis das grandes empresas. Verificamos a incapacidade dos governos mundiais em ajudar os seus povos a superarem suas crises. Enquanto prego o Paraguai vive um estado de exceção, com toque de recolher e a possibilidade de uma revolução. Israel perde soldados e palestinos perdem cidades. Africanos morrem de AIDS e o Brasil embebeda-se diante de um televisor, assistindo “Casa dos Artistas” e “Big Brother Brasil”. Enquanto isso as nossas igrejas “entretém bodes”, sem dar à luz e alimentar “ovelhas”.

Que mundo é esse?

Não muito diferente da época em que viveu um dos mais importantes homens de Deus de todos os tempos, que ousou ir na contra-mão da sociedade de sua época, optando por Deus, optando pela justiça, optando pela ação, ao invés de viver de palavras.

Estamos no ano 640 antes de Cristo. Judá, o Reino do Sul, acabara de perder por assassinato o seu imperador ímpio, chamado Amom. Ele era um idólatra, e seu pai fora pior do que ele: Manassés, o mais imundo dos reis de Judá. Logo, um menino de 8 anos não teria a menor noção de reinar sobre um país ou de fazer distinção entre a verdadeira adoração e o culto abominável para Deus.

Josias, cujo nome significa “Deus sustenta”, “Deus sara” ou “Deus apóia”, reinou de 640 a 609 antes de Cristo.

Judá adorava a Deus da forma mais imunda possível. Nos altos dos morros e montanhas eles mantinham altares onde queimavam animais e crianças para os seus ídolos. Debaixo de árvores frondosas e em casas especializadas eles faziam “roupinhas’ para as suas imagens de escultura, além de dar aos homens “sessões de sexo cultual”, ou seja: transarem como ato de adoração aos deuses e até ao Deus verdadeiro. Em cada casa haviam “terafins”, ou imagens domésticas de adoração. Seus deuses eram as entidades mais execráveis que se podia conceber na mente humana: o deus-sol, chamado “shamash”, para quem consagravam cavalos e prestavam sacrifícios. Tofete e Moloque – a versão de um deus-racional dos amonitas, que era oco, feito de bronze, tinha brasas dentro do seu interior e servia literalmente para “queimar crianças”, sob a justificativa de “aplacar a sua ira e obter os seus favores”. Havia também “bezerros de ouro”, nas cidades do extinto Reino do Norte, chamadas Dã e Betel, bezerros que eram a “imagem de Deus”, para que o povo não precisasse ir ao templo de Jerusalém render culto. Havia em Jerusalém uma coisa enorme chamada “poste-ídolo”, que era uma imagem feminina da deusa “Aserá”, a esposa-amante do deus “Baal”, cujo significado era “senhor” ou “marido”, a entidade da fertilidade e protetor contra as tempestades. O “Livro da Lei” desde décadas estava perdido, a geração daquela época nem conhecia o seu conteúdo, pois fora abandonado desde os tempos do Rei Manassés, o maior idólatra que Judá jamais teve. Os templos que Salomão edificara para a sua multidão de esposas estavam em plena atividade de adoração.

Esse era o mundo onde Josias nasceu e no qual viu-se obrigado a reinar com 8 anos de idade.

Nós não pedimos para nascer em nossa época, nem no Brasil. Nós estamos aqui por permissão de Deus. E o que encontramos hoje? Um país falido, sem moral, sem padrões éticos e sem a menor esperança de melhorias. O mundo evangélico brasileiro cresce avassaladoramente em número, mas parece que não está influenciando beneficamente na mesma proporção. E a nossa juventude tem um grande desafio: ir na contra-mão de tudo o que está imperando por aqui.

Isso não significa tornarmo-nos “rebeldes sem causa”, ou “anarquistas”, que eram contra qualquer tipo de governo. O nosso desafio é o mesmo desse menino: ir na contra-mão do mundo, mas em direção de Deus!

Josias foi um jovem na contra-mão do mundo em seu tempo. Quando tinha 26 anos, quando já reinava há 18 anos, mandou os escrivães e os sacerdotes irem até o esquecido “Templo do Senhor”, para avaliarem a necessidade de uns reparos e reformas, e dar ordens sobre o destino das ofertas. Hilquias, o escrivão, olhando as coisas jogadas no templo, encontrou um rolo todo escrito, ao qual chamou “Livro da Lei” que era uma cópia do Livro de Deuteronômio. Leu-o e levou-o ao Rei, para que este ouvisse o seu escrito.

Acompanhando o texto bíblico, nós encontramos 3 ATITUDES DE JOSIAS que fizeram dele um JOVEM VENCEDOR ANDANDO NA CONTRA-MÃO DO SEU TEMPO, MAS NA DIREÇÃO DE DEUS.

Primeiramente, Josias HUMILHOU-SE PERANTE DEUS.

Em 22.11 Josias ouve a leitura do “Livro da Lei” e humilha-se diante do que ouviu, diante do que escutou. Como estamos precisando de Bíblias na vida da nossa juventude! Temos vivido de alimentos não consistentes, que não suprem a nossa necessidade! Queremos viver no “Monte da Transfiguração”, porque é “bom estarmos ali”, mas esquecemo-nos que somente um contato sério e constante com a Palavra de Deus irá nos fazer “abrir os olhos e humilharmo-nos diante do Senhor”! Josias ouviu a leitura e HUMILHOU-SE. Qual tem sido a nossa atitude para com a Bíblia? Temos feito prioridade do Senhor o contato com as Escrituras? Josias humilhou-se e mandou CONSULTAR a profetiza Hulda (22.14). Ele queria saber até que ponto o seu país estava amaldiçoado pelo Senhor. Ele levou à sério o que estava escrito no rolo. A profetiza lhe disse que infelizmente tudo o que estava previsto iria acontecer (22.16).

Há um ponto na história de uma vida ou de uma nação em que o castigo é INEVITÁVEL. Judá tinha provocado de tal forma a ira de Deus que não havia a menor chance de deixar de ser castigado. Eles iriam arcar com as conseqüências do ato de idolatria e de vida abominável que viviam.

E a atitude do Rei Josias, não contaria nada? Claro que sim! Deus promete a Josias que ele “seria poupado”, porque tivera uma “ATITUDE SÉRIA” de humilhação perante Deus (22.19-20).

A humilhação de Josias mudou o tempo do juízo, atrasando o castigo e dando oportunidade para a nação experimentar um período jamais visto em toda a sua história. O rei teria tempo de colocar em prática a Palavra, a qual havia feito tão maravilhosa transformação em seu coração.



Em segundo lugar, Josias EMPENHOU-SE EM MUDAR.

Ele não ficou no reino das palavras, das boas intenções. Ele agiu, e como agiu!

Harold Robbins, autor do livro “Desperte o Gigante Interior”, diz que há duas maneiras de encarar o futuro: uma é estar “muito interessado” em mudar e viver coisas boas, em mudar de emprego, de atitude, assumir compromissos, etc. Só que o estado de “muito interessado” nunca causará qualquer mudança, porque ele é estático, e não dinâmico. O segundo modo de encarar é “estar totalmente empenhado” em colocar em prática aquilo a que se determinou a fazer.

Há muita gente aqui que gosta muito da Palavra de Deus, que concorda com as Escrituras, que desejaria muito que as igrejas fossem mais fortes, mais consagradas, que nossa juventude fosse mais consagrada. Sim, isso é bom, mas é inútil, se não vir acompanhado de ação! Geraldo Vandré, o poeta contrário à revolução militar de 64, cantou: “Vem, vamos embora, que esperar não é saber. Quem sabe faz a hora, não espera acontecer!”  E é a mais pura verdade! Quem deseja mudar, vai morrer desejando, mas quem quer mudar, muda! Vocês já ouviram falar na origem do ditado “de pensar morreu o burro”? Conta-se que havia um burro muito burro. Ele tinha dois fardos de feno à sua frente. Ele olhava para um e dizia “vou comer deste”. Mas daí olhava para o outro e dizia: “não, acho que vou comer daquele”. E assim passou-se o tempo, até que ele morreu de fome, sem ter comido qualquer um deles...

Josias foi um homem de ação, ele se EMPENHOU em mudanças radicais, ele não ficou sentado esperando o futuro passar por ali! Ele foi à luta, e eu quero desafiar essa juventude do norte.com a fazer a mesma coisa, a entrar na contra-mão do seu tempo e seguir na direção de Deus!

Josias agiu da seguinte forma:

1)                              Subiu ao templo e mandou ler o “Livro da Lei” para o povo (23.1-2)
2)                              Renovou a aliança entre o povo e Deus (23.3)
3)                              Limpou a Casa do Senhor de todo o lixo acumulado, idolatria e sujeira (23.4)
4)                              Destituiu os ministros de Baal (23.5)
5)                              Tirou o “poste-ídolo” do templo e do centro da cidade (23.6)
6)                              Tirou o prostíbulo-cultual, a casa de “roupinhas” de imagem (23.7)
7)                              Profanou os altares nas montanhas (23.8)
8)                              Destruiu o ídolo “Tofete”, onde sacrificavam crianças (23.10)
9)                              Tirou os cavalos consagrados ao deus-sol (23.11)
10)                           Tirou os altares oficiais construídos pelos reis anteriores a ele, altares de idolatria (23.12)
11)                           Destruiu os altares de “Astarote”, “Quemos” e Milcom, os tempos abomináveis construídos pelo Rei Salomão (23.13)
12)                           Encheu de ossos humanos o lugar do “poste-ídolo” (23.12)
13)                           Destruiu o altar de Betel, onde o povo adorava o “bezerro de ouro” (23.15)
14)                           Queimou os ossos enterrados ao pé de Betel, de sacerdotes abomináveis (23.16)
15)                           Respeitou o sepulcro do profeta de Deus que profetizara que ele faria isso (23.17-18)
16)                           Destruiu os altares de Samaria (23.19)
17)                           Matou os sacerdotes de Baal (23.20)
18)                           Celebrou a Páscoa por decreto (23.21), tudo isso aos 26 anos de idade, no seu 18o. ano de reinado.
19)                           Aboliu o ESPIRITISMO e a IDOLATRIA DOMÉSTICA (23.24)
20)                           Foi o mais empenhado de todos os que se converteram radicalmente ao Senhor (23.25)

E você, jovem do século XXI, diante de quem estou hoje proclamando a Palavra de Deus, terá que se empenhar em que? Que desafios o Senhor coloca para você, para dizer “não ao mundo”, e sim para Jesus?

1)                             Não namorar como os mundanos namoram, mas deixar a vida de intimidades plenas para depois do casamento;
2)                             Não viver uma vida de hipocrisia diante de Deus, como um mero assistente de cultos e congressos, mas pagar o preço, orando, fazendo devocionais diariamente, testemunhando de Cristo, procurando andar nos ensinos do Senhor;
3)                             Não fazer as próprias escolhas sem buscar em primeiro lugar saber qual é o desejo de Deus para você, pois não há lugar melhor ou mais abençoado do que o centro da vontade de Deus para cada um de nós;
4)                             Dizer não ao entretenimento de “emburrecimento” de massa, como os programas de TV com “reality show” ou as músicas que ensinam padrões contrários às Escrituras
5)                             Abandonar o estereótipo do mundo, a aparência com roqueiros, o linguajar torpe, o comportamento revoltoso e rebelde, e passar a ser bom filho, bom pai, bom esposo, boa esposa, bom membro de igreja, bom funcionário, bom patrão;
6)                             Etc.

Em último lugar, Josias FOI PERSEVERANTE.

Ele foi morto numa guerra contra o Faraó-Neco, com 31 anos de império e 39 anos de idade. Morreu jovem, mas seguiu com as decisões de ser de Deus e contra o mundo até o fim. Ele não se vendeu para os reinos próximos, ele não se alugou por um pouco de paz com os vizinhos, ele perseverou nas decisões de fidelidade ao Senhor.

E você, caro jovem, também está sendo desafiado hoje a não se vender por um pouco de prazer, nem baixar os padrões a troco de não perder os amigos. Deus tem padrões éticos, morais e sociais muito superiores aos que o mundo hoje aceita e admite.

Se a juventude hoje caminha para o amor livre e para a libertinagem, você continua firme nos padrões de moral e decência criados por Deus para os homens e as mulheres.

Se o mundo hoje vive um clima de entretenimento, pois é mais fácil manipular as massas entretendo-as e deixando-as sem ação, você faz diferente, trabalhando por um futuro melhor, estudando, dedicando-se a projetos realmente consistentes e que farão diferença na sua vida e na vida do próximo.

Se nas igrejas hoje o cristianismo é nominal, com roupa de crentes e atitudes de incrédulos, você fará a diferença, não aceitando ou admitindo o pecado, fazendo um protesto com a própria vida, com as atitudes, com o comportamento de “sal da terra" e “luz do mundo’”.

Josias provou que vale à pena ir na contra-mão do mundo e em direção a Deus. Há 2700 anos ele viveu e morreu, e nós estamos falando dele hoje, no século XXI! Aquele que faz a vontade de Deus permanece para sempre e nunca será esquecido! Que diferença fará daqui a 1 ano a vida do Claudinho, de “Claudinho e Bochecha”, o rapaz que faleceu na semana passada? Que diferença fará você para a sua igreja, sua família, seus amigos, seu país, seu mundo?

Moody era um jovenzinho, quando escutou um pregador dizer: “O mundo está para ver o que Deus fará com um jovem inteiramente entregue em Suas mãos”. Moody disse: “Eu quero ser esse jovem”. E foi o Billy Graham do século XIX. Quantos têm aceitado o chamado do Senhor para irem aos campos missionários, proclamar a salvação em Cristo! Quantos ousam fazer a diferença!

Agora é com vocês.

Josias já fez a parte dele.

E você, caríssimo jovem, fará a sua?

Jesus Cristo, o nosso Salvador e Senhor, supremo exemplo de tudo isso que dissemos, pois ousou deixar a glória celestial para vir ao mundo “buscar e salvar” aqueles que se haviam perdido, aguarda uma atitude de cada um de nós. Qual será a nossa atitude? Eternamente desejosos, ou ativamente empenhados nas mudanças?


Que Deus nos abençoe!


São Paulo, 17 de julho de 2002

Pr. Wagner Antonio de Araújo
Pastor da Igreja Batista Boas Novas de Osasco
bnovas@uol.com.br 

Nenhum comentário:

Postar um comentário