Translate

quarta-feira, 11 de setembro de 2013

memórias literárias - 106 - EU VOU MORRER

106 - EU VOU MORRER
 
Estou anunciando publicamente o que sabia desde que me conheci por gente: eu vou morrer. Sim. Não terei alternativa. O meu corpo está se desfazendo dia após dia. Já não tenho vitalidade dos meus 15 anos. Os meus cabelos não produzem mais a coloração correta e minhas vistas não enxergam com facilidade. O meu rosto cultiva rugas e marcas que eu não tinha há alguns anos. As minhas pernas, antes ágeis e flexíveis, agora precisam de apoio (e algumas vezes até de bengala) para não se "esquecerem" do passo certo. A destreza das idéias não acompanha a resposta do corpo e eu percebo que a entropia física toma conta do meu organismo e dia mais, dia menos, deixarei esse tabernáculo.
 
Pode ser que demore um pouco. Com dietas, remédios, cuidados físicos, consigo prolongar um pouco o funcionamento do corpo. Pode ser que não. A verdade, todavia, é que eu irei morrer mesmo e não há o que fazer para evitar (exceto se eu fizer parte da chamada "geração do arrebatamento", pois creio nesse evento escatológico).
 
Mas o meu anúncio é mais sério ainda, pois ele é extensivo. Não serei eu apenas a morrer. Quem me lê agora também morrerá, mais dia, menos dia. O meu leitor também está fadado ao ocaso da vida e ao império do túmulo. A morte é uma realidade, ainda que o homem faça de tudo para evitar falar sobre o assunto ou adiá-la um pouco mais. Todos morreremos. Um dia o fôlego de vida que nos mantém animados sairá e deixará o corpo como uma caixa vazia, um celular sem chip e sem bateria, onde o chip é o espírito, que se foi para Deus e a bateria a alma que dormiu na morte (esses termos confundem-se no Novo Testamento, mas servem didaticamente aqui).
 
Morrer não é a minha vontade e nem a do meu leitor, ainda que tenha dito inúmeras vezes, que preferiria a morte a tanto sofrimento enfrentado. Na verdade homem algum quer a morte por prazer; ou a quer por conveniência, ou para poupar maior sofrimento. Pobre alma, não imagina que no além-túmulo as coisas não são inertes ou tranquilas, mas pontuais e decisivas! É certo que a morte é um alívio para quem tem comunhão com Deus, mas ai de quem não tem! O túmulo não traz paz nem felicidade ao incrédulo ou pecador inverterado.
 
Não fomos criados para a morte. Deus nos criou para a vida. A morte veio como consequência das más escolhas que nossos primeiros pais fizeram. "No dia em que comeres ... morrerás", disse Deus ao primeiro casal, caso comesse de uma única árvore no Éden, a única proibida. É bom que se diga que havia MILHÕES de árvores, talvez muitas inexistentes aqui hoje, e NENHUMA necessidade de comer daquela proibida. Não estavam com fome, não estavam em apuros, não havia nada que os obrigasse a isso. Foi mesmo a tentação externa (Satanás aos ouvidos de Eva) que os conduziu à cobiça: serão inteligentes, serão cientistas (conhecedores de todo o bem e de todo o mal), terão olhos abertos. Mas olhos abertos eram os de antes da queda, que viam a Deus pela viração do dia e que não tinham nenhuma preocupação e nenhuma ansiedade. Preferiram a proposta do inimigo em lugar da estabilidade de Deus. Escolheram. Pecaram. Morreram. Saíram do Éden levando consigo o salário do pecado, da má escolha: a morte. Por habitação derradeira ganharam um túmulo. E esse foi o legado que nos deram como primeiros pais...
 
Deus não os abandonou sem esperança. Deu-lhes uma promessa: o descendente da mulher venceria a serpente, ainda que mordido no calcanhar. Era uma fala poética, uma profecia messiânica: o Filho de Deus viria, se tornaria o nosso Salvador, vencendo a peçonha do pecado da raça. Ele curaria o homem e o prepararia para o porvir.
 
Assim, há um porvir, um novo alvorecer,  um viver após a morte!
 
Assim que os olhos se fecham a promessa se cumpre: "Porque sabemos que, se a nossa casa terrestre deste tabernáculo se desfizer, temos de Deus um edifício, uma casa não feita por mãos, eterna, nos céus." (2Co 5:1). O Apóstolo Paulo disse à respeito de sua morte: "Mas de ambos os lados estou em aperto, tendo desejo de partir, e estar com Cristo, porque isto é ainda muito melhor." (Fp 1:23). Cristo falou ao ladrão arrependido: "E disse-lhe Jesus: Em verdade te digo que hoje estarás comigo no Paraíso." (Lc 23:43). Portanto, se eu estiver em Cristo (arrependido de meus pecados e confiado nEle como meu único e suficiente salvador) poderei ter a mesma segurança: ao morrer estarei com Cristo. Aleluia!
 
No fim dos tempos terei a promessa de uma ressurreição completa e absoluta: o meu corpo sairá do pó e voltará à vida: "Num momento, num abrir e fechar de olhos, ante a última trombeta; porque a trombeta soará, e os mortos ressuscitarão incorruptíveis, e nós seremos transformados." (1Co 15:52). O meu corpo será semelhante ao do Senhor: "Amados, agora somos filhos de Deus, e ainda não é manifestado o que havemos de ser. Mas sabemos que, quando ele se manifestar, seremos semelhantes a ele; porque assim como é o veremos." (1Jo 3:2)
 
E para terminar esse anúncio, notifico que morrerei. Irei para Cristo. E com Ele voltarei e ressuscitarei, estando para sempre com o Senhor. Ao amigo leitor insto: receba de Cristo a sua salvação também ("A saber: Se com a tua boca confessares ao Senhor Jesus, e em teu coração creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos, serás salvo." Rm 10:9) e garanta em vida a sua condição futura. É possível! Deus prometeu salvar os convertidos ao Seu Filho! Por que demorar? "Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei." (Mt 11:28)
 
Wagner Antonio de Araújo
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário