Translate

sexta-feira, 26 de junho de 2015

memórias literárias - 220 - TEMPLO DE QUEM?

 

 
 
TEMPLO DE QUEM?
220
 

 
Corre pelo mundo neopentecostal um conceito judaizante do regresso aos locais sagrados do Antigo Testamento. Segundo eles, tais locais são providos de poderes especiais, sejam eles por causa da memória bíblica acumulada, ou de antigas visitações pessoais divinas naqueles locais geográficos ou mesmo por causa de suas construções, sagradas pelo Criador.
 
Não bastasse isso, agora o mundo neopentecostal pos-se a fazer réplicas de locais bíblicos e edificações do antigo testamento. O chamado "templo de Salomão", cujos restos não existem mais, foi reconstruído fora de Jerusalém e não por judeus, mas por neopentecostais na cidade de São Paulo, no Brasil. Sua versão é moderna, pois não conta com o principal do templo: o altar de sacrifícios. Não há bacias, espevitadeiras, não há locais onde o gado seja armazenado, onde os sacerdotes possam executar as imolações. Tudo é adaptado ao ritual neopentecostal, simbólico, talvez maçônico, e absolutamente mercantilista.
 
Existem locais sagrados para a manifestação de Deus?
 
Jesus afirmou que não. Gostaria de crer que neopentecostais possuissem o mesmo Senhor que os cristãos, mas não creio. O próprio Senhor Jesus Cristo afirmou: "pelos seus frutos os conhecereis", e os frutos dos neopentecostais são podres, falsos, venenosos e absolutamente anticristãos.
 
Vejamos o diálogo entre o Senhor Jesus e a mulher samaritana. Ele encontra-se no texto de João 4.21-24. Jesus deixou a Judéia e dirigiu-se à Galileia, tendo que passar por Samaria. Ali habitavam hebreus híbridos, misturados com as nações onde perambularam. Os judeus os detestavam, chamando-os de vira-latas. O Senhor, à beira de um poço, pede a uma mulher um pouco de água. Ela surpreende-se, perguntando-lhe como lhe dirigia a palavra, uma vez que era mulher e era samaritana, e ele judeu. Cristo explica-lhe que se ela soubesse quem era ele, pediria pela água viva, com a qual ela jamais teria sede. Estabeleceu-se ali um diálogo muito curioso, muito elucidativo, que farão bem os leitores em gastar alguns minutos na sua leitura.
 
Num determinado momento da prosa, a mulher diz ao Senhor que há controvérsias sobre em qual monte se deveria adorar a Deus, se ali onde estavam ou em Jerusalém, conforme queriam os judeus. Cristo então é enfático em afirmar: "nem aqui e nem ali, pois vocês sequer sabem a quem adoram". Com essa fala o Senhor Jesus dessacraliza o Monte Horebe, o Monte Moriá, o Monte Sinai, o monte Ebar,  e afirma que quem procurava locais sagrados para a adoração era ignorante da autêntica adoração.
 
Ele completa, dizendo à mulher que tipo de adoração o Pai, Deus, procurava: "aqueles que o adoram em espírito e em verdade". Sim, independente do local onde estivessem. E completa: "Deus é Espírito, e importa que os seus adoradores o adorem em espírito e em verdade". Cristo diz que a adoração ao Pai era muito diferente de procurá-lo em locais sagrados, em montanhas, em rios, em vales e em templos. Aliás, nem no templo de Jerusalém, pela própria fala de Jesus. De nada adiantaria estar no templo e ter o coração fora da presença de Deus.
 
O próprio Salomão, cujo templo NÃO ERA DELE, mas de Deus (logo, não havia TEMPLO DE SALOMÃO, afirmou: Mas, na verdade, habitaria Deus na terra? Eis que os céus, e até o céu dos céus, não te poderiam conter, quanto menos esta casa que eu tenho edificado. (1Rs 8:27) Reconhecia, assim, que aquela edificação não era habitação divina, apenas um centro da manifestação divina para um povo que aguardava o próprio Deus vindo em carne, o autêntico TABERNÁCULO DE DEUS COM OS HOMENS, Jesus Cristo.
 
Ao morrer na cruz do Calvário como Cordeiro de Deus e único sacrifício eficaz pelos pecados da humanidade, Cristo provocou um fenômeno monumental no templo de Jerusalém (que já não era o construído por Salomão, que fora destruído, mas o de Esdras e Neemias, reconstruído após a libertação dos judeus cativos em Babilônia e reformado por Herodes o Grande em 46 anos, antes de Cristo): o véu grosso que separava a sala chamada SANTO DOS SANTOS foi rasgado de cima abaixo, pelo próprio Deus, mostrando que agora o acesso ao Pai estava livre pelo novo e vivo caminho, pelo sangue de Jesus, eterno sumo-sacerdote! O maior símbolo da presença de Deus num espaço físico estava terminado, o véu rasgara-se, não havia mais local secreto ou separado.
 
Daí em diante o TEMPLO, antes materializado numa construção que sediava o altar do sacrifício em Jerusalém, transfere-se para O CRENTE e para A IGREJA DO SENHOR, fazendo do corpo de cada cristão uma habitação do próprio Espírito Santo, que veio para morar na alma do convertido, uma verdadeira dádiva, uma primícia, um sinal da salvação que recebemos gratuitamente pela fé.
 
Não sabeis vós que sois o templo de Deus e que o Espírito de Deus habita em vós? (1Co 3:16)
 
E que consenso tem o templo de Deus com os ídolos? Porque vós sois o templo do Deus vivente, como Deus disse: Neles habitarei, e entre eles andarei; e eu serei o seu Deus e eles serão o meu povo. (2Co 6:16)
 
E agora os neopentecostais, tendo à frente uma de suas seitas heréticas chamada IURD, cria um parque religioso chamado TEMPLO DE SALOMÃO, afirmando que ali é o "templo de Deus" e que Deus habita ali? É muito salutar esse apodrecimento cada dia maior do neopentecostalismo, uma vez que a própria IURD, no tempo de seus primórdios, cantava através de seu ex-bispo Renato Suhett, o seguinte:
 
EU PENSEI TE ENCONTRAR EM TEMPLOS
EU PENSEI TE ENCONTRAR EM LIVROS
QUE NADA!
TE ENCONTREI NO CORAÇÃO
 
Agora, anos depois, a mesma IURD apresenta aos incautos, aos que querem fazer negócio com Deus e buscam as bênçãos a qualquer custo, o suposto "templo de Salomão". A obra que fizeram não é o "templo de Salomão". Salomão não tinha templo. Também não é réplica do templo que Salomão construiu, porque não havia um salão para 10 mil pessoas, mas altares, candelabros, locais para amarrar o gado e para sacrifício de animais, pois TEMPLO era para sacrifícios. A IURD transformou os sacrifícios em DINHEIRO que o povo irá colocar no altar. Seria bom, já que querem retomar a Antiga Aliança, que perguntassem a Edir Macedo, seu líder, se ele deseja ser também o Cordeiro de Deus, sendo imolado em algum altar interno de sua construção. Certamente que não, pois daí ele vindicaria que Jesus foi o sacrifício. Se ele não quer substituir a Cristo, por que reconstruiu o que Deus já derrubou?
 
Quando Salomão ergueu o templo de Deus e o consagrou, o Senhor disse: Porém, se vós e vossos filhos de qualquer maneira vos apartardes de mim, e não guardardes os meus mandamentos, e os meus estatutos, que vos tenho proposto, mas fordes, e servirdes a outros deuses, e vos prostrardes perante eles,Então destruirei a Israel da terra que lhes dei; e a esta casa, que santifiquei a meu nome, lançarei longe da minha presença; e Israel será por provérbio e motejo, entre todos os povos. (1Rs 9:6-7). Israel abandonou ao Senhor, foi levado cativo para Babilônia e o templo foi destruído. Quando retornaram e reergueram-no no tempo de Esdras e Neemias, com a reforma de Herodes por 46 anos e antes de Cristo, ouviram de Jesus o seguinte:  Em verdade vos digo que não ficará aqui pedra sobre pedra que não seja derrubada. (Mt 24:2). De fato o templo foi derrubado em 70 dC, pelo General Tito, de Roma. Agora Edir Macedo supostamente o reconstrói, e no Brasil! Que reconstrução é essa? Deus destrói 2 vezes e agora Edir o edifica uma réplica incompleta fora de Jerusalém? O Apóstolo Paulo afirmou, inspirado pelo Espírito Santo: Porque, se torno a edificar aquilo que destruí, constituo-me a mim mesmo transgressor. (Gl 2:18)
 
Mas é o império do dinheiro. Já dizia o Apóstolo Pedro: Mas disse-lhe Pedro: O teu dinheiro seja contigo para perdição, pois cuidaste que o dom de Deus se alcança por dinheiro. (At 8:20)
 
Cristãos leitores, digam NÃO à mentira neopentecostal.
 
Wagner Antonio de Araújo

Nenhum comentário:

Postar um comentário